Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Ordem de Palier .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

A Ordem da Luz

Uma pequena chama branca tremeluzia na palma de Grindór, lançando sombras inquietas em todas as direções. A elfa Arallim caminhava a seu lado, serena, a roçar a parede fria do corredor com as pontas dos dedos – uma prece velada brincando em seus lábios. Logo atrás trotava o velho Sagius, nervosamente abraçado à sua mochila repleta de livros, notas e documentos. Haviam superado inúmeros percalços até aquele ponto, mas somente através de um bom e coordenado trabalho em equipe: Grindór, o mago, obtivera o mapa; Sagius o traduzira, interpretando suas instruções; e Arallim rezara pela segurança do grupo. Agora, o fim da jornada prometia estar próximo.

Arallim, na realidade, fizera bem mais do que rezar – reconhecia e sondava intimamente o mago, enquanto os caminhos subterrâneos se desdobravam infinitamente diante do trio. Fora ela quem praticamente trouxera Sagius dos mortos após o infeliz episódio com o lagarto do gelo. Fora ela quem decifrara as runas que permitiram acesso ao labirinto; e apenas Arallim parecia capaz de apontar com precisão a presença de armadilhas mágicas nesse lugar onde os princípios arcanos pareciam subvertidos por alguma força desconhecida. “Bravo, minha utilíssima sacerdotisa de Palier”, pensou Grindór enquanto com sua mão livre estendia o mapa para mais uma consulta. Outro cruzamento adiante. Uma ligeira troca de olhares e Arallim assentiu com um meio-sorriso. “Sim, mago, é seguro por ali”, lia ele nas feições da elfa, com um misto de alívio e inveja.

Após o que pareceu uma eternidade perambulando pelo emaranhado ambíguo de túneis, chegaram os três finalmente a um salão amplo, circular, de cuja abóbada emanava uma claridade sobrenatural. Ao centro, sobre um sepulcro de mármore rubro, flutuava um volumoso tomo cuja encadernação de metal refletia sinistramente a luminosidade difusa do recinto. Sagius prendeu a respiração, trêmulo. Grindór, com um sorriso estranho nos lábios, fez menção de avançar para o centro do aposento, mas teve o braço seguro por Arallim, que meneava negativamente a cabeça. O mago percebeu, naquele instante, que a sacerdotisa salvara sua vida. “Faça o que é necessário, irmã”, sussurrou então Grindór amargamente, recuando dois passos e descansando sobre o piso empoeirado.

Arallim estendeu lentamente as mãos espalmadas na direção do monumento fúnebre e começou a murmurar um cântico baixinho. Avançava pé ante pé, de olhos fechados. Com cada passo, o ar à sua volta parecia se contorcer e crepitar, enquanto uma profusão de faíscas e espirais de vapores coloridos emanava do assoalho – vestígios inofensivos do volume magnífico de energia mágica sendo sublimado. Em pouco tempo, alcançou o vértice do salão, deitando as mãos suavemente sobre o livro. Houve alguns segundos de silêncio, durante os quais o rosto da elfa expressou curiosidade, sobressalto e apreensão.

Tratava-se, genuinamente, do lendário Tomo de Arminus!

Aturdida pelas revelações do volume, voltou-se para Grindór, em tempo de acompanhar o último gesto do encantamento do mago, que a atingiu com força total. Arallim sentiu o corpo enrijecer e viu-se incapaz de realizar qualquer movimento. Divisou o contorno inerte de Sagius junto à entrada do aposento e seguiu os passos de Grindór com os olhos quando este se dirigiu ao sepulcro e tomou o livro para si.

“Lamento que tenha de terminar assim, irmã”, sussurrou o mago, com um brilho estranho nos olhos, “O segredo de Arminus deve ser meu, e meu apenas!”. Mas quando Grindór sacou a adaga para assassinar Arallim, ouviu-se um rugido: “QUEM OUSA PROFANAR MEU JÁZIGO?”. Em pânico, o mago girou nos calcanhares e disparou rumo ao labirinto, deixando para trás seus ex-companheiros.

No instante seguinte, Sagius erguia-se do chão com um sorriso maroto. Poucos sabiam que aquele intelectual tímido e franzino havia, em sua juventude, dedicado alguns anos ao estudo do ilusionismo. Além disso, a distorcida natureza mágica daquele lugar parecia ter afetado a eficácia dos feitiços paralisantes de Grindór – Arallim já recobrava seus movimentos.

“Perdoe-me, Arallim”, suspirou Sagius, afagando o rosto no lugar onde atingira o chão, “Distraí-me por um instante que poderia ter nos custado as vidas. Tinhas razão, Grindór ficou maluco, não parece o mesmo que iniciou a jornada conosco”.

“Não te aflijas, Sagius”, retrucou Arallim, com um sorriso triste, “Eu já tinha previsto que a sanidade de nosso companheiro sucumbiria às provações da viagem. De qualquer forma, ele não irá longe. Creio que sei exatamente onde encontraremos o seu cadáver”.

“Mas como?!”, engasgou o velho, perplexo.

“A magia deste lugar é poderosa”, explicou a elfa, “Eu jamais poderia dissolver todas as armadilhas do caminho. Limitei-me a suspendê-las, proporcionando uma segurança efêmera – porém suficiente para nossa passagem. Pretendia fazer o mesmo no caminho de volta, e vejo que fiz bem em não divulgar tal detalhe”.

“Mas... o Tomo de Arminus, Arallim!”, interrompeu Sagius, com um acento de pânico na voz, “Ele pode ser danificado, ou pior, destruído!”.

“Tens razão, bom Sagius. Rezemos para que não seja o caso”, respondeu a elfa, tomando a dianteira. Na verdade, Arallim contava com isso. Os restos arruinados do tomo poderiam ser levados ao Templo da Luz e restaurados. Seriam então estudados pelos sábios – e seu conteúdo, protegido de um mundo ainda despreparado para certas revelações. Sentiu apenas pelo fiel e velho amigo, para quem teria que mentir mais uma vez ainda. “Que se há de fazer?”, racionalizou Arallim, “Sagius não entenderia...”.

História

Um dos grandes e principais objetivos da vida de um ser racional, além de ter suprida suas necessidades básicas de vida, é a busca por conhecimento e sabedoria. É o conhecimento quem permite aos mortais superarem os obstáculos impostos pela natureza e a sabedoria é quem lhes abre a visão para usarem este conhecimento de maneira prudente e correta. E esta busca, mais cedo ou mais tarde acaba levando este ser a Palier...

Para aqueles que pensam que caminhar em sabedoria é algo fácil, se esquecem que, na verdade, não estão caminhando amparados em sua própria sabedoria, mas sim na de outros, uma vez que alguém já teve que cruzar esses caminhos, antes desconhecidos, e torná-los sábios para que muitos possam passar. Para esses sábios que se comprometem em ser “a luz do mundo”, o caminho, sem dúvida, é árduo e sombrio. As trevas sempre tentarão barrar-lhes a passagem, pois que, para os instrumentos dos mundos inferiores, a ignorância é a maior arma para manter os seres cativos. Mas, como que lavradores da mente, esses caminhantes ocultos pelo manto do segredo vão tornando o conhecimento mais assimilável às pessoas comuns, a fim de que o mundo vá, gradativamente, se tornando um lugar mais sábio. Para esses sábios o secreto vai se revelando a cada passo de sua caminhada, e cabe a eles construir estradas firmes para que pés vacilantes possam, no tempo certo, lhes acompanhar a marcha a caminho da sabedoria.

Muito pouco ou quase nada se sabe ao certo sobre a história do surgimento da Ordem. Existem várias versões e a maioria delas, ou todas, poderiam não passar de mera especulação. Das poucas certezas que se tem a respeito da Ordem da Luz, leva-se a crer que a versão mais próxima da verdade relata da existência da Ordem já no período da fragmentação dos reinos da Moldânia, conhecido na Ordem como o “Período dos Lordes”. A mesma versão parece afirmar que a própria guerra civil foi obra da Ordem da Luz e de seus sábios.

Outra versão diz que consta dos arquivos secretos da Ordem, na ata “oficial” de fundação da mesma em Calco, que essa ocorreu logo após a unificação dos reinos, ao término da Guerra da Seita. Consta, também, que seus fundadores foram dois elfos dourados, já bem idosos, para os padrões de sua raça, de nomes Ketalel e Silsanlam , que, especula-se, foram grandes sacerdotes, talvez os maiores sacerdotes de Palier dentro da Ordem.

A história da Ordem nesse ponto volta a se ocultar nas brumas, acidentalmente ou não, e ainda assim deixa a impressão de que durante todo o tempo esteve sempre entrelaçada com a história do País. Especula-se que, tudo quanto Calco é hoje, se deve graças a Ordem e a seus membros que, ao longo da história, vieram manobrando o leme dos acontecimentos.

Localização

Mais uma vez as informações são confusas e conflitantes (até pelo que a Ordem se propõe como objetivo, estas informações conflituosas garantem a segurança de seus membros e de seus segredos), mas acredita-se que a sede da Ordem esteja localizada na magnífica Saravossa, em algum lugar onde ela possa passar completamente despercebida pelos “não conhecedores”. Especula-se ainda que em Saravossa resida apenas o líder máximo da Ordem, Ilustríssimo Mestre, e que seu braço se estenda ao longo do mapa chegando a Runa, em Portis, e a Efrim, em Eredra, onde residiriam seus Vigilantes. Apesar disso, mais rumores dizem ainda que a Ordem já estendeu seus braços a todos ou quase todos os países de Tagmar, possuindo em todos os cantos ao menos uma congregação cuidando para que os interesses da Ordem sejam alcançados.

Símbolo

O símbolo da Ordem é representado por um livro preto fechado, trazendo na capa um pentagrama de 7 pontas douradas. Possivelmente o significado desse símbolo só seja conhecido por aqueles versados nas artes ocultas ou membros da Ordem.

Objetivos

Ao contrário da maioria das Ordens, a Ordem da Luz não se dedica a propagar a fé em Palier de forma pública, mas sim a buscar, desvendar, conhecer e levar a verdade e o conhecimento a todas as pessoas (embora nem todo o conhecimento seja “compreensível” a todas as pessoas). Para aqueles que tenham o privilégio de olhar para dentro da Ordem e para ela como um todo se pode ter a impressão de que ela tem dois grandes objetivos: desvendar todas as verdades e mistérios do mundo e promover uma reforma geral no mesmo. Talvez seja mesmo esse o objetivo da Ordem, mas, o que se sabe com certeza, é que seus sacerdotes membros são sábios ocultistas, pesquisadores ávidos de conhecimento, que parecem estarem infiltrados em quase todos os aspectos da vida, pública ou não. Desde os aspectos mais importantes de uma sociedade, aos que poderiam ser considerados menos importantes ou até mesmo não importantes, para aqueles que saibam como conhecê-los, verão que lá eles estão. E que tudo quanto esteja acontecendo, em maior ou menor grau de envolvimento parece ter o dedo deles.

Os sábios

Estes sacerdotes, que vagueiam pelas sombras da sociedade, podem ser qualquer um, e normalmente são pessoas importantes e cultas de um lugar, seja de uma cidade ou um reino. A lista de membros da Ordem talvez não exista, e caso exista, certamente está guardada a “sete runas”. Mas os rumores apontam que pessoas muito importantes fazem parte das fileiras da Ordem. Acredita-se inclusive que a biblioteca de Saravossa seja tão somente uma extensão visível do alcance da Ordem e de sua força.

Os sacerdotes da Ordem da Luz são sábios de raças e classes sociais diversas, devotados à busca, compreensão e repasse de conhecimentos por todo Tagmar. Apesar de a Ordem ser sempre de sacerdotes de Palier, um grande número de não-sacerdotes (inclusive magos) atua como colaboradores. Porém, para que sejam merecedores de tal distinção faz-se necessário que sejam totalmente devotados aos preceitos da Ordem.

Os vigilantes

Os sacerdotes da Ordem da Luz, em sua esmagadora maioria, são adeptos do não-combate. Dificilmente se verá um sacerdote da Ordem envolver-se em alguma querela ou em algum embate que exija o manuseio de armas, exceto em raríssimas situações (como proteger uma vila de um bando de orcos, por exemplo). Para eles, o conhecimento serve justamente para se evitar o emprego da força bruta, preferindo o uso da magia em detrimento da primeira.

Entretanto, existem segredos que precisam ser guardados e situações em que o mero apelo intelectual, semântico e mágico não consegue resolução. Neste ponto entra o “braço armado” da Ordem: Os vigilantes. Os membros de suas fileiras são recrutados dentre os sacerdotes de Palier mais confiáveis e com mais habilidades no manejo das armas. Como o próprio nome sugere, estes sacerdotes atuam como vigias dos templos da Ordem, protegendo santuários (e seus segredos) e executam missões onde a força mais bruta seja necessária.

Peculiaridades

Os Sábios são “sacerdotes comuns”, que durante o dia se vestem e agem de maneira perfeitamente normal à sua posição social, racial e profissional. Sua indumentária preferida é um grande robe de coloração verde e dourada, que lhes cobre todo o corpo, inclusive os braços e mãos, deixando a mostra apenas a cabeça. Porém, quando se reúnem para os ritos sagrados, os sábios vestem roupas próprias, cujo significado é compreendido apenas pelos membros da Ordem. A título de reconhecimento os Sábios possuem palavras e códigos secretos que podem certificar quanto à autenticidade de qualquer um. Estes, também, ao ingressarem na Ordem, ganham um anel de ouro com o símbolo da Ordem. Esse anel eles carregam sempre consigo, mas nem sempre à mostra.

Os vigilantes envergam couraças parciais muito bem trabalhadas, nas cores verde e dourado. Também carregam um grande escudo quadrado, de corpo inteiro, com o símbolo da Ordem estampado no mesmo. Em suas cabeças, um elmo, adornado com detalhes em alto relevo, completa o seu equipamento de defesa. Em toda a sua armadura encontram-se inscritas runas, cujo significado é conhecido somente dos artesãos da Ordem. Não existem restrições quanto ao uso de armas pelos componentes dos vigilantes, mas acredita-se que elas sejam encantadas com milagres e encantamentos poderosos, tanto que, se alguma delas for perdida ou roubada, os vigilantes empreenderão missões para recuperá-las, utilizando todos os meios necessários para chegarem a tal fim (exceto aqueles que envolvam atos indignos diante dos deuses, óbvio).

Votos específicos

Reconhecerás a todos os sábios como irmãos e prestarás sempre auxílio aos teus: Devido à dificuldade de se adentrar para as fileiras da Ordem, e das certificações constantes quanto à lealdade de seus membros, os mesmos confiam bastante em seus irmãos de Ordem. Esse voto certifica ainda que um Sábio deve, sempre que se faça necessário, prestar auxílio a um outro sábio, quer seja compartilhando seus conhecimentos, quer seja emprestando algum tomo ou objeto para seu confrade.

Nunca, jamais, sobre quaisquer circunstâncias revelarás os segredos de nossa Ordem: Esse voto, levado muito a sério entre os sacerdotes da Ordem, é de natureza vital para a sobrevivência da mesma e para que ela consiga alcançar seus objetivos. Para tal os membros possuem magias poderosíssimas de bloqueio mental que impossibilitam que suas mentes sejam vasculhadas. Qualquer um que desrespeite esse voto pode aguardar por uma terrível punição.

Sempre procurarás pela verdade e a fará conhecida por todos os teus pares: Um sacerdote da Ordem da Luz é um perpétuo investigador em busca da verdade e do conhecimento, disposto a procurar e desvendar os mistérios envolvidos nas névoas da história do Mundo Conhecido. Ele não se permite deixar que a ignorância impere. Segundo este voto, um membro da Ordem sempre deve compartilhar seus conhecimentos com os outros membros (embora nem sempre isso aconteça fora dos círculos da Ordem, pois a maioria das pessoas de Tagmar não compreenderia a totalidade e a utilidade de tal conhecimento adquirido, ou poderia fazer mal uso do mesmo).

Nunca permitirás que o conhecimento e a magia dos demônios prosperem: Esse voto singular relaciona-se ao uso da magia e da sabedoria para fins demoníacos. Palier abomina a magia advinda dos planos inferiores, bem como a tudo que àquele local se relacione. Seus seguidores devem fazer de tudo para eliminar ou impedir que tais conhecimentos e magias sejam usados. Os sacerdotes de Palier encaram os magos e os demonistas com um ódio pouco visto entre as Ordens.

Estrutura

Vide estrutura das Ordens Ocultistas. Os Sábios da Ordem da Luz possuem uma rígida hierarquia e a mantém atuante, utilizando a disciplina e a sabedoria adquirida ao longo de sua história. O Venerável Mestre da Ordem também é conhecido como “O Divino Guia”.

Líder em atividade

Até onde é possível se saber pelos manuscritos da Ordem, esta é, atualmente, liderada por Martom Amaatri, um elfo dourado que, ao que parece, veio a muito, muito tempo de Léom, em Dantsem, e que parece ter conhecido Ketalel e Silsanlam, os fundadores da Ordem da Luz. Para variar, não se possui muitas informações a respeito de Martom. Especula-se que ele estivesse presente desde o início da Ordem. Aqueles que o conheceram e ou o conhecem o descrevem como “a mente”, enfatizando sempre o brilhantismo de sua inteligência “desumanamente” perspicaz. Diz-se, ainda, que ele é dotado de extrema beleza e de um grande carisma. De qualquer forma, Martom Amaatri parece não gostar muito de popularidade e ele já não é visto a mais de duas gerações dos homens, e muitos alegam até que ele já não reside entre os vivos. Outros, dizem que ele se foi para Portis e nunca mais regressou. Mas, para aqueles que sabem da verdade, Martom ainda é considerado o sacerdote de Palier vivo mais poderoso de toda Tagmar.

Juramento

Eu [nome completo] juro solenemente diante de meu deus e seus representantes aqui presentes minha lealdade eterna e incondicional a Palier, à ordem da Luz e, a todos os seus.

Juro que buscarei sempre o conhecimento e sabedoria onde quer que eles estejam; que guardarei com sabedoria os meus votos;

Que despenderei qualquer esforço e empreenderei qualquer jornada, que vise o engrandecimento da ordem e a busca de conhecimentos;

Que jamais revelarei qualquer segredo da ordem ou a identidade de seus membros.

Juro que considerarei como meus irmãos de ordem todos àqueles que proferirem este juramento;

Que trabalharei no máximo de minhas forças para que a ordem possa alcançar seus objetivos;

E que se eu quebrar este juramento eu seja privado de todo meu intelecto.

Que todos aqueles que prezam a ignorância e o conhecimento demoníaco sejam banidos para as trevas.

Eu faço este juramento no [dia corrente] e que Palier ilumine meus caminhos e minha mente, para que eu nunca me perca nas trevas da ignorância e do abuso.

Saudação

O cumprimento da Ordem é feito levando-se a mão esquerda espalmada até a parte frontal da cabeça tocando-a com a ponta dos dedos, e terminando por estender-se à frente do corpo como a desejar uma boa viagem, proferindo as palavras: “Que a verdade esteja sempre com você(s)”.

Relíquias

A cerca desse ponto às informações são ainda mais improváveis e fantásticas. Diz-se que a Ordem possui, em seus subterrâneos, salas imensas destinadas somente à guarda de itens mágicos dos mais poderosos de Tagmar. Itens que, se caíssem em mãos erradas, poderiam mudar totalmente o rumo da história. Diz-se também que a coleção de manuscritos fantásticos da biblioteca de Saravossa é tão somente uma mera cópia dos textos originais guardados pela Ordem. Os boatos mais absurdos relatam que a Ordem possuía relação direta com o Grande Sábio...

Verbetes que fazem referência

Livro das Ordens Sacerdotais

Verbetes relacionados

Ordem de Blator | Ordem de Cambu | Ordem de Crezir | Ordem de Crisagom | Ordem de Cruine | Ordem de Ganis | Ordem de Lena | Ordem de Maira | Ordem de Palier | Ordem de Parom | Ordem de Plandes | Ordem de Selimom | Ordem de Sevides, Liris E Quiris | Introdução | Prólogo | Epílogo | Créditos
LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.