Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Extratos do "Livro de Maudi" .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

Da cópia existente nos arquivos dos sacerdotes de Palier em Saravossa, Calco.


"No princípio, na primeira pérola do cordão da existência, havia apenas as cores do caos. Seguindo a infinitude do para sempre, que era aquela primeira esfera, onde as luas contavam-se como todas e como nenhuma”.

Ouvíamos aquelas palavras pela terceira vez, desde a fuga do acampamento bankdi. Os mesmos versos imutáveis, iguais tons de voz e ênfase, que reforçavam todo aquele inferno que estávamos vivendo... Parecia uma ironia poética do destino, ouvir sobre o caos primordial em meio a labaredas e mais labaredas bankdis.

A voz do velho tremeu mais um pouco e parou finalmente. Então o corpo ferido e trespassado por flechas negras caiu sobre meus braços doloridos. Arrastei-o para longe das janelas, onde ele dizia poder ver as multidões de seus fiéis. Pobre e senil criatura!
As setas negras zuniam sem complacência. Varavam as janelas e aterrissavam aos nossos pés. Aldrabar havia percorrido o chão cheio de escombros da torre em busca de projéteis utilizáveis.

— Temo que nossas aljavas não bastem para toda a fuga… — Ele disse.

— Uma massa está vindo do sul! — O grito veio dos andares superiores. O mago Petas, dependurado da janela mais alta, nos alertava. — Os Bankdis convocaram suas legiões de demônios! — Ele saltou com uma respiração curta para aterrissar entre as vagas de escombros e flechas partidas, e continuou:

— A frente está a quinhentos metros, mas os batedores já se encontram bem próximos. — Ergueu o corpo magro e com ele a voz: — Escondei-vos! Um encanto é necessário!

Aldrabar se espremeu ao chão. O rosto fino absorvia a poeira secular. Continuou a afastar o lixo e o entulho. Com isso, encontrava mais flechas e revelava estranhos desenhos no chão.

Mais uma vez, puxei o velho pela manga suja e nos posicionei em proteção. Quando Petas iniciou o encanto, fluidos místicos percorreram o salão, um prenúncio da força que viria. Naquele momento a voz imutável despertou novamente.

“Mas houve o fim da primeira pérola, e com ela, a separação do caos. Formaram-se os reinos superiores e os inferiores e em pouco tempo a sapiência manifestou-se em ambos”.

“As emanações do caos indômito e destruidor, deram origem aos primeiros seres infernais: os príncipes demônios. E oriundos da consciência e emanações das forças da criação nasceram os titãs. Os seres titânicos eram treze, e chamaram a si mesmos de Treva, Luz, Água, Terra, Fogo, Ar, Crônus, Crio, Ânimus, Étere, Maná, Entropia e Gênese”.


O ancião calou-se de repente, no momento em que as forças do encanto de Petas atingiram seu nível máximo. O vento rodopiou pela Torre e lançou poeira sobre nossos olhos sofridos. Urrou profanações e lamentos. Sentimos um frio brusco, quando o encanto partiu em direção aos inimigos. Luzes pálidas cavalgando ossos e fogos-fátuos. Um frio mortal e negro. Provocado pela conjuração da magia…

— …Negra! — Meus olhos atônitos não acreditavam no que eu via. Corri para Petas desesperado. Tentei fazer com que ele desfizesse o encanto profano. — Você usou magia negra! Estamos em uma missão sagrada! Você não tinha o direito! — Bravejei.

Mas, minhas pernas enrijeceram e minha corrida parou. Malditos fazedores de milagres… Petas transformou-me numa “meia estátua”. Eu mal podia respirar. Lá fora o céu escurecera e o ar assobiava palavras malditas. Mais flechas entraram pela janela, cravavam-se nas paredes e exalavam cheiros podres. Veneno bankdi.

— O que está… maldição Petas! A torre está tremendo! — Aldrabar gritou como se tivesse três pulmões. Petas teve que abandonar a posição conjuratória e libertou-me da paralisia.

— Está feito! — Sua voz nunca esteve tão consumida. — Metade dos demônios e hordas foram banidas. Mandei-os para os níveis mais inferiores do Caos Infernal.

— Idiota… — Tentei sem sucesso controlar a raiva ardente. — Sabe que estamos escoltando um homem santo. Quer trazer a ira de seu deus sobre as nossas cabeças? É isso que quer!? Você e essa magia podre?

— Você sabe que não temos escolha! — Sua voz, a face, os pulmões, tudo nele parecia enfraquecido. Um fio de sangue escorreu dos ouvidos do mago. — A Seita Bankdi é muito mais do que pensamos ao aceitar o trabalho. Há! — Ele esfregou as mãos nas têmporas e nas orelhas e ficou um pouco a rir para os dedos vermelhos — Nos disseram: “um pequeno grupo de fanáticos que quer erradicar todas as religiões mais antigas”; “uma meia-dúzia de ignorantes”; “poder nenhum...” — cuspiu para o lado. O sangramento aumentava. — Eu li a mente de um deles quando estava lá no alto, na janela. A Moldânia Superior já não conhece os antigos ritos. Todos os cultos derivados da história antiga foram esquecidos. Malim — apontou para o velho — é um homem santo? Sim; é verdade. O último que ainda vive. O último representante da adoração ancestral. E nós estamos carregando-o por planícies de demônios e venenos. Dominadas por forças incompreensíveis que podem nos esmagar como insetos!

Calou-se nesse ponto e eu também não disse nada. Petas tinha toda a razão. Carregávamos a história do mundo conosco. Um mundo que queria esquecer essa história.

“Depois de pérolas e mais pérolas de infinito horizonte, as mudanças vieram. A descendência dos titãs trouxe os deuses à existência. Estes filhos desejaram unir-se às criaturas dos reinos inferiores. De sua união surgiram os titãs-segundos. Naquela época deu-se a primeira discórdia. Quando deuses e titãs-segundos uniram forças contra os criadores e trouxeram ordem ao universo. Foi o início da Lei”.

O velho Malim falou essas palavras e caiu para o lado, como que adormecido. O ar ficara pesado com suas declarações. Entristecido, pensei em quanta coisa se perderia com a morte daquele homem.

Aldrabar interrompeu minha divagação com gritos alarmados:

— Na janela! Bankdis na janela!

Eles se multiplicaram em instantes. Eram muitos. Surgiam de todos os cantos. As hordas escalavam os muros altos da torre e se arremessavam da janela sobre nós. Minha espada refletiu minha ira e corpos bankdi começaram a ganhar o chão.

— Petas! A janela! Você tem que fechar a janela! — Eu alternava entre inspirações e golpes decepadores. Belador, minha espada, cintilava azul pungente. Excitada enquanto cortava a carne inimiga como se não precisasse de meu braço. Aldrabar refugiou-se com o velho atrás de uma pilastra caída. Retornou todas as setas recolhidas aos seus antigos donos. Seus disparos mortais cortavam o ar sempre encontrando seu alvo.

— Cuidado! — Mas o aviso de Petas chegou tarde demais. Meu corpo foi arrastado pelos ventos destruidores que se formaram. Escombros foram erguidos do chão e iam se chocar contra as janelas. Aldrabar foi quem me segurou. Se não fosse sua mão amiga meu corpo teria se juntado às dezenas que foram arremessados junto com o monturo. Uma barreira formou-se. Vermelha com o sangue, vísceras e membros partidos e sepultados ali para sempre.

O tornado cessou. Ainda foram necessários cinco golpes e duas flechas para que o salão ficasse livre de vida inimiga. Petas cambaleou por entre os corpos até finalmente cair de joelhos. Exausto e pálido.

— A barreira não vai… aguentar muito tempo! — Havia sido muito esforço. Mais sangue jorrou. Seus ouvidos e olhos vertiam o precioso líquido da vida. — Pelos deuses! Precisamos… dar um jeito de sair! Não podemos perecer neste lugar de trevas! — Segurei-o pelo ombro. — Sente-se. Descanse um pouco enquanto averíguo Aldrabar e o velho.

A torre tremeu novamente. Seus fundamentos ameaçavam ruir e nos tragar. Cascalhos caíram do teto e as rochas que bloqueavam a janela desprendiam-se e rolavam pelo piso. Percebi, naquele momento que Petas chorava. Tudo pareceu mais negro e sem esperança.

Aldrabar gritou:

— Um alçapão! — Vi-o revirar os destroços e afastar uma rocha — Maudi! Venha, cá! Tem um alçapão aqui, rapaz!

Atravessei o salão esforçando-me para esquecer o chão trêmulo, o medo incipiente e os cadáveres que pareciam chamar reforços e clamar por vingança. Juntos afastamos pesos, vigas de madeira e outros destroços. A esperança reacendeu nos olhos quando vislumbramos a porta no chão. Petas se aproximou quase a se arrastar.

— Será mesmo… uma saída?

— Não sabemos ainda. — Forcei o grande puxador de metal para cima. — Aldrabar, ajude-me aqui.

Puxamos com todas as forças até quase o corpo estalar. O ferro gemeu e resistiu mais que nossos músculos. Finalmente a vontade e o desespero foram mais fortes e o portal cedeu. Caiu de lado para revelar as entranhas da terra. A partir de poucos degraus que serviam de entrada um túnel rochoso se estendia indefinidamente. Senti a alma congelar no meu corpo. O ar que bafejava o rosto era antigo, milenar, talvez nunca respirado. Arrepios percorreram minha espinha ao pensar em maldições e lugares que não se deve nunca, jamais, profanar. Recuei.

— Não podemos ter medo, Maudi. Não podemos. — Petas passou por mim cambaleante. Venceu os primeiros degraus em direção ao inferno escuro e desconhecido. Aldrabar carregou Malim e repetiu os mesmos passos de coragem.

E eu? Por todos os deuses! Fiz o que tinha que fazer: segui-os.

— Vocês… abaixem as cabeças. — Ouvi quando Petas falou a Aldrabar e Malim. Alcancei o puxador do alçapão com as mãos e o fechei. A única luz que possuíamos se extinguiu.

— Você também, Maudi. Tenha cuidado. — Ele disse. — Vou selar o alçapão com magia e disfarçá-lo o melhor possível. Mas teremos de nos mover depressa. Com esse encanto feito, o das janelas será automaticamente cancelado. É a ordem das malditas coisas.

Encolhi-me junto à parede úmida e repleta de musgo. Refreei vômitos. Petas sussurrou: — Agora. — O alçapão pareceu se amassar sobre nós. — Eles terão que cavar ao redor para nos pegar. Vamos, rápido!

A magia sobre o entulho se desfez. O som das pedras desmoronando chegou até nós. Como um ribombar das piores tempestades. Os gritos animalescos dos demônios encheram o ar e congelaram nossas almas. Éramos puro medo.

Avançamos através das trevas durante mais tempo do que posso lembrar. Malim estava ausente e silencioso. Quando recomeçou a falar o tom foi como se estivesse numa grande praça tranquila.

“Cinco Titãs fugiram para além da Lei e do Caos. Quatro deles deram forma aos reinos elementais de Aqua, Terra, Fogo e Ar. E o quinto, Étere, ocupou o vazio entre eles.

“Outros, em sua tentativa de fuga, uniram-se ao universo material criado pelos deuses. Este foi o destino de Ânimus, Maná, Entropia, Crio e Crônus. Outros dois foram capturados e subjugados: Treva e Luz.

“De Gênese, nada se sabe. Nem verdades, nem lendas.
“Com o fim da guerra, os deuses criaram os reinos materiais. Estabeleceram a lei e a ordem em meio ao caos. Quanto aos titãs-segundos, sabe-se apenas que vagam através das dimensões. Percorrem todas as pérolas dos mundos sem motivo que nos seja permitido saber”.


A terra principiou a cair sobre nós. Como uma chuva barrenta. Bocados caíam aos montes. As criaturas enfiavam suas garras através da terra, na tentativa de nos tirar a vida. Petas parou, fazendo com que ficássemos todos juntos. Uma massa medrosa. Esperançosa de uma morte rápida.

— Meus amigos… a morte se aproxima. — Petas não falava baixo, nem com cuidado. Já não havia necessidade de fugas ou esconderijo. — Não espero que acreditem no que vou dizer, nem que atendam meu pedido. — O teto caía em profusão: rochas, musgo e raízes de árvores de uma terra desconhecida. O medo caminhava cada vez maior. Eu podia sentir a presença do Mal sobre nós. Pelo menos dois milhares de inimigos ansiavam por nossas mortes. Não havia fuga possível.

— Escutem! — Petas falou mais alto.

— Só temos chance na magia antiga. Na magia ancestral que nem mesmo os mais poderosos magos se atrevem a usar. — Meu corpo gelava. Eu tentava cuspir a terra que caía sobre o rosto. Em desespero eu desejava apenas sair dali. Uma morte horrível ficava mais perto a cada respiração.

Eu e Aldrabar fizemos silêncio durante aquele pouco tempo em que tentávamos entender a proposta desesperada de Petas. Era uma concordância. Faríamos o que quer que fosse para nos tirar dali.

— Você será o recipiente do encanto, Maudi. Seu corpo é o único resistente o suficiente para suportar a… magia.

— Eu, não entendo…

— Sairemos todos daqui Aldrabar, mas apenas em espírito. Seremos quatro almas a ocupar o corpo de Maudi. Nossas carcaças serão abandonadas aqui enquanto a magia transportará um único corpo através das dimensões até um lugar seguro. Talvez na sua casa Maudi?

Não respondi. Não poderia. Era um absurdo enorme tudo aquilo. E ao mesmo tempo, aceitaríamos qualquer coisa, qualquer acordo, que nos tirasse dali.

— Sim. — Eu disse por fim.

Aldrabar gemeu. Indeciso entre a loucura do mago e a morte nas garras dos demônios.

— É nossa única chance Aldrabar! — A voz de Petas tremia. — Juntem as mãos! — Ele gritou. Sua voz sobrepondo-se aos urros e escárnios que agora enchiam o túnel ao avançar sobre nós. Olhos ferozes, dentes trincados e garras. Sedentos, cada vez mais perto…

Os demônios precipitaram-se sobre nós no momento das últimas conjurações. O mundo partiu-se. Enxergava em quatro formas, quatro corpos, quatro mentes. Pude sentir quando as garras penetraram nos corpos quase vazios, momentos antes de partirmos. Nossas almas foram transportadas através do corpo daquele a quem chamavam Maudi.


* * *



Enquanto escrevia estas linhas era necessário manter-me separado dos outros. As recordações de Maudi revelariam ao meu povo a história oculta. A Verdade que deve, um dia, ser dita.

Já se vão cinquenta anos na esteira do tempo. Meio século desde os acontecimentos que foram narrados nestas folhas amareladas. A seita bankdi já praticamente não existe e as pessoas do mundo material seguem um deus humano. Reverenciável por ser sábio. Mais sábio do que qualquer homem alguma vez já foi. Devo encerrar, por enquanto, esse manuscrito. Retornarei a ele quando outras memórias aflorarem e tiverem, por direito, de ser reveladas. Imortalizadas em papel para um dia poder serem ditas inteiras e em sua total verdade.

Por enquanto, urge que o mundo desfrute da paz que só um homem incomum pôde conquistar.

O homem que é quatro… e UM.

Maudi, Aldrabar, Petas e Malim.

UM.

Verbetes que fazem referência

Livro de Ambientação, Livro de Introdução a Ambientação

Verbetes relacionados

Extratos do "Livro de Maudi" | 1º Ciclo ou O "Tempo das Névoas" | 2º Ciclo ou "O Tempo dos Filhos" | 3º Ciclo ou "Tempo das Mentiras Infernais" | Os deuses de Tagmar | Cosmologia | As Regiões de Tagmar | Região dos Reinos | Região das Terras selvagens | Região do Império | Raças para Roleplay | Calendário de Tagmar | As Línguas de Tagmar | Os aventureiros | Cronologia de Tagmar | Considerações Finais | Créditos do Livro de Ambientação