Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Azanti .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

Azanti

“Todo homem, independente da raça, credo, ou nacionalidade, tem direito a uma vida justa e digna.

A um pedaço de terra para plantar e paz para colher. Tem direito a uma família e condições de criar seus filhos.

Mas isso, tudo isso, só está ao alcance dos que são livres. E quantos nesse mundo podem afirmar que são verdadeiramente livres? Eu digo que sou. E digo que meu povo também será. Por Crizagom, ele será”.

Aza, rei de Azanti, 990 D.C.

Fundado a mais de 500 anos, o ducado de Azanti é um protetorado do reino de Filanti, com o qual mantém uma política pacífica, apesar do seu crescente - e cada vez mais explícito - desejo por independência.

Azanti conta com um clima quente, solo fértil, um povo fiel e trabalhador, que respeita seu governante e teme o seu principal poder militar, a ordem de cavaleiros conhecida como a  “Mesa de Prata”.

O território de Azanti constitui-se de extensas planícies e planaltos, entrecortados por colinas, rios, e lagos. Possui um clima subtropical com invernos extremamente frios e chuvosos e verões quentes e secos. As temperaturas variam de 10ºC durante o inverno, podendo chegar a 40ºC no verão.

Azanti possui boas relações com seus vizinhos Filanti, Conti e As Cidades, com os quais faz fronteira ao sul, oeste e norte respectivamente, tendo ainda a leste o reino de Portis, seu antigo desafeto, com quem vem travando a décadas inúmeras incursões guerreiras, que sempre terminam em tragédia para ambas as partes.

Com uma boa vegetação e solo fértil, Azanti tem sua economia baseada na agricultura e pecuária, chegando inclusive a exportar uma pequena parte de sua produção de grãos para a Cidade-Estado de Ender. Outra grande fonte de renda vem do artesanato, principalmente do trabalho em couro, sendo os curtumes da região muito bem recomendados.

Desde sua origem até os dias atuais, Azanti trás em seus registros uma história conturbada, que vai desde conflitos ideológicos a uma corrida armada contra magos, passando por intrigas, mentiras e alianças instáveis.

Em 988 D.C., o reino de Filanti vivia um momento difícil. Um grupo de orcos ocupava-se em fazer ataques aleatórios a vilas e aldeias próximas a Cordilheira de Keiss. Aza, primo do rei e comandante da  “Mesa de Prata”, formou um grupo de cavaleiros para combater o pequeno exército de selvagens. Embora não fossem muitos, eram bem organizados e liderados por um orco conhecido como Grator, que alguns diziam ser descendente do grande tirano orco Korumba, o ceifador de elfos.

Os ataques dos orcos eram isolados e não seguiam uma linha padrão, o que dificultava muito sua localização por parte dos soldados de Aza. Toda vez que os orcos realizavam um ataque, conseguiam fugir antes que o exército do reino chegasse.

Como se não bastasse à dificuldade com a localização, havia boatos de que Grator, o líder orco, possuía um poderoso item mágico que garantiria sua vitória em um possível confronto com os cavaleiros da  “Mesa de Prata”. Quando a notícia do suposto item mágico se espalhou, a corte de Runa ofereceu auxílio, que foi imediatamente aceito, pois os magos de Runa entendiam muito mais de itens mágicos do que os guerreiros de Filanti.

O enviado de Runa, um homem conhecido como Mitre, apresentou-se a Aza e ambos partiram ao encalço dos odiados orcos. Quando finalmente encontraram o grupo inimigo, Mitre, com o uso de sua magia, derrubou o líder orco e apoderou-se do item mágico, fugindo em seguida.

Mesmo surpreso com a traição de Mitre, Aza continuou a luta e venceu a batalha, porém, muitos orcos conseguiram fugir, mas tarde se reagrupando e retomando os ataques.

Furioso, Aza relatou a traição ao seu primo, Celto I, rei de Filanti. Entretanto, o rei não tinha a menor intenção de iniciar um conflito com os governantes de Runa, ao contrário, pretendia aliar-se a eles e, depois de algum tempo, sob os insistentes protestos de Aza casou-se com uma nobre de Runa selando assim, a tão esperada aliança com os magos da cidade antiga.

Aza sempre fora adepto de causas controvertidas como a pureza de espírito dos antigos moldas, a feitiçaria como uma força corruptora e a guerra como causa da paz. Ele era complemente contra a  “magomilitalização” do exercito de Filanti, idéia essa defendida pelos governantes runas, e não aceitava a união de seu reino com os magos traidores, por isso, acusou Celto I de haver se corrompido e retirou-lhe o apoio. Ao negar ao rei seu apoio Aza foi duramente criticado pela Igreja de Selimom, que exigiu seu afastamento do comando da  “Mesa de Prata”. Entretanto, o carisma do primo do rei era tanto que a indignação tomou conta dos demais cavaleiros e muitos membros abandonaram seus postos jurando lealdade ao jovem comandante.

Durante esse contubardo período, Aza foi surpreendido por um mensageiro vindo do norte, que lhe trazia uma carta em nome de Magnus Supramati. Na carta, Magnus afirmava ser irmão de seu avô e que, embora há muito vivendo no extremo norte do reino, acompanhava a trajetória de Aza e dizia estar orgulhoso do homem justo e honrado em que se transformara seu sobrinho-neto. Dizia também saber dos problemas de Aza com a corte filantiana e lhe propunha uma aliança. Relatava ainda, que rumara para o norte em uma missão sagrada e, uma vez lá, pacificara e se estabelecera numa terra outrora abandonada e hostil. Sua proposta era de unir-se a Aza e formar um estado baseado em ideais que ambos prezavam como pureza, disciplina e grandeza de espírito.

Aza decidiu seguir seus instintos e encontrar seu parente distante. Rumou para o norte com um contingente de três mil homens - acrescido de mulheres e crianças - formado por ex-cavaleiros da Mesa de Prata. Marcharam durante meses até montarem um acampamento fixo em uma pequena colina que Aza batizou de Colina Zanta.

Com seu exército devidamente instalado, Aza encontrou-se com seu tio-avô. Magnus Supramati era um homem impressionante, embora bastante marcado pela idade ainda possuía um olhar forte e firme. Ele lhe contou que recebera uma missão sagrada: deveria edificar uma ordem de cavaleiros em nome de Crizagom que se tornaria no futuro o principal alarde de resistência contra um grande mal que estaria por vir.

Embora aquele relato de Magnus sobre enviados e deuses perecesse fantasioso, alguma coisa nas palavras daquele imponente cavaleiro à sua frente o comoveu. Sem saber ao certo o motivo, era como se conhecesse aquele homem desde que nascera e muito emocionado, Aza aceitou ingressar na Ordem dos Cavaleiros de Crizagom - como ficou conhecida - e incorporou a ela seu exército de cavaleiros remanescentes da extinta Mesa de Prata. Dos três mil homens de Aza, menos da metade era seguidor de Crizagom, o que não foi um problema, pois após conhecer seus mandamentos, todos terminaram convertendo-se.

Em poucos anos o que era um acampamento militar se transformou em uma cidade, que prosperou e cresceu ao redor da colina Zanta. Dez anos depois estava concluída a construção do Castelo de Zanta, dando início a mais um conflito entre Aza e Celto I pelo reconhecimento da nova cidade. Diversos combates foram travados até um acordo ser firmado entre os dois primos; a cidade de Zanta seria terminada e reconhecida oficialmente. Nascia então o reino de Azanti, sendo Zanta sua capital.

Diversos conflitos internos e externos marcaram o reinado de Aza e de seus descendentes. Contudo, devido à ajuda da  “Ordem dos Cavaleiros de Crizagom”, todos os demais reis conseguiram manter Azanti como um reino justo e sólido durante 400 anos.

No ano de 1390 D.C., com a trégua estabelecida entre os 13 Príncipes do Inferno, Azanti é duramente atacada. A Seita ocupa praticamente todo o reino e inúmeros confrontos são travados entre os demonistas e as forças de resistência nas principais cidades do reino.

Em 1403 D.C., Zanta é palco da maior e mais terrível batalha de todas, quando um dos 13 Príncipes do Inferno tenta subjugar pessoalmente a cidade. Os paladinos da Ordem de Crizagom, liderados por Andreus, com o auxílio de Juliam, rei de Azanti, e Juliano, seu filho; mesmo estando em menor número, combateram ferozmente a horda de demonistas e seu Senhor, em varias batalhas que perduram durante dias. O que se segue então é a maior demonstração de coragem jamais vista, cantada ou anotada, por nenhum bardo de qualquer outro canto de Tagmar.

Os paladinos lutavam como se empurrados pelas mãos do próprio Crizagom, tamanha a determinação, competência e ferocidade com que combatiam. Naquela hora eram todos verdadeiramente irmãos, unidos na dor e no sangue do inimigo.

Foi com esse espírito de irmandade que os paladinos de Crizagom conseguiram derrotar o Demônio. Entretanto, o Príncipe do Inferno era extremamente poderoso e, sem alternativa, muitos paladinos acabaram por sacrificar a própria vida para derrotá-lo. Dentre os mil mártires - como ficaram conhecidos os cavaleiro mortos naquela batalha - estavam os três principais lideres do reino, o rei Juliam; o príncipe Juliano; e Andreus, o líder da Ordem dos Cavaleiros de Crizagom.

Em 1405 D.C. vem a unificação e com ajuda de Filanti, Azanti livra-se dos demonistas um ano depois. O país está sem governo e em ruínas, por isso, o rei Maeros III de Filanti coloca sua tropas em Zanta com o pretexto de auxiliar na reconstrução do reino. Pouco tempo depois, declara Azanti seu protetorado e empossa o Duque Jarlof como governante. Era criado o Ducado de Azanti.

Governo

A forma de governo de Azanti segue os padrões do reino de Filanti, sendo o Duque o governante supremo. Abaixo, seguem os demais títulos de nobreza, segundo a hierarquia nobiliárquica. O atual governante, Duque Lenor, é um homem inteligente, que conhece todos os meandros e pormenores da corte. Tornou-se Duque após a uma morte em condições misteriosas de seu antecessor, Duque Euridi. Desde então é o nome forte de Azanti. Mas seu poder não é total, pois tanto a população quanto a própria nobreza vivem apreensivas com o renascimento da  “Mesa de Prata”, hoje sob o comando de Sir Corelom, um jovem cavaleiro que reuniu um grande número de guerreiros e ressuscitou a extinta  “Mesa de Prata” e, desde então, trava uma guerra silenciosa com o Duque Lenor. Os dois se odeiam, mas se toleram, pois um necessita do outro. Sir Corelom do carisma do Duque, e Lenor, por sua vez, dos homens da  “Mesa de Prata”.

História Recente

Com a morte do Duque Euridi em 1498 D.C. - apenas dois anos após sua posse - Lenor tornou-se o 5º Duque de Azanti. Este tem feito um bom governo desde então, adquirindo a simpatia do povo e o respeito dos nobres. Porém, alguns remanescentes da  “Ordem de Crizagom”, tentam incentivar o povo a não desistir de lutar por seus direitos, valores e crenças religiosas.  Essa idéia não é aceita pelo Duque Leonor, que diz ser uma decisão diplomática e não militar. Para não entrar em choque direto com o Duque, uma vez que as lideranças da Ordem não vêem Lenor como uma pessoa má, mas tão somente mal orientada, a  “Ordem dos Cavaleiros de Crizagom” caiu no que se poderia chamar  “clandestinidade”, passando a agir pelos bastidores com agentes infiltrados em posições estratégicas, tentando manter vivas as raízes e a esperança do sofrido e valente povo de Azanti na tão sonhada liberdade e em dias melhores. A Ordem tem trabalhado incessantemente para libertar o povo, recuperar o respeito e os seus direitos à muito perdidos.

A  “Mesa de Prata” exerce hoje um papel bem diferente do que em seus primórdios, embora use a bandeira do Ducado, é um órgão complemente independente, desempenha serviços particulares, faz aliança com nobres de outras cidades e reinos, e oprime a população, cobrando inclusive,  “impostos” extra-oficiais.

O Duque Lenor, avalia a possibilidade de um casamento com alguma nobre de Filanti, procurando assim, aumentar sua influência junto a corte filantiana. Essa idéia tem assumido um caráter politicamente cada vez mais indispensável, devido as bruscas e repentinas mudanças nas atitudes do rei Mar II.

O Povo de Azanti

Assim como acontece em Filanti, o povo de Azanti é composto em sua maioria de humanos, com características físicas muito semelhantes. Possuem uma estatura maior que a média tagmariana, pele branca, cabelos loiros ou ruivos e olhos claros. Os homens costumam cultivar a barba e as mulheres cabelos longos.

O azantiano é um povo trabalhador, que está acostumado às intempéries da vida, são bons comerciantes e dificilmente realizam um mau negócio. Procuram respeitar as decisões da corte e sempre obedecer às leis, temendo problemas com a  “Mesa de Prata”.

Uma outra característica do azantiano é a naturalidade com que se tornam bons soldados. Os homens que entram para o exército são treinados com rigor e disciplina e mesmo os que não são incorporados às forças oficiais, recebem treinamento militar para o caso de uma emergência.

Como em boa parte de Tagmar, a magia em Azanti é tratada com cuidado. Colégios de magos são proibidos, e uma vez descobertos, são destruídos. Qualquer um, que por ventura, se mostre usuário de magia, é imediatamente preso e levado à presença de Lorde Malter Lander, sábio e estudioso da corte, responsável por cuidar dos invasores místicos.

A fé também possui uma importância muito grande para a população, que louva principalmente Crizagom, deus que preza a honra, a estratégia e a bravura no combate, e Sevides, deus da agricultura.

Em Azanti, existem três importantes festas ao longo do ano. No início, é realizada a  “festa do bom fruto”, onde as pessoas cantam, dançam e rezam por um bom plantio e uma boa colheita. No meio do ano, é a vez da  “festa dos guerreiros”, quando o povo homenageia os grandes guerreiros de Azanti, com histórias, torneiros pacíficos de lutas e muita bebida. Com a chegada do fim do ano, é hora de relembrar dos que já se foram com a  “festa dos espíritos”. Durante o último dia do ano, as pessoas dançam, cantam e brincam, e a noite deixam comida e bebida para os espíritos que os vem visitar. Verdade ou não, o fato é que pela manhã, a comida sempre desaparece.

Apesar das incertezas e dificuldades, o povo de Azanti é um povo guerreiro, fiel e alegre, que trabalha, se diverte, reza e aguarda o dia em que será um reino livre outra vez.

Rumores e Intrigas

Dizem que em Zanta, ainda há guerreiros ligados a Ordem de Crizagom residindo na cidade. Eles teriam a missão de interar os mestres da Ordem de todo o que acontece sob os muros da cidade branca. Outros boatos falam de um possível golpe para a derrubada do duque Leonor, e que teria Sir Corelom, como principal idealista.

Algumas pessoas acreditam que a  “estátua do guerreiro sem nome”, seja na verdade um antigo sacerdote de Crizagom, que teria se deixado corromper e, por isso, foi amaldiçoado por seu deus que o transformou em pedra.

Há boatos de que Lorde Lander seja na verdade um mago e que todo feiticeiro capturado e levado à sua presença, é avaliado e, mostrando-se promissor, convidado a ingressar em seu colégio de magias.

Há rumores de que o  “Lago da Sereia” seja habitado por uma ninfa, que atrai os homens com seus encantos e mata os que resistem ou tentam fugir.

Ouve-se dizer, que o Barão de Mirval, seria um membro da Seita e que se aproximara do duque Lenor por ordem de Ludur, conselheiro real de Filanti. Essa suspeita é completamente repudiada pelos habitantes da cidade de Mirval, que por admirarem seu governante, tomam para si esse assunto como uma ofensa pessoal.

Principais Cidades e Locais de Interesse

Zanta

Mirval

Grabo

Personagens mais Conhecidos

Duque de Azanti, Lenor, O Diplomata.

Líder da Mesa de Prata, Sir Corelom, O Bravo.


Verbetes que fazem referência

Aventura A Grande Feira, Geografia do Mundo Conhecido, Livro dos Reinos

Verbetes relacionados

Cronologia dos Reinos do Mundo Conhecido | Levânia | Ludgrim | Eredra | Verrogar | Dantsem | Marana | Luna | Portis | Âmiem | Abadom | Acordo | Plana | Filanti | Conti | Azanti | Calco | Cidades-Estado | Porto Livre | Prólogo | Epílogo | Créditos