Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Vouxis  

Vouxiz, A Névoa Gananciosa.

Prefácio

Seus corações pulsam freneticamente e o medo em seus corações os dá força para prosseguir. Uma pequena ave noturna lança vôo assustada pela passagem frenética dos irmãos Belis, Jagal e Frismar.

Esta é mais uma das aventuras arrumadas por Frismar em seus “serviços” como gatuno na cidade. A sete noites atrás Frismar havia conseguido roubar de um grupo de pretensos heróis, um pequeno mapa e uma pedra encantada para a localização do Colar de Vol. O serviço consistia apenas em entregar o mapa e a pedra para o contratante, mas a cobiça e a ambição em torno do colar tomaram conta do ladino, que convenceu seus irmãos a ir com ele recuperar o objeto lendário.

Este colar faz parte de uma das lendas mais medonhas da vinda dos príncipes infernais e seu valor é de uma pequena fortuna para aqueles que conseguirem.
Hoje quando Jagal corre pelos mangues, afirma para si mesmo que nenhum tesouro do mundo vale aquilo. Perseguidos por uma névoa viva, escaparam pela primeira vez quando está ficou impossibilitada de passar pela região alagada e obrigada a dar uma imensa volta até alcançá-los.

Agora em terra firme esperam alcançar a cidade de Uno e conseguir assim abrigo atrás de seus muros.

Frismar, o irmão mais velho, carrega em seus braços o baú com o colar e seu desespero é imenso, já que pode voltar a ouvir o som dos gritos que partem da névoa.

- Corra maldição, corra que ela está vindo.

Entre as árvores do mangue é possível ver os muros de Uno e bem longe atrás deles uma névoa vem surgindo.

- Corra, corra. Grita Belis.

- Maldição, no que foi que você nos meteu???? – Diz Jagal.

- Porcaria, reclama quando estivermos a salvo, corre, corre... – Diz Frismar.

A corrida reinicia-se mais frenética. A névoa se aproxima rapidamente e podem-se ouvir os sons hediondos que saem de seu interior.

Os guardas da muralha podem ver uma névoa surgindo ao longe, indo contra o vento e perseguindo os irmãos.

Jagal e Belis conseguem alcançar os portões da cidade e um sacerdote de Ganis lança um pequeno frasco com líquido na soleira da entrada. De dentro da cidade, Belis estende a mão para seu irmão, enquanto atrás dele a névoa assume contorno de mãos espectrais que buscam alcançá-lo. O desespero de Frismar é imenso e um último pulo para o interior da cidade, tentando se agarrar com a irmã, parece ser sua salvação.

A névoa o agarra antes de alcançar o portal ou as mãos da irmã, e o traga para seu interior, o grito de pavor toma a noite, e a névoa carrega sua vítima para longe, até sumir de vista.

Para Jagal e Belis, que ficaram inconsoláveis sentados no chão da entrada com as lágrimas correndo pelo rosto, a visão da névoa partindo é como ter seus corações arrancados.

Extraído de O Livro de Maudi, do capítulo “A Névoa” Biblioteca de Saravossa.


Concepção

Vouxiz é uma titã segundo poderosa, pois enquanto os demais foram criados pela junção de deuses e demônios, Vouxiz é filha que Antredom gerou em seu próprio estômago, usando uma parte da essência de Ar e um pouco de sangue da deusa Ganis, que este roubou quando respingaram enquanto Ganis lutava contra os titãs junto aos deuses e demais titãs segundos. Do titã, ela herdou o poder de dominar os ventos, além da personalidade impetuosa. Da deusa, ela herdou a capacidade de criar e manipular névoas e brumas. Do demônio, ela herdou uma fome e a capacidade de transformar aquilo que come em poder. Logo, sua fome impetuosa deu lugar a uma ganância que foi direcionada para os reinos dos deuses. Aprendeu a controlar a fome, que não mais a incomodava. Ela passou a ser movida pela pura ambição em se tornar mais poderosa do que os deuses em seus belos reinos, e faria isso absorvendo eles!

Esta ambição a fez mirar primeiro em Ganis, pois pensou que se de respingos de seu sangue ela conseguiu o poder para manipular névoas e brumas, com mais do que isto ela em breve despertaria muito mais poderes. Começou devorando ninfas e enviadas de Ganis, e logo seu corpo se tornou belo e mais poderoso. Agora já conseguia criar tempestades quando devorava uma dessas criaturas. A deusa, ao notar o desaparecimento de suas filhas, não deixou barato. E com a ajuda de outros deuses a amaldiçoou e a baniu para o inferno.

Entre os demônios de seu reino, sussurra-se que sua nova ambição é a de se tornar a rainha dos 13 reinos infernais. Mas sua rivalidade com Ganis foi nutrida por todos estes séculos.


Temperamento

Esta princesa infernal é conhecida pela sua ambição, e por sua persistência contra aqueles a ofenderam ou enfrentaram. Sua personalidade pode mudar como o vento, às vezes é esquiva e melindrosa, e ás vezes é colérica e impetuosa.

Sua ambição a leva a persistir em conseguir algo que almeje. Agindo às vezes como uma compulsão que a torna agressiva e descuidada, e em outras vezes de forma racional e fria, busca arquitetar tramas e manipular os outros através de provocações e melindres.

Quando em discussão com outros demônios ou mesmo deuses, gosta de usar as palavras do oponente contra si próprio, às vezes distorcendo as palavras e desviando a intenção do interlocutor.


Representação

Sua forma é inconstante como o vento. A apresentação mais conhecida desta princesa demônio é de uma nevoa densa, extremamente fria. Esta nevoa ou vapor fantasmagórico costuma assumir um formato vagamente humanoide e cheio de dentes, garras, e olhos feitos de uma escuridão maligna, como que uma paródia malformada e assustadora de um ser paraelemental da névoa. Mas quando está furiosa, ela pode revolver se tornando algo como um furacão demoníaco. Dizem que antes de ser aprisionada no inferno, ela aparentava ser algo como uma bela e pálida ninfa alada, de pele com escamas azuis e asas com plumas brancas, e às vezes ainda consegue se apresentar assim se quiser seduzir alguém.

Símbolo

Esta princesa pode ser representada por três símbolos: um olho sobreposto a um V, três espirais dentro de um triângulo (representando sua luta contra a prisão), ou um olho dentro de uma espiral de três voltas (representando a cobiça, a ambição e a ganância).


Relação com os demais Príncipes Demoníacos

Vouxiz busca não mais o domínio dos planos materiais onde os filhos dos deuses moram, mas sim controlar o próprio inferno. Para isso, faz alianças temporárias por conveniência para derrubar os outros demônios. Pois somente fará planos com outros príncipes quando for para destruir um outro príncipe e aumentar seu crescente poder. Vê na prisão de Morrigalti em Âmiem uma oportunidade de aumentar os domínios de seu reino, e está preparando um exército de criaturas para fazer a invasão ao outro reino. Ela consome a alma dos condenados quando não consegue mais extrair energia da tormenta delas, para fazer este exército sem perder sua própria energia.

Seu relacionamento com seu pai, Antredom, é frio. Mas às vezes ela o convida para partilhar de banquetes em seu reino, sabendo que ele nunca faria em seu próprio, devido a sua avareza. Talvez ela o faça na esperança de, ao manter o vínculo, reforçar o seu direito de herança para no futuro tentar adicionar o reino dele aos seus domínios. Já com seu meio-irmão, Udoviom, ela mantém uma relação doentia. Ela o vê como rival e procura sempre fomentar a rixa entre ele e seu pai.

Sua rixa com sua mãe involuntária, Ganis, é ainda maior que sua nova ambição. E por isso está disposta a traçar alianças com outros príncipes contra os deuses, desde que eles a ajudem a derrotar Ganis.


Festas e Celebrações


Noite da Cobiça ( dia 08 do mês do ouro)
Nesta festa, seus seguidores costumam apresentar o nome de rivais e quais posses eles cobiçam destes. Então fazem pactos com servos de Vouxiz para que estes servos os façam prosperar contra as pessoas marcadas. Os servos costumam pedir algo em troca dos pactos, dependendo da complexidade do pedido...

Ritos das Brumas (dia 03 do mês da água)
Neste evento acontecem rituais de prosperidades que são na verdade uma apologia a ambição e a ganância. Primeiramente, cada um faz um desejo secreto de uma ambição em especial, e depois cada um conta quais foram suas ambições do ano passado que foram alcançadas neste ano. Em seguida, os cultistas escrevem uma lista das novas ambições e lançam num caldeirão. Então, neste mesmo caldeirão, fazem um ritual que evoca brumas místicas que são lançadas como cobertura para capturar vítimas para sacrifícios. Os sacrifícios se dão por afogamento no fim da noite, como escárnio a Ganis. Cada cultista tenta conseguir o maior número de sacrifícios, pois apenas os melhores conseguem a bênção da prosperidade por um ano. Os escolhidos são revelados ao amanhecer, quando as brumas se recolhem em torno deles.


Áreas de atuação

Costuma atuar em locais descampados e ermos, de preferência em florestas distantes e sombrias, somente a noite. Em locais altos como picos de montanhas também é cultuada, e em povos primitivos como uma “deusa” dos ventos.


Descendentes

Vouxiz possui como “descendentes” as chamadas Crias dos Ventos, névoas amaldiçoadas que vagam pelos pântanos e bosques e assumem os corpos de qualquer individuo que tenha se afogado, mas de preferência crianças ou mulheres (como melhor escárnio contra Ganis).

Elas agem próximas a corpos d’água, onde gritam por socorro atraindo suas vítimas que são afogadas, consomem assim a alma da vítima e trocam de corpo onde atraíram uma nova vítima. Esta e uma das formas encontradas pela Princesa Vouxiz de confrontar a deusa Ganis em seus domínios.

Além destes descendentes, para poupar a própria energia, Vouxiz consome almas dos condenados e com sua energia produz demônios alados, elementais do ar ou paraelementais da névoa para lhe servir. Alguns de seus demônios de posto mais alto, também receberam o poder se assumir a forma de névoa ou ciclones como prêmio pelas almas trazidas ou energia extraída com o tormento das almas dos condenados.


Cores

Sua cor é o azul escuro.


Países em que a religião mais atua

Vouxiz se alegra com destruição, provocando vórtice de ar poderoso nas costas de Porto Livre, sedentas tempestades de areia na Levânia, ou quedas de gelo sacudidas pelas tempestades no pico de Prussel. Mas é principalmente mais atuante no Denégrio, nas regiões costeiras e rios. Nestas áreas, seus cultistas podem evocar densos nevoeiros para que os seguidores de Ganis se percam. Há rumores de que alguns navios piratas de Porto Livre são tripulados por seguidores de Vouxiz.


Religião

Os devotos desta princesa infernal têm aumentado suas atividades nas regiões costeiras, afirmando que as graças desta garantiram a segurança daqueles que viajam no além mar o retorno seguro para terra e suas famílias.


Templo

Seu templo costuma ser sempre amplo, algumas vezes ao ar livre e em local isolado. Um grande altar é feito em pedra e são erguidas dezoito estrelas, cada qual com 2 metros de altura e dividida em três partes, cada uma com símbolos profanos entalhados. Neste local são feito sacrifícios ao príncipe e alguns de seus “filhos” aparecem na forma de humanoides de vento.


Vestimenta

Suas vestes são mantos azuis de camurça com capuzes, e os participantes das cerimônias devem carregar incensários onde ervas profanas são queimadas para atrair e materializar os “filhos” de Vouxiz. Os cultistas podem exibir adornos de ouro para mostrar a prosperidade trazida com sua ganância.


Locais Profanos

Existem alguns templos considerados sagrados e muito frequentados por seus adoradores, mas é na região dos Mangues, nas distantes Terras Selvagens, que fica o que muitos consideraram o mais sagrado local.

Em uma região repleta de ruínas se encontra o templo de Vouxiz, onde dezoito estrelas com mais de 5 metros de altura foram erguidas e no seu centro existe uma mesa de pedra com uma pequena caixa em seu centro.


Itens Demoníacos


Colar de Vol

Este é uma das relíquias encontradas durante as guerras contra A Seita. Muitas histórias falam sobre servos de Vouxiz, que ao portar este colar tinham a capacidade de gerar intensos ventos, muitos dos quais chegavam a ser ciclones. O colar é formado por diversas perolas negras que em seu centro é gravado um dos símbolos de Vouxiz.

Laço do Enforcado

Este laço é usado a gerações pelos maiores cultistas de Vouxiz, para sacrificar as vítimas capturadas nos ritos profanos. Dizem que depois dos séculos ele ganhou senciência, ou passou a ser um item possuído por algum servo da Princesa. Com um comando, o laço dá um bote como uma cobra e se enrola no pescoço de uma pessoa.

Incenso da Névoa

Este incensário produz um nevoeiro ao se colocar ervas profanas e ser balançado entoando-se cânticos. Quem balança o incensário controla em que direção o nevoeiro se move. E dizem as lendas que já foi usado por piratas seguidores de Vouxiz para dar cobertura para que seus navios se aproximassem das vítimas que seriam saqueadas, ou para despistar em fugas.

Caldeirão das Brumas

Em um rito anual, são usados caldeirões para evocar brumas para perseguir pessoas. Este caldeirão especial é feito de prata e foi abençoado pela própria Vouxiz para um grande cultista Bankdi, e ele produz brumas em qualquer noite do ano. Com um sacrifício adequado, este caldeirão também pode evocar um paraelemental da névoa ou um elemental do ar para servir ao cultista por 24 horas.


Doutrinas do culto

  • Cobice seu próximo, ambicione o impossível, e aja com ganância; assim trarás a prosperidade.
  • Quem não cobiça, será alvo de cobiça. Quem não tem ambição, não anda para frente. Quem não age com ganância, não vence.
  • Observe anualmente a noite da cobiça e o rito das brumas.
  • Que os traidores do culto morram sufocados.
  • Que os servos de Ganis sejam corrompidos pela ganância e morram afogados!


Influência das ordens na política do reino

A destruição que esta princesa demônio é capaz de impetrar torna perigosa sua existência nos reinos, sendo a influência dos ventos e das névoas responsáveis por causar desastres, desaparecimentos e mortes por onde passam.


O reino de Vouxiz

É o oitavo reino infernal onde os condenados pela ganância encontram sua morada. Neste reino, as almas dos mortos são constantemente sufocadas de diversas formas. A temperatura muda constantemente, o reino ora é assolado por ventos muito quentes, e ora por ventos muito frios.

O portal de entrada fica a quilômetros de altura sobre um imenso lago profundo. A recepção dos condenados é uma queda livre que pode durar de horas a dias, dependendo do tamanho do pecado de cada condenado. Este é o primeiro tormento, que termina com o impacto no lago, onde as almas dos condenados são afogadas, puxadas para baixo uns pelos outros ou por demônios. Depois que o condenado consegue escapar desta segunda provação, chega em uma floresta de árvores que repentinamente são tomadas por brumas. Então, perdidos, são caçados por demônios, que os enforca em cipós. Os enforcados ficam pendurados nas árvores, sofrendo o tormento do enforcamento e servindo de iscas para seus companheiros, até que consigam fugir. Por fim, os condenados que escaparam desta terceira provação chegam na cidade de Garfiniane, que é basicamente uma imensa torre cujo topo não é possível de ver, rodeada por ruínas e cercadas por um pequeno muro. É possível ver demônios entre as vielas da cidade. Eles forçam as almas a erigir casas com pedras e madeira. Devido a pressão dos demônios, as casas não conseguem ser mais que meros barracos construídos sem cuidado. Estes barracos logo desabam soterrando condenados, enquanto outras casas são erguidas por outros condenados sobre as ruínas das casas daqueles que ainda se encontram enterrados e sufocando.

Quando os condenados conseguem escapar da quarta provação, se esgueiram para a torre para encontrar a quinta provação. Neste momento, depois de sofrer os tormentos do pavor da queda livre e da dor do impacto na água, da asfixia por afogamento, enforcamento e soterramento, os condenados sobem uma escada em espiral que parece não terminar e os sufoca por cansaço e altitude. Há janelões em diversos pontos da torre, de onde criaturas entram para derrubar os condenados que ainda tem energia para que comecem toda a subida novamente. Vouxiz e seus demônios se alimentam da energia do sofrimento das almas atormentadas pela asfixia e cansaço, e quando elas não tem mais nada a ser extraído, chegam ao topo onde há o salão das brumas. Lá há um banquete no qual Vouxiz os devora, consumindo o resto sua energia imortal para gerar novos demônios, elementais ou até mesmo paraelementais para compor o seu exército.

Também há locais distantes e ermos onde os condenados que tentam fugir se perdem em nevoeiros, e são afligidos por armadilhas que os dilaceram ou ferem, enquanto demônios riem deles. Além destes locais, há ilhas voadoras espalhadas sobre o reino, onde estão os covis dos servos de Vouxiz. As ilhas dos servos mais importantes flutuam em volta da torre central. A altitude das ilhas também varia conforme a importância, os servos mais fracos moram nas ilhas mais baixas.

Este reino é habitado por demônios de formatos diversos. No lago e sobre ele, há demônios parecidos com sereias que possuem enormes barbatanas nas costas à guisa de asas. Há demônios alados, elementais do ar, crias do vento, e paraelementais da névoa por todo o reino. E alguns demônios parecem com cruzamentos bizarros entre harpias e feratus.


O guardião Berzeu

O guardião da cidade é Berzeu, um antigo guerreiro. Montado em um cavalo de aparência horripilante, é uma criatura esquelética e de aparência demoníaca.
Berzeu está vestindo somente uma calça feita de malha de aço e está coberta por uma saia comprida e negra. O dorso nu está repleto de tatuagens, um colar feito de ossos em volta do pescoço e uma imensa espada prateada. Seu rosto possui buracos no lugar de olhos.

A história conta que Berzeu um dia foi um líder militar das Tribos no Sul, que movido por grande ambição, conduziu seu povo para uma grande expansão territorial. Ao conquistar novos territórios, ordenava que seus homens cometessem atrocidades contra inocentes, saqueando vilas derrotadas e sacrificando crianças para deuses desconhecidos em troca da próxima vitória.

A lenda que se formou em torno dele, afirmava que foi dado a ele o poder de ver o futuro e saber assim a ação de seus inimigos. Porém ele foi morto pela guerreira Ismiria, que era devota da deusa das águas e da maternidade, e que acabara de dar a luz. Acredita-se que ela lutou com todas as suas forças e além para proteger sua cria do fim que ela sabia era destinado as crianças dos locais conquistados por Berzeu. Ela quase perdera a batalha e ele se impunha contra seu corpo quando, em um ato de desespero, ela o derrotou arrancando seus olhos com os dedos. Então, aproveitando que ele se distraiu com a dor, alcançou uma adaga de prata que adornava sua parede com a qual selou o destino de Berzeu.

Verbetes que fazem referência

Livro dos Demônios

Verbetes relacionados

Introdução | Prólogo e Epílogo | Anasmadis | Antredom | Branaxis | Diatrimis | Ekisis | Fulvina | Heldrom | Mocna | Morrigalti | Ricutatis | Seinoniz | Udoviom | Vouxis