Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Contratados pelo Duque  

O Duque de Marimonte


Após o assassinato, o grupo todo reuniu-se na praça central. O sacerdote conseguiu manter um dos feridos vivos, pouco antes do Duque de Marimonte chegar e exclamar que aquele homem era seu filho, Huen. Imediatamente, o governante ordenou que seus guardas procurassem pelo assassino. Azurius interrompeu de forma descortês para orientar o duque, o que não gerou uma boa primeira impressão, embora tenha sido convincente o suficiente para fazer o nobre acreditar.


Duque de Marimonte


Poucos instantes depois, Krom e Azurius conversavam com o Duque, tentando extrair dele alguma informação que pudesse ajudar na investigação sobre quem cometera o crime. Ao mesmo tempo, Servill e Hazafer buscavam uma carroça para conduzir o corpo do falecido até o templo e Sevides, onde o sacerdote garantiria que ele teria um ritual fúnebre adequado.

O Duque de Marimonte apreciou o interesse de Azurius e Krom na investigação, e então pediu-lhes que fossem até sua mansão no final da tarde daquele dia para que pudessem conversar. Enquanto isso os seus guardas estavam investigando a cidade.

Passada a maior parte do tumulto, os cinco indivíduos que se prontificaram a ajudar na investigação - Servill, Krom, Finwe, Zac e Azurius - se reuniram no templo de Sevides, onde o corpo do falecido estava sendo preparado. Zac conhecia a vítima e sua irmã, e ao conversar com ela conseguiu descobrir que o jovem apenas acompanhava o casal pela cidade durante a Festa da Fartura.

As pistas


Convencidos de que o pobre plebeu havia sido atingido por engano, o grupo se dividiu e foi investigar na cidade por mais pistas. Krom, Finwe e Azurius partiram em direção a um posto de guarda, enquanto Servill e Zac decidiram ir ver o filho do Duque.


Principado Antigo e os pontos de Interesse


Ao chegarem no posto de guarda, Finwe fez a abordagem inicial de forma bastante cortês. Contudo, quando percebeu certa ironia nas respostas do guarda, Krom avançou e ergueu o miliciano do chão agarrando-o pelo pescoço. Seu companheiro, assustado, nem esboçou reação para defendê-lo. Graças a este estímulo extra, o guarda disse que ouvira de seu chefe, Greg, que o monstro estava fugindo para a Colina Fechada, ao sudeste. Insatisfeito com a resposta muito vaga, o trio ainda conseguiu que o guarda indicasse onde encontrar esse chefe para que pudesse ajudá-los mais.

. . .


Servill e Zac conversavam durante sua caminhada pela cidade e o sacerdote disse que precisava de algumas ervas. Sua teoria era de que o filho do Duque, Huem, poderia ter sido ferido por um licantropo e, nesse caso, segundo ele, a doença poderia ter passado para ele. Para evitar a manifestação, o pequenino conhecia algumas misturas que poderiam ajudar, e assim ele e o Zac dirigiram-se até um herbalista, que lhes forneceu uma boa quantidade por uma moeda de cobre.

Em seguida, a dupla dirigiu-se até a mansão do Duque de Marimonte. Lá dentro, eles encontraram-se com Huem e perguntaram-lhe se ele tinha visto o bandido. Com a negativa, Servill arranjou um espaço para começar a preparar seu unguento, enquanto Zac pediu para conversar com o Duque em Particular. Durante esta conversa, o mago informou ao Duque da possibilidade de seu filho estar infectado com uma doença, e a razão do sacerdote estar preparado suas misturas. Um pouco assustado, o Duque deu liberdade total para que eles façam o que for preciso para recuperar seu filho.

. . .


Finwe separou-se de Krom e Azurius, pois acreditava que poderia conseguir algumas informações sobre outras mortes que vinham acontecendo na região se perguntasse nas tavernas. Enquanto isso, o guerreiro e o mago seguiriam procurando pelo Martelo Vermelho que teria as pistas certas.

A dupla caminhou por mais algum tempo até que encontrasse o tal Greg, um humano. Eles convenceram o miliciano a apontar o Martelo Vermelho responsável pelas pistas e então foram até ele.

Iriábor era o nome do guarda do duque que tinha as informações. Ao ver Greg com o a dupla mal encarada ele ainda ficou em dúvida se ele estaria com problemas, mas logo a conversa se desenrolou e Krom e Azurius descobriram que uma criatura humanóide e peluda, do tamanho de um ser humano baixo, tinha sido vista correndo há algumas horas em direção à Colina Fechada. Ele usava uma capa de retalhos xadrez. Com apenas esta informação em mãos, Krom e Azurius foram a mansão do duque para aguardar o encontro.

A partida para a Floresta


Todos se reuniram na mansão do Duque de Marimonte ao cair da noite. Lá ele agradeceu pela ajuda de todos e disse que ficaria muito grato com a ajuda. Preocupado com seu filho, o Duque ainda perguntou quando partiriam, pois eles teriam montarias e as armas que seus guardas pudessem oferecer - o que não era muito, na verdade.


Adaga ritual de prata


Após uma noite de descanso, o grupo preparou suas montarias e equipamentos para a viagem. Krom conseguiu uma espada maior e Zac completou seus mantimentos. Servill lembrou que talvez fosse necessária uma arma de prata para ferir a criatura, e então o Duque trouxe-lhes uma arma de família, uma adaga ritual muito bem trabalhada. Azurius, interessado, constatou que ela possuía algum tipo de encantamento, mas que não sabia como identificar. O próprio Duque ficou surpreso e, após um pedido do elfo dourado, convocou um de seus guardas anões para que ele lesse a escritura em Voz da Pedra, que dizia "Graça de Parom" na parte compreensível.

Já na estrada, o grupo cavalgou por algumas horas até a chegada nas colinas. Em determinado momento, eles perceberam que um grupo de lobos os espreitava. Eles preparavam-se para o combate quando uma elfa os chamou. Todos exceto Azurius cavalgaram apressadamente para próximo dela, que disse que havia uma armadilha para os lobos nas proximidades. O mago que ficara para trás lançou óleo em chamas no caminho para retardar a chegada dos animais.

Quando todos já estavam reunidos, o grupo percebeu que uma parte dos lobos havia chegado e preparava-se para atacar.

Planície Central do Reino de Conti. Basvo e Calcato, 30º dia do mês da Semente e 1º dia do mês do Ouro, A Festa da Fartura, do ano de 1500.

Verbetes que fazem referência

Campanha Instintos Latentes

Verbetes relacionados

A Festa da Fartura | Contratados pelo Duque | Um sinal do demônio | O assassinato do filho de Servill | A Gruta da Gota | Cavernas na Gruta
LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.