Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
3º Ciclo ou "Tempo das Mentiras Infernais" .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

Interlúdio


Caro leitor, o número de acontecimentos que se sucedeu ao grande cataclismo nas várias regiões de Tagmar é demasiado grande para citar e descrever neste livro. No entanto, deixa-se um resumo do que aconteceu na Região dos Reinos como amostra do que se pode encontrar nesta rica ambientação.

Introdução


"[...] o Terceiro Ciclo também é referenciado pelo fim da influência élfica e anã sobre Tagmar e pela consequente ascensão das nações humanas. Os elfos e anões buscaram a reclusão; os humanos, a expansão. A animosidade entre as diferentes raças cresceu e é motivo de preocupação em muitos locais.

Após o Cataclismo, seguiu-se uma época de grandes migrações. A maioria dos sobreviventes percorreu o mundo em busca de um novo lar. Essas migrações de: grandes massas, diferentes raças, culturas e pensamentos, porém, língua e religião semelhantes, deram origem aos reinos que foram os embriões das nações atuais. Nessa época, infelizmente, também foi marcada pela revelação demoníaca. Os príncipes infernais cravaram suas garras muito fundo em Tagmar, deixando feridas que, na pior das hipóteses, nunca se fecharão.

Sinto que é importante destacar outra vez que, quando os sobreviventes do Cataclismo reestabeleceram seus lares e tentaram voltar à rotina perdida, nasceu a Seita. Um culto pagão que reverencia as criaturas infernais e prega uma versão demoníaca da criação de Tagmar, executada por demônios e não pelos deuses, bem como a dominação dos humanos sobre todas as outras espécies.

Naqueles dias de escuridão, esteve-se bem próximo da dominação infernal de uma parte expressiva do mundo de Tagmar. A Seita se espalhou como uma praga na nossa região. A cada batalha, maior era o número de adeptos e maior era a presença infernal no continente. Alguns reinos, hoje desfrutando de riqueza e paz, chegaram a ser completamente subjugados pelas legiões de demônios.

Mas graças à intervenção dos deuses, na pessoa de um poderoso líder, que a esperança retornou aos corações das diversas raças. O homem conhecido como O Mais Sábio guiou os exércitos, uniu os povos e comandou a vitória sobre os príncipes infernais. Durante os 57 anos vividos à sua sombra quase todas as fronteiras políticas foram extintas. Países como Plana e Verrogar deixaram de existir durante esse tempo. Outros, como a Moldânia, desapareceram para dar origem a novos reinos. Essa época ficou conhecida pelos eruditos historiadores como o Período da União.

Mas meu coração pesou quando observei o fim de tal equilíbrio, junto com os últimos suspiros do Mais Sábio. Depois de sua morte seguiu-se dois anos de guerras e discussões e, por fim, a União esfacelou-se dando origem a novos reinos e reerguendo fronteiras e rixas políticas. As desavenças políticas, a ganância e o orgulho tem ainda culminado em guerras e invasões em várias partes do mundo. Assim, pode-se dizer que Tagmar caminha sobre um fio tenso e frágil prestes a partir-se em um abismo negro e profundo.

Por isso mesmo, embora a região agora conhecida como a Região dos Reinos, no presente, desfrute de relativa paz e estabilidade; alguns eruditos e magos afirmam que a aparente vitória sobre a Seita não passa de uma mentira. De fato, muitos aguardam, com grande apreensão, o ressurgimento das hostes demoníacas.

Faço votos para que eles estejam errados e que Ludgrim faça parte da construção da paz. Mas se eles estiverem corretos, faço votos para que Ludgrim faça parte do bastião que defende a vontade dos deuses. "


Donatar, outono de 1500 D.C.

Kerdal Güindram


O Império dos Moldas


“De onde vieram os Moldas? ” Essa é uma pergunta que ainda não foi totalmente respondida. Mesmo depois de minuciosas pesquisas feitas em Saravossa sobre o Tempo das Migrações. Sabe-se que eles chegaram ao grande Vale do Frefo (atual Calco) cerca de duzentos anos após o Cataclismo.

Sendo assim, o período de assentamento molda e o crescimento de sua força com o subsequente nascimento do reino da Moldânia são muito estudados. Deste modo, o fruto desta pesquisa foi organizado e condensado pelo erudito Robermar no tomo intitulado “Os Moldas”, podendo ser encontrado nas principais bibliotecas da Região dos Reinos.

Contudo, a força ou acontecimento que os levou para o norte e qual a conexão dos moldas com os povos antigos de Tagmar são elementos nebulosos e desconhecidos. O mais provável é que fossem refugiados de algum império caído. Assim, alguns eruditos especulam que poderiam ser oriundos do lendário Império Central, destruído durante a Grande Falha e cujo local de origem está nas Terras Selvagens, ocupado atualmente pelas Estepes Vítreas.
Outros, por sua vez, resgataram relatos de uma grande guerra ocorrida na região do Império, seguida da queda do chamado Império Híctio, o que poderia explicar sua origem.

Independentemente de sua origem, no ano de 205 D.C. (Depois do Cataclismo) as primeiras tribos moldas chegaram ao vale do Frefo. Eram cerca de trinta, comandadas por sacerdotes e guerreiros poderosos. Esse povo possuía conhecimentos bélicos e tecnológicos extremamente elevados para a região tais como táticas militares e técnicas de forjaria bastante avançadas. Assim, foram esses conhecimentos que os ajudaram a sobreviver no maléfico Vale do Frefo. Aquela era uma região dominada por toda sorte de monstros. Os orcos possuíam dezenas de acampamentos em montanhas e colinas próximas. E estes eram comandados por um poderoso tirano orco chamado Korumba, o ceifador de elfos.

Korumba governava seu povo monstruoso a partir das profundezas da fortaleza de Saravos, “a pedra do norte”, em élfico. O lugar foi tomado de um grupo de elfos que defendiam a região bucólica do rio. Sucumbiram, porém, aos ataques dos orcos e perderam a fortaleza de pedra e a madeira nobre. Saravos se tornou o covil de monstros e feras que fizeram dela o ponto de partida da sua expansão no Vale do Frefo.

Quando os moldas chegaram, ela já estava sendo controlada por Korumba e seus seguidores. Após vários conflitos, o povo humano se refugiou ao leste — região do atual reino de Conti — à beira do Lago Denégrio. Fundaram a sua primeira cidade, Moldazi, que significa “dos Moldas”. Ali cresceram e prosperaram, apesar de avizinhados pelo maléfico governante que, ao passar dos anos, também expandiu seu território.

Durante esse período, houve a comunhão com outras raças, exiladas do outrora pacífico vale. Anões, pequeninos e elfos aproximaram-se dos moldas, instalando-se perto de Moldazi. Mesmo com a forte tradição guerreira deste povo, os moldas não estranharam ou temeram o estudo da magia, o que não era comum de acontecer nesta época com os povos organizados de forma tribal. Assim eles assimilaram as artes arcanas no seu dia a dia. A magia era uma poderosa aliada na defesa das terras constantemente ameaçadas de invasão.

Com o passar dos anos, Moldazi ficou conhecida como “O Refúgio” e passou várias décadas fechada em suas muralhas, construídas pelos mais experientes artesãos anões. Naqueles dias, por volta de 300 D.C., no berço de uma família nobre, nasceu Sivom. O jovem foi criado sobre a influência do tio Bazva, que era um poderoso guerreiro, e de sua tia, Anaes, descendente de meios-elfos e sacerdotisa de Selimom. Desde muito pequeno foi uma figura de grande carisma e futuro traçado.

Sivom estava convencido de que o isolamento de Moldazi no Lago Denégrio e a crescente expansão dos monstros no Frefo levariam o povo Molda à morte. Ele decidiu agir. Tinha como crença de que aquele povo estava destinado a combater para expandir e pacificar — dentro do significado menos gentil que se atribuí a esse termo — para sobreviver.

Assim, este humano atraiu a atenção dos sacerdotes de Blator e Selimom. Os seguidores desses deuses, ambos muito populares entre os Moldas, seguiram Sivom e lhe deram o título de Chefe de Guerra dos Moldas. Iniciaram-se os planos de ataque ao vale do Frefo e de conquista de Saravos. No mesmo momento foi forjada a espada de Sivom, batizada como Sagae a pacificadora. Esta espada simbolizava a união das raças, pois foi forjada pelos anões, incrustada com gemas mágicas fornecidas pelos elfos do norte e abençoada com sangue pelos sacerdotes pequeninos.

Abençoados por Blator, Crisagom e Crezir, os anos de guerra seguintes os levaram a conquistar grandes porções de terra e obrigar o recuo dos monstros em direção a Saravos. A região conquistada foi batizada de Sivonti, ou “Terra de Sivon”. Infelizmente, pela corrupção sofrida pelo nome de Sivom nas gerações que se passariam, o nome da cidade acabou como Conti.

Iniciou-se, por volta de 340 D.C., a construção de Muli, porto que daria à aliança uma oportunidade de realizar o ataque definitivo a Saravos por mar. Utilizando a lingolie, madeira de lei resistente e adaptada ao clima quente da região centro-norte de Sivonti, os moldas construíram navios de guerra leves e velozes. Para a confecção das velas, utilizaram-se do pelo fino e resistente do dozecórneo, espécie de ovelha existente na região que tem doze pequenos chifres.

A aliança atacou em duas frentes: ao sul com batedores pequeninos e anões; ao norte, com a frota marítima comandada por Sivom e os nobres elfos. O cerco durou cinco anos. Finalmente, os guerreiros moldas tomaram a Fortaleza Saravos. Sivom lutou pessoalmente contra Korumba e lhe cortou a cabeça com sua Sagae. A longevidade do líder dos orcos, que dominou a região por quase duzentos anos, nunca foi explicada. Muitos acreditam que o estranho rei orco era, na realidade, um demônio ou criatura de poder equivalente.

Sagasta, o Trono da Aliança


Os elfos então se retiraram para florestas perto do Frefo e para Lirati, um vale no interior da grande floresta de Melgundi, ao Sul de Sivonti. Os Anões aceitaram cavar as rochas das montanhas centrais de Sivonti em troca de autonomia e comércio. Só os pequeninos inicialmente não aceitaram nenhuma faixa de terra, preferindo viver em regiões próximas ao Frefo ou aos humanos, mas bem mais tarde acabaram fundando a cidade de Abrasil.

Das ruínas de Saravos, nasceu Saravossa, a grandiosa capital dos moldas. No seu centro foram construídos os Jardins de Selimom, um grande bosque central com ligações para o Palácio Real, e as três principais edificações da cidade, os templos de Selimom, Blator e Palier. Inicialmente um povo guerreiro, os moldas foram aprendendo a aperfeiçoar o seu fraco conhecimento mágico com os elfos e, aos poucos, os adeptos humanos de Palier foram crescendo.

Sivom assumiu então, na necessidade de um homem forte que representasse a nascente união no norte, o trono de Saravossa: a Sagasta (conhecida como o Trono da Aliança). O reinado de Sivom não se prolongou muito, durando apenas seis anos, e em 351 D.C. o grande líder dos moldas morre, sendo os seus restos mortais enterrados sob os pés da Sagasta. Durante esse período houve grandes conflitos no entendimento de quem deveria suceder como governante do novo reino da Moldânia.

Após dois anos de incertezas, o jovem filho de Sivom, Calco, foi apresentado pelas Ordens de Selimom e Palier como possível sucessor do pai. A Ordem de Blator era contra, assumindo posição em favor de Balga, filho de Bazva e primo de Sivom. Porém, o povo aclamou Calco, herdeiro direto de Sivom, e os seguidores de Balga foram para Moldazi, na região sul de Sivonti. Esse conflito inicial, conhecido como a Quebra da Aliança, marcaria os rumos culturais do futuro Império da Moldânia. Os seguidores do jovem Calco, educado por elfos nas artes arcanas e guerreiras, registrariam os seus ensinamentos criando assim a Escola Filosófica de Calco. Já os seguidores de Balga fundariam os conceitos principais da Escola da Guerra, cujo principal centro era Moldazi. Essas escolas não eram como as escolas e academias modernas de artes mágicas, sendo muito mais princípios filosóficos e políticos, no que tange a forma de governar uma nação.

O Reino da Moldânia

De 353 a 391, Calco governou com sabedoria e justiça, sedimentando as bases do que seria hoje o atual reino de Calco. Iniciou um forte processo de colonização no Frefo, nas costas do reino e na região centro-norte de Sivonti. Continuou a construção de Saravossa, criando o primeiro espaço fechado para estudos sobre magia. Também estreitou laços com os povos ocidentais do Frefo, agrupamentos de moldas que não se submeteram as guerras contra Korumba e nem a liderança de Sivom. Esses povos, que se agrupavam em pequenas cidades costeiras ou na margem leste do Frefo, foram convencidos por Calco que a união dos seus esforços ao nascente reino da Moldânia contribuiria também para a prosperidade daquela região. Nasceu, assim, em 342 D.C., nas planícies a oeste do Frefo, a União das Planícies, vulgarmente conhecida como Plana. Essa região, durante a primeira dinastia, sempre foi fortemente autônoma, tendo seu próprio exército e decidindo seus rumos sozinha.

Calco contrai, em 389 D.C., uma moléstia mística durante expedições em Sivonti e morre finalmente em 391 D.C. Então, assume o trono Saverios, seu filho meio-elfo, causando a indignação da Escola de Guerra em Moldazi. Contudo, não ocorre a cisão por decisão do velho Balga, que prestigiava os elfos e sua honrada participação na guerra de fundação do reino. Inicia-se assim um período de 170 anos de duração, conhecido como A Primeira Dinastia, em que os descendentes diretos de Sivom governaram a Moldânia.

Esse período é conhecido pela relativa paz em que viveu a Moldânia. Sem inimigos diretos e com o crescimento de sua população, a Moldânia iniciou um processo de militarização e pesquisas militares nas escolas místicas quando os reis foram convencidos pela necessidade de se armar e desconfiar da paz. A Ordem de Selimom sempre foi contra essa corrida armamentista, porém a Ordem de Palier havia aceitado os argumentos da Ordem de Blator em Moldazi. Os alimentos se tornariam escassos e a população passaria fome, o reino enfraqueceria se não expandisse suas fronteiras.

Durante esse período também ocorreu os primeiros contatos com outros reinos e povos da região: o Império da Levânia e o reino ancestral de Abadom (em 420 D.C.), os povos de Runa (em 423 D.C.), as tribos que viviam na região da atual Filanti (em 424 D.C.), os habitantes das regiões áridas das Cidades-Estados (em 426 D.C.) e os Verrogaris (em 432 D.C.).

Os descendentes de Sivom tentaram seguir o exemplo de Calco, buscando o diálogo entre os povos e invocando as benesses da união com o Reino da Moldânia. O povo feiticeiro de Runa recusou a ajuda, não aceitando a submissão do Povo Antigo sobre o comando de Saravossa. Assim também fizeram os Leões-Rubros de Verrogar, desdenhando e desconfiando das palavras dos Moldas. A região leste das cidades-estados e os povos que viviam na atual Filanti aceitaram iniciar fortes relações com a Moldânia. Apenas a Levânia respondeu de forma agressiva a investida dos Moldas rejeitando qualquer laço de amizade e anunciando a superioridade dos Levas (os de Abadom se alinharam aos Levas, porém manter-se-iam sempre amistosos com os moldas na intenção de preservar seus tesouros e estudos ancestrais).

O grande conflito se deu com a morte da rainha Tória, a guardiã do Frefo, que aos vinte e cinco anos, morreu em 561 D.C. sem deixar herdeiros. Era o fim da primeira dinastia e o início de um conflito que marcaria a história da Moldânia, a Tomada da Sagasta em 562 D.C.

O descendente que mais se aproximava de Sivom seria Carom, representante direto na linhagem de Balga (primo direto do primeiro rei), em Moldazi. Porém as Ordens de Selimom e Palier defendiam Guindam, elfo e Regente de Lirati, primo de Calco. O conflito durou apenas um ano quando, numa noite de outono, o exército púrpura de Moldazi entronizou Carom como novo rei da Moldânia.

A Moldânia Imperial

A burocracia e o exército de Moldazi assumiram então o controle de Saravossa e, a partir daí, iniciou-se um conflito interno entre a Escola Filosófica de Calco e a Escola de Guerra. A coroa era comprometida com a nobreza moldaziana e com a Ordem de Blator, decidindo em poucos anos assumir o caminho da guerra. Iniciou uma campanha militar de proporções gigantescas em busca das terras férteis além do sul da Moldânia. Para defender o território oeste do reino, Carom confrontou os moldas da União das Planícies, controlando-os militarmente e criando, assim, o Marco de Plana, governado diretamente por um sacerdote moldaziano da Ordem de Blator, o Marquês Urgos de Moldazi.

Em 567, Carom liderou as tropas rumo ao Leste do Denégrio e em outra frente à Cidade de Runa, que controlava grande parte da região. A guerra, que durou cerca de vinte anos, esfacelou o poder da Cidade-Estado de Runa e terminou num acordo de paz em que os Moldas integraram os territórios que atualmente são conhecidos como Azanti e Filanti. Essas regiões formariam o novo vice-reinado da Moldânia Inferior, governado por um Vice-Rei escolhido pela coroa. Os vinte anos de conflito desgastaram a imagem de Carom e da Escola de Guerra perante os moldas, o que deixou os planos de conflito com o Império da Levânia para depois. O importante para Carom era restabelecer a influência da coroa sobre o povo e fortalecer os laços entre os territórios conquistados, colonizando fortemente a Moldânia Inferior.

A Segunda Dinastia, baseada nos postulados da Escola de Guerra, se apropriou dos povos conquistados instituindo (como já havia entre outros povos) a escravidão no território da Moldânia, o que desagradou a Escola Filosófica de Calco, mas agradou a parte pobre da população dos moldas (muitos moldas foram servir ao exército crescente, enquanto o povo da Moldânia Inferior se tornava escravo em Muli, Caleonir e Saravossa). Carom, em cerimônia no Palácio Real, foi coroado pela Ordem de Blator, Imperador da Grande Moldânia. A segunda dinastia e a fase imperial duram 320 anos, nos quais muitas coisas aconteceram e o mundo conhecido se viu assombrado por rumores de terras distantes e mensagens divinas sobre um futuro mal que surgiria sobre ele, a Seita. Sacerdotes de Selimom avisavam sobre um mal vindouro, um mal que abalara o mundo durante o segundo ciclo e do qual poucos humanos se recordavam.

Fim do Império e a Divisão da Moldânia

A segunda dinastia, aquela proveniente de Carom, manteve os olhos voltados para o interior da sua fronteira, enrijecendo com o povo e, ao mesmo tempo, incitando a adoração ao Imperador e a Blator. Escravidão, aumento dos tributos para sustentar o exército, o cerco de Virena e Lirati para controlar as populações não humanas e a anexação dos territórios pertencentes aos de Runa, foram decisões que desagradaram as Ordens de Palier e Selimom. Esta última decidiu retirar os seus sacerdotes de Saravossa e levá-los para tratar dos feridos da guerra na região anexada; a partir daí, a Ordem de Selimom desloca seu foco para o sul, deixando Saravossa nas mãos da Escola da Guerra. O Cisma de Saravossa, em 656 D.C., fez com que a coroa perdesse o apoio de grande parte da população e iniciou um período de conflito entre as Ordens de Blator e Selimom.

A Ordem de Palier, porém, resolveu agir sozinha. Associada aos jovens seguidores de Cambu e Crisagom, deuses de pouco destaque na época, incitaram uma revolta civil no Marco de Plana e nas terras ao sul de Sivonti, perto de Lirati. Pretendiam, através de uma manobra arriscada, invocar a população contra a divinização do imperador e seus seguidores da Escola da Guerra. O imperador Carom IV descobriu os planos secretos dessas Ordens e, em 678 D.C., baniu-as do território da Moldânia. Os seguidores de Cambu fugiram para o Marco de Plana; os de Palier, abrigaram-se em Lirati; e os de Crisagom, na Moldânia Inferior.

O grande conflito ocorreu quando o Imperador Carolino II decidiu transferir, em 830 D.C., a capital da Província de Sivonti, Moldazi, para Muli. Os moldazianos que dominavam a burocracia de Saravossa foram contra e decidiram dar um golpe, colocando no poder o príncipe Hermom, sacerdote de Blator. Ao assumir o trono porém, Hermom decidiu instituir uma religião única no reino, pretendendo atingir as religiões sulistas (Selimom, Palier e Crisagom), e o crescente poder de Ganis em Muli (data desta época a construção da Catedral dos Mares, maior templo de Ganis no mundo).

A tentativa de banir as religiões fundadoras da nação uniu, no sul, os moldas e runas fieis a estas Ordens. Filam de Chats, guerreiro devoto de Crisagom, com o apoio de seguidores de Blator contrários a política de Hermom e juntamente com Guindam de Lirati, ligado a Palier, incitaram uma revolta. Filam então declarou o fim do Vice-reinado da Moldânia Inferior. Porém, Moldazi e a corte em Saravossa não aceitaram o nascimento dessa nova nação, declarando guerra ao sul. Ao mesmo tempo ocorriam revoltas em Plana e Muli. As duas regiões se declararam independentes.

O império então convocou sua armada; e os magos ligados à Escola de Guerra invocaram criaturas tenebrosas, iniciando uma guerra que durou 50 anos e que teve como resultado o esfacelamento do Império da Moldânia. A Moldânia Superior ficou com o seu território original, sendo Plana oficialmente desligada do Império. A Moldânia Inferior foi aceita como reino independente e a cidade de Moldazi, na beira do Denégrio, foi completamente destruída dando fim à segunda dinastia.

Sobe ao trono a Terceira Dinastia que, muito próxima da Escola Filosófica de Calco e afastada das religiões em geral, inicia o processo de reconstrução da Moldânia. Alvór I, sábio e mago estudioso, assume o trono com o apoio da maioria da população que, cansada da guerra, se fecha em suas fronteiras ao norte. Esse período, que vai até a Unificação, é conhecido pelo isolacionismo da Moldânia Superior e pelo crescente poder do reino do sul. A Ordem de Palier retorna gloriosa à Saravossa. Os seguidores de Selimom prometem reconstruir o sul cansado da guerra e assumem papel importante no governo da Moldânia Inferior.

Filam declara Chats a capital do novo reino e cria a poderosa Mesa de Prata, cavaleiros que governariam os feudos, vilas e cidades junto ao monarca. Esses cavaleiros eram unidos por um código de ética, defendendo a monarquia, a justiça e a paz. Assinaram um tratado de paz com Verrogar em 885 D.C. e reconheceram o nascimento de Luna em 890 D.C., visando enfraquecer seus antigos dominadores, a Cidade-Estado de Runa.

Foi um período de grande prosperidade para o Sul, que governado por Filam durante longos 58 anos, alçou o novo reino a condição de potência emergente. Quando então ocorreu a morte do rei, em 940 D.C., seu filho Fétor I mudou o nome do reino para Filanti, em homenagem ao herói da independência.

Cinquenta anos mais tarde, seu neto, Celto I, iniciou um processo que buscava a criação de uma identidade nacional para Filanti, casando-se com uma nobre de Runa (buscando a simpatia dos runas que já viviam ali muito antes da dominação molda). Aza, seu primo e Comandante da Mesa de Prata, adepto de causas como a nobreza do espírito, a feitiçaria como uma força corruptora e a guerra como causa da paz, retirou seu apoio ao rei. Como resposta, a Ordem de Blator, que nunca concordou com suas ideias segregacionistas, pediu que Aza abandonasse seu alto-posto na Mesa de Prata. O carisma do primo do rei era, porém, muito mais forte que a palavra da Ordem de Selimom - muitos membros da Mesa de Prata abandonaram seu posto e seguiram Aza para o norte, onde ele pretendia fundar um estado baseado em suas ideias de pureza étnica, disciplina e grandeza de espírito.

O reino, após perder sua elite militar, começou imediatamente a recrutar novos soldados. Celto I não aceita a criação, por seu primo, da cidade de Zanta e inicia uma guerra com Aza, a quem acusava de traição. Depois de longos e sangrentos conflitos, Filanti acaba por ser derrotada, sendo obrigada a reconhecer o nascimento e independência do Reino de Azanti.

Com o reino destroçado, a Ordem de Selimom passa a ter uma forte influência sobre este. Celto I cria então, juntamente com a nobreza, os “Cavaleiros Brancos”, que possuíam como missão defender a integridade física e moral do Reino, trazendo um longo período de paz e prosperidade para Filanti.

Os dois braços da antiga Grande Moldânia, a Moldânia Superior e Filanti-Azanti cresceriam separados e manteriam pouco contato durante longos anos, só restabelecendo laços de amizade durante o aumento de influência dos Bankdis, os mensageiros dos demônios.

O Surgimento da Seita e a Queda da Humanidade


A Levânia já era um grandioso império muito antes da chegada dos moldas ao Frefo. Durante anos, os levas se estabeleceram nas regiões férteis que ficavam perto dos rios Brual e Aurim, nas savanas próximas ao deserto de Blirga, ou em oásis e regiões costeiras. Este era o maior agrupamento humano durante o Tempo das Migrações, com quase o dobro da população em comparação aos moldas.

Estabeleceram-se na região e a denominaram Levânia, em 180 D.C., lutando contra nômades, monstros, elfos e anões, dominaram o deserto e as regiões próximas. Ali, criaram cidades-estados e assinaram acordos de paz entre os governantes do seu povo, que tinha laços culturais e de amizade muito fortes.

Em comum acordo, Sadom foi declarada a capital. Na sequência, o maior entre os sábios do conselho de místicos e eruditos, chamado Dameste - nome de uma das cidades da Levânia na atualidade - foi escolhido como governante do reino, portando o título de ancião-rei de toda a Levânia.

Esse sistema funcionou pacificamente por quase um milênio, sendo respeitado por líderes de diferentes tendências religiosas e ideológicas. A sobrevivência dos levas no deserto e a defesa das regiões férteis do Brual e Aurim dependiam do consenso e da irmandade entre todos.

Porém, em 1100 D.C., o clã sulista conhecido como Bankdi havia estabelecido, através de casamentos entre as cortes de diferentes cidades, um poderoso controle e forte influência sobre a maior parte do território da Levânia – exceto Sadom, governada com sabedoria e tendo grande influência do clã Moncuria, este que foi o clã fundador da cidade.

Os bankdis já dominavam a região do Aurim e controlavam grande parte da produção de alimentos do império leva. E lhes interessava também casar um de seus descendentes com a princesa-regente da cidade de Sadom.

No entanto, o ancião-rei Azaldim IV, com medo da dominação Bankdi sobre toda a Levânia, aconselhou ao rei de Sadom que casasse sua filha com o príncipe de Abadom, estado ao norte que sempre manteve uma postura amistosa em relação a Levânia. Os sadonianos não estavam confortáveis com essa união, mas tampouco queriam ver os Bankdis — conhecidos como sanguinários e cruéis — no controle de toda a Levânia. Com isso, a princesa se casou ao norte enquanto tropas se formavam na região do Aurim.

O líder dos bankdis, Alevos, retirou-se para o deserto de Blirga e lá orou para a deusa da guerra e da fúria quando - dizem as lendas - uma tempestade de areia o levou a região do Campo Branco, o deserto de ossos no centro de Blirga. Conta-se que, uma vez neste local, tentou sair dali e, enquanto isso, foi perseguido continuadamente por uma voz desconhecida em sua mente.

Passaram-se duas semanas desde o momento em que os homens de Alevos deram por sua falta e foram buscá-lo. Este foi encontrado nas margens do Aurim, sorrindo e garantindo a vitória dos bankdis. Como uma visão, disse que a conquista da Levânia não poderia ser garantida sem a conquista de Sadom, a maior das cidades do Império, e que teria um trunfo secreto que permitiria, mesmo depois de sua morte, a vitória completa.

A guerra já durava 30 anos quando Alevos faleceu e passou o seu misterioso segredo para seu filho, Ras’Zoul.

Uma vez terminado o luto pela morte de seu pai, o poderoso mago iniciou novamente o ataque a Sadom. A resistência da cidade parecia impenetrável e a vitória dos invadidos parecia sem contorno. Esse era o sentimento geral quando, deixando a ordem para manter o sítio enquanto pudessem, Ras’Zoul desapareceu.

Sem seu líder o furor das tropas foi desvanecendo pouco a pouco, pois parecia que ele os havia abandonado. Três meses depois da última ordem dada por Ras’Zoul, os bankdis estavam a ponto de iniciar sua retirada para o sul. No entanto, neste momento crucial, o líder bankdi surge com um novo fôlego para as suas tropas. Ele retornou a Sadom com uma tropa de monstros e feras conhecidas apenas em relatos vindo do extremo sul e que já deveriam estar migrando para o norte a muito tempo, uma vez que estas feras não eram encontradas por aquelas regiões.

Com reforço inesperado e os ânimos restabelecidos, os bankdis logo conquistam Sadom. Era o ano de 1135 D.C. quando a ditadura bankdi foi instalada na Levânia.

Ras’Zoul se tornou o Imperador e os bankdis formaram uma grande tropa de elite, o clã central. Muitos anões e humanos fugiram para o norte nesta época. Feras, bestas, monstros e inúmeros acampamentos orcos se espalharam pela Levânia. Grande parte do povo foi escravizado ou alistado no exército, que chegou a se tornar o maior da Região dos Reinos.

Em 1140 D.C., Ras’Zoul convocou cerca de vinte mil levas ligados ao clã dos bankdis para assinarem em conjunto o Pacto dos Bankdis. Por este tratado entregavam suas almas ao poder que os levou a vitória contra Sadom. Esses homens e mulheres ganharam poderes grandiosos e riquezas imensas, mas, aos poucos, perderam sua vitalidade e muitos se transformaram em carcaças sem vontade. Controlados pelos desejos malignos de um poder oculto.

Iniciou-se o expurgo das poderosas divindades da Levânia. Os bankdis rejeitaram os deuses que trouxeram o Cataclismo e junto com ele a morte de milhares de seres, declarando guerra contra a religião dos deuses.

Em sua doutrina, ensinavam que, dentre os seres existentes, só os humanos possuíam um grau de divindade e que os deuses não teriam o desejo de ver este poder despertado. Pregavam a ideia que, em favor das outras raças, os deuses agiam contra o que chamavam de raça superior e civilizada, a raça humana.

Desta maneira, surgiu a Seita e, no final de 1140 D.C., já era numeroso o número de seguidores dentro da Levânia. Ras’Zoul convocou os seus mais fiéis oradores, trovadores e conselheiros, todos convertidos às palavras obscuras da nova Seita. Os conselheiros bankdis seriam os responsáveis por levar a palavra da Seita e preparar a chegada das forças que se mantinham nas sombras.

Estes conselheiros se espalharam pela Região dos Reinos, do sul ao norte. Além do que se foi dito, sua missão também incluía a aproximação a governantes e grupos de humanos ambiciosos.

Claro, os bankdis não se aproximaram de elfos, anões e pequeninos, nem de suas cidades. Ao contrário, sendo coerentes com sua doutrina, incitaram o ódio contra essas raças, às quais sempre chamavam de inferiores.

Ao sul, os bankdis controlavam exércitos de monstros e bárbaros vindos das Terras Selvagens. Iniciou-se um período conhecido como A Fúria do Sul. Quando as populações do que seriam Ludgrim e Eredra, foram surpreendidas por ferozes ataques e caíram vítimas da escravidão e da fome. Os bankdis, ardilosos e manipuladores, aproximaram-se dos humanos escravizados; seduzira-os e os convocaram a lutar contra os deuses que lhes haviam causado tamanho sofrimento. Em 1200 D.C., já tinham grande parte dos humanos sulistas sob seu comando.


Em seguida, os bankdis trouxeram as tribos verrogaris à unidade. Este povo de valorosos combatentes sempre esteve ocupado demais com suas guerras internas. Os estrangeiros do norte financiaram sua unificação e mediaram as conversas entre os líderes. Sendo então bombardeados por propaganda e táticas de cooptação da Seita, um líder leal a estes foi eleito pelos guerreiros, sendo declarado rei de Verrogar.

Assim, durante vinte anos, os bankdis articularam os movimentos necessários para seu maior e mais poderoso golpe. Com expedições de infiltração vindas de todas as regiões, invadiram a floresta de Âmiem e reuniram os fragmentos da Pedra Negra.

A posse deste poderoso artefato se fazia necessária para conjurar os 13 Portões Antigos. Estes são grandes portais que ligam Tagmar a dimensões desconhecidas.

Em 1220 D.C., feito o ritual, os portões foram abertos, surgindo centenas de milhares de seres demoníacos, liderados por criaturas que se declararam os senhores infernais, também conhecidos como os treze príncipes do Inferno.

Este foi o período mais negro da história recente da Região dos Reinos. A invasão demoníaca a controlou em quase sua totalidade, escravizou e se alimentou do medo das comunidades de diversas raças. Os demônios se fortaleceram com o clima de ódio, medo e desespero que açoitavam os corações dos povos. Com a invasão, os demônios encontraram um povo fraco para explorar. Sem resistência moral para lutar contra o poder corruptor, Os Reinos ameaçava ruir completamente.

Neste período, após a consolidação do reino de Verrogar, os bankdis se aproximaram dos Leões-Rubros, cavaleiros de elite de Verrogar, e incitaram a doutrina expansionista, exaltando a “vocação imperial da nação”. Assim, aconselharam uma guerra contra Filanti e os reinos orientais ligados aos runas: Marana, Luna e a própria Cidade-Estado de Runa.

Enquanto os verrogaris guerreavam na região leste de Tagmar, o Império da Levânia invadia Abadom e cercava as desconhecidas Brumas de Dartel, impedindo a fuga dos povos pelas suas fronteiras.

Deste modo, toda a região ao norte soube das intenções da Levânia. Ato contínuo, a Moldânia Superior e Filanti uniram forças contra os novos inimigos. Essa guerra durou 173 anos. Arrasou praticamente todas as nações. Inclusive as cidades-estados do norte, que foram cercadas pelos bankdis após Runa e Filanti estarem completamente dominadas pela Seita.

Os 13 Senhores do Inferno dividiram esta parte do mundo sob sua influência e massacraram os rebeldes, levando-os à periferia. Os bankdis formaram a corte dessas criaturas e o seu grupo de sacerdotes. E nesse tempo, a palavra bankdi perdeu seu significado tribal para se tornar um sinônimo de adorador de demônios.

Resistência, as Terras da Antiga Moldânia


Os deuses foram afastados e uma grande noite caiu sobre Tagmar. As cinzas e névoas sulfurosas que saíam das cicatrizes manchavam o céu como uma nuvem sombria. Os 13 Senhores escravizaram os povos e construíram suas fortalezas. Expandiram e fortaleceram seus exércitos com monstros vindo do sul. Os Bankdis perdiam a lucidez, alienavam-se no seu culto maligno, tatuando símbolos infernais e cantando sobre a morte dos deuses.

Mas os deuses não se deixaram abater por tamanha afronta e pela queda de sua influência sobre aquela região. As antigas tradições precisavam ser preservadas. No auge da invasão, as principais Ordens organizadas se reuniram em Saravossa para uma reunião nunca antes ocorrida. Era necessário deixar as diferenças de lado e iniciar uma reação contra o poder crescente dos demônios.

Plana, Moldânia Superior e Azanti, uniram-se em 1224 D.C. e formaram a Aliança dos Povos para defender as raças e lutar por suas divindades criadoras. A região foi um baluarte de resistência contra o poder demoníaco. Assim passaram-se 170 anos, entre guerras localizadas nas fronteiras e muita destruição. Porém, tudo mudou em 1390 D.C.

Nesse período os 13 Senhores Infernais concordaram com uma trégua, mediada pelos sacerdotes da Seita, com objetivo de destruir a aliança ao norte.

Este era o último reduto das antigas tradições sobre toda Tagmar. Saravossa era, nesse tempo, governada pelo Rei Alvór XI. Ele tinha em seu conselho o grande sábio Malim. Este homem unificou os diversos idiomas de Tagmar em um novo alfabeto, mais simples, e que no futuro seria adotado como a escrita única. Também era chamado de Homem Santo, guardião das antigas tradições e supremo líder da Aliança dos Povos. Assim, a sua morte era de suma importância para os bankdis.

Já se passavam 170 anos de privação e miséria. Muitos não acreditavam que a Aliança fosse sobreviver por muito tempo e os bankdis começaram a se infiltrar lentamente entre os humanos do Norte.

O rei Alvor XI, apesar de leal a Malim e das sondagens mentais a que todos os líderes eram submetidos, foi corrompido. Teve início uma guerra civil no seio da Aliança. Malim começou a perder a lucidez e ter visões proféticas. Por fim, o rei Alvor XI morreu em batalha contra hordas demoníacas em Filanti e a esperança foi se esvaiu. Com a queda de Filanti; Azanti e Plana pereceram sob o jugo dos 13 Senhores.

Com a morte do rei e o enfraquecimento da Moldânia, Malim e um grupo de poderosos heróis atravessam Plana em busca de abrigo e chegaram em Acordo. Porém, foram atacados pelos bankdis e estiveram em grande perigo.

Saravossa cercada, Muli corrompida, Caleonir incendiada e Chats controlada por exércitos orcos. Era o fim da Aliança dos Povos. Os 13 Senhores se prepararam para invadir pessoalmente a última cidade resistente. Na mais densa treva o brilho refulgente de uma figura solitária emanou uma aura de esperança e paz sobre o mundo: O Grande Sábio.

O Grande Sábio deu início a sua jornada pela unificação dos povos e destruição da Seita. Aos poucos, contatou e formou resistências. Reuniu Eredra, Ludgrim e Âmiem que sobreviveram ao período negro. O Mais Sábio recebeu de Maira o cetro dourado e deu-o à rainha Enora de Âmiem. De posse do cetro ela enfrentou e venceu o demônio Morrigalti. Os bankdis foram expulsos das florestas de Âmiem.

Em 1403 D.C., aconteceu a Batalha dos Mil Mártires. Ali bravos heróis, inclusive o rei Juliam da Moldânia, perderam suas vidas em prol do resgate da Pedra Negra. Saravossa reanimada conseguiu repelir a invasão dos demônios. Os Leões-Rubros de Verrogar lutaram contra a Fortaleza Negra e os bankdis caíram na Levânia. Os demônios perderam força com a coragem e a esperança que retornavam ao coração dos povos. O Grande Sábio concebeu feitiços poderosos que baniram os 13 Senhores e milhares de seus servos de volta para o Inferno. Aos poucos, todos os reinos conseguiram reunir suas tropas aos exércitos da União. Os bankdis eram derrotados e as terras e domínios restabelecidos.

Os bankdis sobreviventes desta época foram marcados com a Marca da Vergonha e, embora não fosse a intenção do Grande Sábio, acabaram por ser caçados por onde passavam. Os demônios e seus adoradores não mais assombravam Tagmar e o Grande Sábio restabeleceu a fé na antiga tradição e na Aliança dos Reinos.

Alguns eruditos se espantam com o fato de uma dominação tão duradoura por parte das criaturas infernais ter sido desmantelada por uma figura humana em apenas dois anos. Mas muitos afirmam que nada seria tão justo, pois o Grande Sábio era o enviado dos deuses, o preservador das tradições e defensor de todos os povos.

O Sábio concebeu, em 1393 D.C., a Unificação. Esse projeto ambicioso visava curar as feridas dos reinos, fortalecer as igrejas e ordens místicas, estreitar os laços de amizade entre as nações e impedir o retorno da Seita sobre o mundo. A Unificação não era apenas uma aliança cordial como fora a Aliança dos Povos, era uma união política entre todos os reinos. Regionalmente, teriam certa autonomia, mas seriam efetivamente governados por representantes enviados a Saravossa.

A Unificação durou 57 anos, período em que o Sábio esteve no Mundo Conhecido. Em 1449 D.C., com a morte do mentor e principal arquiteto da Unificação, o projeto perdeu sua força. Um a um, os reinos foram se desligando de Saravossa e retomando autonomia. A figura do grande Sábio não mais existia para manter todos os povos sob uma única bandeira. Apesar disso, o perigo da Seita parecia superado, o comércio se tornou forte e a Região dos Reinos caminhava a passos largos rumo a uma era de paz e prosperidade.

Verbetes que fazem referência

Livro de Ambientação, Livro de Introdução a Ambientação

Verbetes relacionados

Extratos do "Livro de Maudi" | 1º Ciclo ou O "Tempo das Névoas" | 2º Ciclo ou "O Tempo dos Filhos" | 3º Ciclo ou "Tempo das Mentiras Infernais" | Os deuses de Tagmar | Cosmologia | As Regiões de Tagmar | Região dos Reinos | Região das Terras selvagens | Região do Império | Raças para Roleplay | Calendário de Tagmar | As Línguas de Tagmar | Os aventureiros | Cronologia de Tagmar | Considerações Finais | Créditos do Livro de Ambientação