Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Udoviom  

Udoviom, Senhor da Pestilência, Mestre das Pragas, Degradador da vida

Prefácio

As lembranças ainda marcavam a sua mente, eram feridas que jamais se curariam. Sentado em sua sala, com seus filhos a seus pés, Virnus pensava na vida que teve e como era bela a cidade de Franges em seu tempo de criança.

A importância da cidade era inegável e a beleza e o orgulho de seu povo para com os feitos de seus antepassados, ainda eram exaltados nas músicas e nos discursos de seus lideres. Mas tudo isso foi parte de um passado distante.

A peste veio sem aviso e levou centenas em um único dia. Desespero e medo levaram centenas a abandonar suas casas no meio da noite, para encontrarem a morte nas estradas.

Com urgência, a guarda real foi chamada para “isolar” a região, impedindo que as pessoas da cidade fugissem e levando a peste para outro lugar. Muitos tentaram fugir, mas pereceram sob as flechas dos sitiadores.

Longos meses se passaram, e atos inomináveis foram testemunhados e esquecidos, um segredo sombrio guardado pelos sobreviventes. Foi durante o primeiro mês de isolamento que Virnus, na época um jovem rapaz, perdeu sua pequena irmã, o lamento de sua perda era aplacado pelas condições desumanas que viviam.

Nas ruínas da cidade a busca por alimentos era difícil e pouco mais de dois meses já não havia nada mais nos armazéns. No mês seguinte os animais foram devorados pelos sobreviventes, nem mesmo ratos eram vistos.

Mesmo assim Virnus, mais osso do que pele, caminhava pelas ruínas em busca de qualquer coisa que pudesse levar para comer em casa. O couro velho de ontem parecia saboroso em vista da terra que comeu no dia anterior.

Atos de cacofagia se tornaram comuns. As pessoas ficaram violentas e começaram a comer carne podre, larvas de suas feridas e vermes, após vomita-los.

O simples som de passos levava Virnus a se esconder e este hábito por diversas vezes salvou sua vida.

Mas foi em uma noite que testemunhou algo que o marcaria por toda a vida.

Um grupo de cacófagos haviam passado por ele há alguns minutos, quando um grito ecoou pelas ruínas. A curiosidade superou o medo e arrastando-se pelas ruínas o jovem esquelético pode ver uma figura sombria a frente do grupo que se contorcia no chão.

Uma sombra viva, formada por centenas de insetos e criaturas peçonhentas, gesticulava e ria ao causar dor aquelas criaturas. Os canibais passaram a ter ferimentos e larvas saindo de seu corpo até que explodiram liberando centenas de outras criaturas que integraram a sombra viva feita de insetos.

Aterrorizado fugiu e jamais voltou ao local. Tempos depois o cerco foi aberto e aos sobreviventes a oportunidade de viver na nova cidade de Ambernita, onde prosseguiram com o restante de suas vidas.

Extraído de O Livro de Maudi , do capítulo “A epidemia da cidade de Franges” Biblioteca de Saravossa.


Concepção

Senhor da Pestilência, Mestre das Pragas, Degradador da vida, Udoviom é para os habitantes de Tagmar um dos príncipes mais terríveis. Não pelo fato de possuir muitos adoradores, mas sim pela frequência de suas atuações. Afinal, nos fartos plantios dos campos, ele traz as pragas e a poluição. Nas grandes cidades, mesmo com a ajuda dos sacerdotes, tanto a plebe quanto os duques e até reis no conforto de seus castelos não estão a salvos das doenças e contaminações quando o Senhor da Pestilência vem visita-los.
Ele representa não apenas a doença mas também a poluição e a destruição dos ambientes naturais, em oposição aos sacerdotes de Maira, que reservam a pureza das coisas como ensinamento aos homens. A ínfima presença de Udoviom traz consigo as vegetações devoradas, solos e rios contaminados, animais e pessoas tomadas pelas piores doenças e com seus corpos transbordando em vermes, para assim erradicar qualquer esperança de que os seguidores de Maira possam curar a humanidade de suas tolices em desejar sempre crescer pela ambição.


Temperamento

Paciente e cuidadoso, Udoviom busca a destruição lenta dos Filhos dos Deuses através suas pestes. É cauteloso com as palavras e jamais revela suas verdadeiras intenções até que seja tarde demais para reverte-las.

Representação

A aparência de Udoviom é, no mínimo, aterrorizante. Seu surgimento vem precedido de um fedor nauseante que causa desmaios nos olfatos mais apurados à sua volta. Quando finalmente surge, uma turba de insetos e animais fedorentos se amontoa e interagem falando claramente, acompanhados de zumbidos e outros barulhos característicos, mas que produzem palavras perfeitamente compreensíveis aos ouvintes. Sua fraqueza, dizem, é água potável e virgem.

Símbolo

Seu símbolo são seis linhas entrelaçadas cada qual o par de linhas não forma completamente um círculo, seria a representação da praga, poluição e destruição da criação dos deuses.



Relação com os demais Príncipes Demoníacos


Udoviom odeia Mocna e Morrigalti pela sua influência devastadora, causando toda destruição de maneira precoce. Preferindo os métodos mais lentos e sofridos como os aplicados por Ricutatis, mas sem tantas frescuras, Udoviom o considera um pomposo fresco não merecedor de sua popularidade.

Nutre um profundo ódio por Maira e suas criações. Contudo, a mesmo tempo, Udoviom deleita-se em trazer-lhes o pavor de suas pestes.

Festas e Celebrações


Dia da Contaminação (dia 15 do mês da Vida)

Data que deu origem a peste, na cidade de Franges, deixando hoje 10% da população original ainda residindo nos limites da cidade. Grande maioria dos sobreviventes, já enlouquecidos pela contaminação, se juntam para saldar o demônio, acreditando serem os escolhidos a não perecerem na terra da peste. Fiéis costumam marcar encontros em locais abandonados para rituais macabros.

Áreas de atuação

Nas estradas desertas de Luna e nas cidades abandonadas, seu nome é sussurrado e seu culto vem crescendo, principalmente por causa da falta de fiscalização e policiamento.

Descendentes

Chacais de Franges, como são conhecidos os humanos que sofreram uma metamorfose durante a epidemia da cidade de Franges. Foram infectados pela peste que não somente destruiu seus corpos como também suas mentes. Estes sobreviveram praticando o ato de vomitar os vermes de seus estômagos e come-los assim como as larvas que saiam de suas chagas.

Transformados por Udoviom, estas criaturas são suas crias, seus filhos, são os arautos que espalham a peste de Franges a suas vítimas com uma simples mordida ou ferimento provocado por suas garras, podendo estes transformar-se em novos Chacais ou morrerem em menos de 3 dias.


Cores

Sua cor é o verde oliva, um tom de verde mais escurecido como se estivesse perdendo a vida.

Países em que a religião mais atua

Atuam principalmente na região do reino de Luna.

Religião

Qualquer tipo de doença mortal descoberta e que se torna epidêmica é festejada por seus seguidores, que procuram disseminar em novas áreas tal doença, nem que eles mesmos sejam os portadores e transmissores de tal peste.

Templos

Seus templos são marcados por grandes colunas repletas de crânios encravados. Nesses templos habitam uma grande quantidade de vários insetos, ratazanas e outros animais pestilentos que são cultuados pelos demonistas como a representação da presença de seu Senhor.

O formato destes templos é sempre retangular, com a entrada em um dos lados menores e o grande altar no outro. O espaço entre o portão de entrada e o grande altar é ocupado pelos demonistas, chacais e pilhas de cadáveres em decomposição. As paredes sempre recobertas por afrescos com o símbolo de Udoviom e a seguinte escrita “Peste de Franges”.

No centro do grande altar tem uma pira, onde chamas profanas são mantidas alimentadas com as sobras dos corpos sacrificados no templo. Crianças e mulheres com gravidez avançada são pendurados por ganchos e correntes ao redor da pira, com seus corpos completamente recobertos por um creme preparado pelos próprios demonistas com a função de atrair as pragas. Ainda vivos, agonizam e exibem centenas de insetos, principalmente moscas, para devorarem suas carcaças.

Esta predileção por gestantes e crianças como sacrifícios na cerimônia profana simboliza a aversão de Udoviom pela vida.

Vestimenta

São túnicas encapuzadas verde-oliva, de mangas longas e com o símbolo de Udoviom bordado com linhas brancas em seu dorso. Em seus ombros repousam insetos, ratos e outros animais pestilentos.

Locais Profanos

Seu principal templo encontra-se nas galerias do castelo real da cidade de Franges, hoje praticamente abandonado.

Doutrinas do culto

  • Destruição da carne;
  • Disseminação de pragas;
  • Dores aos hereges;

    Influência das ordens na política dos reinos

    Quando se manifesta, provoca surtos de doenças e pestes nos locais, afetando a saúde de todos que se encontram na região, sejam animais ou vegetais. Muitas das pessoas que manifestam o efeito nocivo de Udoviom têm acessos de loucura e agressividade. Seu reino é o destino dos Chacais e daqueles que espalham doenças propositalmente.

    Itens Demoníacos

    O manto de Udoviom

    Na posse deste manto profano o demonista é capaz de controlar os insetos que forma sobre ele uma espessa armadura. Esta tem a função de proteger o demonista contra golpes de quaisquer armas, mas sendo especialmente sensível ao fogo.

    A massa de insetos que forma a armadura também pode ser usada para atacar o adversário, além de causar dificuldade deste se defender de ataques do demonista.

    Sentidos Profanos

    Através do amuleto da casa de Udoviom o demonista pode estabelecer contato mental com um ou mais insetos e outros animais pestilentos da região, podendo assim ver e ouvir tudo o que é dito neste lugar.

    Não sendo capaz de controla-los ou direciona-los para um local ou pessoa especifica, mas terá centenas de olhos e ouvidos na região de atuação da magia.

    O reino de Udoviom

    É o nono reino infernal onde os condenados pela contaminação da carne e do espírito encontram sua morada. Um imenso vale rochoso, sem saída, coberto por lodo, um lugar onde a chuva é incessante.

    O grande portão de madeira podre leva até a cidade conhecida como Crinato, que lembra vagamente as cidades rurais, com casebres simples, moinhos e estábulos. Vastos campos com plantações devoradas por insetos. Pessoas febris, agonizando com seus corpos cobertos por escaras estão espalhados por toda cidade.
    Seu palácio é o tronco colossal de uma árvore morta. Nas paredes internas e externas jazem crianças, mulheres e até fetos, sendo expostos como troféus para todos que se aproximem de seu castelo.
    A cidade de Crinato é tomada pela mais perfeita afronta a Maira e suas criações. Um local onde todos sofrem a agonia de suas mazelas em um ambientes sombrio e úmido, um lugar onde a única coisa proibida de morrer é a sanidade de seus condenados. Estes devem saborear o terror de seus pecados.

    Alcrinontes O Guardião


    O guardião da cidade é Alcrinontes, O contaminador.

    Sua aparência é de um homem alto, magro e completamente nu, exibindo orgulhosamente as bolhas inflamadas espalhadas pelo corpo. A lateral de seu rosto é deformado por Miíase, envolvendo seu maxilar, estendendo-se até o pescoço. Mãos esguias, compostas por longas garras e dois pares de asas, muito semelhantes as de moscas, rompem seu dorso. Carrega em seu ventre aberto, um feto, portando consigo todas as pestes existentes.

    Alcrinontes cresceu em uma bela fazenda, adorando Maira. Tornou-se um médico e seu seguidor. Durante muitos anos viajou por várias cidades e vilarejos dedicando-se a salvar vidas e curar diversas enfermidades, sem cobrar uma única moeda de cobre a quem quer que fosse.
    Durante sua estadia em uma pequena vila muito longe de casa, Alcrinontes conheceu uma linda jovem, apaixonaram-se e casaram. Não levou muito tempo e ambos foram agraciados, logo receberiam seu filho.
    Infelizmente, antes que a criança nascesse, sua amada adoeceu com uma febre muito forte, mesmo com todo seu conhecimento e tratamento não conseguia cura-la. Sem ter mais o que fazer, ele rezou, implorando a Maira que a curasse, pois só ela poderia salvar sua família... Sem resposta, o pior aconteceu.
    Tomado pela dor, desespero e revolta, abriu o corpo falecido de sua esposa, enquanto afrontava a Deusa que outrora adorava e retirou o feto ainda pulsante, cortou seu próprio abdome e tentou guardar o feto dentro de si enquanto deixava suas vísceras espalharem-se pelo chão. Quando acreditava que estava perto do fim, ouviu uma voz, meio arranhada, mas ainda sim poderia compreende-la. A voz que parecia mais com o zumbido de uma nuvem de insetos o mandava levantar e assim seu corpo tomou fôlego.
    Alcrinontes havia mudado, voltou a viajar e por mais algum tempo sua vida se estendeu. Por onde passava, em cada vila ou cidade por onde era conhecido e outras mais, deixava a peste. O homem que curava, tornou-se o monstro que contaminava, até que em seu fim, Udoviom o convocou e fez de sua obra prima o seu braço direito.

    Verbetes que fazem referência

    Livro dos Demônios

    Verbetes relacionados

    Introdução | Prólogo e Epílogo | Anasmadis | Antredom | Branaxis | Diatrimis | Ekisis | Fulvina | Heldrom | Mocna | Morrigalti | Ricutatis | Seinoniz | Udoviom | Vouxis