Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Ordem de Ganis .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

A Ordem da Grande Mãe

“Para mim está claro, agora, o motivo pelo qual a Deusa o trouxe a mim.”

As feridas do jovem eram tratadas, e seu estado deplorável e desnutrido lentamente sanado. Ao resgatá-lo das margens do rio, Lina tinha apenas dois objetivos em mente: poupar a vida do rapaz, e poupar aquele remanso da enorme mancha rubra vertida de seus ferimentos. Quem ele era, e a que se devia o ataque que obviamente sofrera? Tais questionamentos nem ao menos começaram a se formar na mente da Sacerdotisa. — “¬ Proteger e nutrir. Ao menos por enquanto.”

Passados dois dias, o rapaz recobrou os sentidos, e o fez de maneira violenta: pulou da cama improvisada, procurando em vão o cabo de sua espada, já a muito perdida.

Perdida, ou entregue as mãos de Ganis

O desespero cobriu sua face e, sem ao menos agradecer, ergueu-se e abandonou o acampamento de sua salvadora. Lina sorriu, na certeza de que seus caminhos voltariam a se cruzar. Dada a vastidão das Águas da Deusa, nada do que é reunido por elas é fruto do acaso. Sem tardar, duas luas após o primeiro encontro, estava o rapaz com novos ferimentos aos pés da Sacerdotisa. Sendo estes mais sérios, Lina resolveu recorrer às dádivas da Deusa para curá-lo, preservando assim sua vida. O rapaz despertara rapidamente, a ponto de poder ver os efeitos do milagre realizado por Lina: seu cabelo flutuava como se estivesse dentro d’água, suas mãos emitiam um pálido brilho azulado e, de todas as direções, se escutava um som de água que misturava músicas de melodia impensável e os sons de uma cachoeira.

Essa visão mudou sua opinião quanto a Lina, fazendo-o agradecer. Lina sentiu, pois planejava que a gratidão, caso fosse dada, viesse de maneira mais espontânea. Volere, que era um rapaz franzino, começou então a tecer sua história.

“¬ — Perdoe a minha ignorância em nosso primeiro encontro. Ele foi, certamente, fruto de uma pressa que ainda tenho, pois minha irmã é cativa de orcos. Eles se separaram, e estão em número de dois agora na guarda, mas ainda assim não fui capaz de vencê-los. Já que me deste a oportunidade de me manter vivo, tentarei pagar avisando que o resto do grupo, três fortes, está patrulhando esta área. E seu acampamento não é discreto.”

Lina sorriu e disse: “¬ — Não temo orcos, portanto não tenho motivos para me esconder. Mas odeio orcos, e portanto eles tem motivo para temer a mim. E, pelo que sinto, eles ignoram este fato.” A Sacerdotisa olhou para uma das paredes de sua tenda, por onde trespassou, sem acertar alvo algum, a lâmina de uma espada. Volere se lançou ao chão, amedrontado pelas vozes dos orcos e seus gritos enlouquecidos.

Então, o som de um rio caudaloso surgiu em crescendo, e então se deu o silêncio. Volere baixou os braços que cobriam seu rosto, e viu que orcos não estavam mais lá. Levou algum tempo para avistá-los ao longe flutuando rio abaixo. Lina passava a mão em seus cabelos, acalentando o rapaz, mas sem conseguir ocultar um leve franzir no cenho. Então disse:

“— ¬Eu o protegi, o alimentei e, agora, mostrei que não deve temer os orcos, e sim a teu próprio medo. No entanto, sua próxima lição é árdua – é onde devo deixá-lo ir. Sei que os orcos se escondem em uma caverna, escondida atrás da cachoeira, na distância de meio dia daqui. Creio ser por isso que você, desacordado, sempre foi trazido pelo rio até o remanso onde estamos. Você atentou bem quanto à localização do esconderijo dos orcos, mas foi relapso no resto da paisagem que a Deusa nos deu para apreciar. Observe tudo mais profundamente, e resgate sua irmã enquanto ainda é tempo.”

Contam os bardos que Volere mergulhou no lago formado abaixo da cachoeira. E, no ápice de seu fôlego e de uma descida de 22 metros, encontrou uma espada única. Outras lendas de bardos versam sobre o casamento de sua irmã, alguns anos depois, e das aventuras de Volere, O Guerreiro da Espada Invisível, caçador de Orcos.

História

Dizem os sábios que a vida veio dos Deuses. Dizem os mais sábios que ela veio através da água. Esta condição sacra de meio condutor é defendida fervorosamente pelos seguidores de Ganis, a Deusa das Águas, conhecida dentre eles como A Grande Mãe. A atribuição de progenitora da vida não é vista com bons olhos pelos seguidores de Maira, a qual chamam também de A Grande Mãe, e obviamente atribuem a origem do dom da vida. Fato é que, cada uma a seu modo, ambas as divindades estão intimamente ligadas a vida como conhecemos. As Sacerdotisas incluem, como argumento em suas pregações, o fato de todo feto nascer acolhido em água. Seja no mar, em ovos ou na barriga dos mamíferos. Peixe, cão, homem, todos respiramos água antes de respirar o ar, todos dormimos abrigados por seu acalento. Esta condição une a todos.

A história da Ordem remonta aos tempos antigos, quando ainda se vislumbrava o esplendor do antigo reino da Moldânia. Neste extenso reino, havia aqueles que moravam mais a norte e que tinham um contato maior e mais direto com as águas de Ganis. Muitos destes tiravam dessas águas a maior parte de seu sustento e não raro o sentido de suas vidas simples, mas felizes. Esses pioneiros foram os primeiros a conhecer, respeitar e amar a Deusa em todas as suas formas. Os escritos datam da fundação da primeira vila ribeirinha ao norte do reino da Moldânia onde hoje é o reino de Conti, quando o primeiro altar dedicado a Deusa das águas, Ganis, foi erguido. O fato é que a fé e a devoção desses humildes pescadores foi crescendo junto com sua vila, artesanato, comércio. A medida que Ganis, como uma mãe zelosa, assumia a vida dessas pessoas e os ensinava a viver, os dias pareciam menos penosos, o corpo material mais satisfeito e as almas, mais iluminadas.

De fato devido ao inegável caráter Matriarcal dessa fé baseada na Deusa, as mulheres desde sempre foram as encarregadas por manterem os altares, bem como a condução das oferendas, agradecimentos e cultos. Normalmente todas as mulheres das vilas tinham esta incumbência, mas com o passar do tempo a mulher mais velha de cada vila passou a ter o cargo de “Portadora da Vontade”, guardiã da fé da deusa águas, o que lhe trazia prestígio e devoção. Com a evolução natural dos povos e das vilas que se multiplicaram sempre amparadas e alimentadas pelas águas de Ganis, aquilo que antes era simples, quase informal e restrito àquela pequena comunidade, tornou-se grande demais. A grandiosidade das procissões, oferendas, festejos, forçaram com que a estrutura hierárquica da fé na figura de suas sacerdotisas também se alterasse e crescesse. Com isso o grande templo de Ganis surgiu e a Sagrada Ordem de Ganis foi fundada sob a tutela matriarcal da Portadora da Vontade e anciã Liturga, onde hoje é a cidade de Muli, a capital do reino de Conti nos dias atuais. Assim, com as bênçãos de Ganis, a vila virou cidade, o altar virou templo, o templo virou Ordem, a Portadora da Vontade da vila se tornou a Sumo Sacerdotisa da Deusa.

Localização

A Ordem da grande Mãe é uma das poucas do mundo de Tagmar que possuem uma localização pública e conhecida por todos: o coração do recém criado reino de Conti no extremo norte da capital. O templo foi edificado bem de frente para o reino da Deusa, em cima de uma encosta que dá para o mar. A estrutura do templo é, em si, um espetáculo à parte, e todos aqueles que se propuserem a admirá-la terão a impressão de estar de frente para um pedaço do fundo do mar ali suspenso, em tons de azul, bem diferente da arquitetura tradicional dos povos dessas terras. Para aqueles que tiveram a dádiva de vislumbrar o salão principal de rituais, construído num recuo subterrâneo do Templo, há a visão magnífica do teto em forma de clarabóia invertida, totalmente constituído por cristais brutos. Por transparência destes cristais é possível ver a silhueta de várias criaturas marinhas. Aqueles mais antigos dizem que os Sacerdotes que fizeram as plantas de construção foram inspirados diretamente pela própria Deusa. Esta seria, caso verdadeira, uma explicação para a arquitetura exótica da mesma.

Apesar de o reino ainda ser pequeno e pouco desenvolvido, todas as vilas de Conti possuem ao menos um altar em homenagem a Deusa Mãe do reino, onde a fé é passada no melhor estilo de Mãe para filha. A influência da Ordem tem crescido bastante principalmente nos “outros” reinos que devem agradecimentos a Ganis e que vivem de suas bênçãos. A Ordem está mais do que nunca em sua história enviando sacerdotisas e até sacerdotes (fato recente para a Ordem) para os templos espalhados ao longo do mundo, onde essas vão levar as bênçãos, o conforto, o aconchego e as palavras de Ganis.

Esta localização pública da ordem teve conseqüência desastrosa durante a guerra contra seita, e a belíssima construção foi praticamente destruída quando da invasão bandki na região. Foram necessários quase 50 anos para que a lindíssima Catedral dos Mares fosse reconstruída, que coincidente mente marca o fim do império da Moldania e o surgimento de Calco e Conti.

Muitas outras congregações já foram formadas em outros lugares de Tagmar. Estas respondem diretamente a sede da Ordem, mas gozam de relativa independência para a maior parte das suas ações, como por exemplo, a ordenação de novos membros. No entanto não se deve confundir as congregações da Ordem com os demais templos de Ganis. As Ordens não são muitas e se encontram normalmente apenas nas capitais dos reinos mais dependentes do comércio marítimo e em Saravossa, onde todas as ordens mantêm uma congregação.

Símbolo

O símbolo da Ordem é o de uma magnífica figura feminina metade mulher metade peixe, amamentando um recém nascido delicadamente acomodado em seus aconchegantes braços. O símbolo da Ordem não poderia ser mais explícito quanto à forma que esses Sacerdotes enxergam sua Deusa, pode vir a existir algumas pequenas variações desse símbolo dependendo da raça em questão que está exercendo a fé na Deusa.

Objetivo

O objetivo da Ordem da grande Mãe não é diferente das outras, e dedicas-se a levar a palavra de Ganis e espalhar a fé na Deusa ao longo das terras de Tagmar. O grande diferencial é como isso é feito, na qual ela busca levar ajuda aos necessitados por prezarem a vida e a paz, e esta por levar o aconchego materno aos filhos mais necessitados. Estes ideais se parecem um pouco com a Ordem de Selimom, mas a guerra não é temida quando os domínios da Deusa são invadidos. A ordem tem se espalhado em locais ligados ao mar, rios ou lagos, pois é muito mais fácil levar a palavra da Deusa ao coração dos futuros fiéis e fixar um representante dessa fé para aqueles que vivem a Deusa em seu cotidiano. Mas em verdade todos os povos não poderiam sobreviver sem este contato com as águas. Logo, a Deusa é comumente lembrada nas grandes cidades em pequenas homenagens nos poços. Portanto o objetivo maior da Ordem talvez seja conscientizar a todas as raças quanto ao dom da vida e a nutrição da mesma concedida por Ganis, e que todos nós devemos a Ela nosso amor, agradecimento e devoção.

Relatos recentes chegados a sede da Ordem em Conti relatam a existência de uma possível Ordem de Ganis fundada em Porto Livre, onde os Portinenses (inimigos declarados de Conti) adorariam uma faceta um tanto mais violenta da Deusa das Águas, funcionando então como uma Ordem Militar Náutica com objetivo de formar grandes combatentes marítimos. Aparentemente essa Ordem seria controlada por homens e não por mulheres. Os boatos relatam que essa segunda Ordem seria simbolizada por uma sereia de olhar furioso e dentes pontudos, segurando um tridente em uma das mãos.

As Filhas e Filhos de Ganis

Devido à herança cultural do início do culto a Deusa, a Ordem de Ganis é composta quase que totalmente de Sacerdotisas. No entanto, a presença masculina começou a se fazer significativamente representativa nos últimos tempos. Este fato tem agradado a alguns, mas têm desagradado as mais tradicionalistas. Esse “movimento” masculino acabou por alterar o nome original com que os devotos se referiam de “As Filhas de Ganis” para “As Filhas e Filhos de Ganis”.

Etnicamente a Ordem também é composta em sua grande maioria por representantes do antigo reino da Moldânia, mas esse fato também vem se alterando nos tempos atuais. Por natureza, as Filhas e Filhos de Ganis normalmente são pessoas calmas, serenas e benevolentes sempre dispostas a ajudar e a se compadecer do sofrimento alheio, mas que a exemplo da Deusa podem assumir uma postura extremamente firme e até colérica dependendo da ocasião ou do que estiver em jogo. Todos os seus pertences, de armas a vestimenta, tem como única restrição resistirem e se comportarem de maneira ágil na água. Os mantos e jóias fabricados pela ordem são, por definição, peças feitas para respeitar essa necessidade, mas dificilmente estes sacerdotes encontrarão armaduras que possam sê-lo. Quanto às armas, são preferidas as armas pequenas e leves como punhais, ou longas e retas, como lanças ou tridentes.

Peculiaridades

As Filhas e Filhos de Ganis vestem belíssimas túnicas que variam de um azul bem claro (piscina) para as mulheres, até um azul bem forte (marinho) para os homens. Esses se utilizam de belíssimas jóias e adornos, normalmente de gosto mais delicado e discreto, ouro, pérolas e pedras preciosas aparentemente são os preferidos, tal como anéis, brincos, colares e braceletes de braço e pulso. Todo tipo de adorno proveniente das águas é sempre bem vindo, sendo os mais comuns corais, ouro fluvial, pérolas e, para as facções mais masculinas, presas de animais marinhos. As mulheres trazem ao pescoço belíssimos e delicadíssimos cordões de ouro com o pingente também de ouro do símbolo da Ordem, mas a preferência entre os homens parece ser o bom e velho grande medalhão que varia de material de acordo com as possibilidades do Sacerdote. Ao ingressar na Ordem as mulheres ganham o referido cordão e os homens um medalhão de ferro. A hierarquia dentro da Ordem é feita através das tiaras tanto para os homens quanto para as mulheres, e a Sumo Sacerdotisa (nunca houve um Sumo Sacerdote) carrega sempre a mão um magnífico cetro símbolo de sua autoridade e responsabilidade como a Portadora da Vontade na confraria.

Votos específicos

Amarás e respeitarás a Deusa das Águas e seu reino: Seu reino e suas criaturas são vistos como súditos de sua Mãe. Não que eles não se alimentem de organismos aquáticos, muito pelo contrário. Há uma preferência, pois entendem que estes são vindos diretamente da Deusa. Porém fazem uso destes com extremo respeito e devoção. Uma pesca predatória, por exemplo, seria certamente considerada uma grande afronta.

Acolherás todos aqueles que buscarem aconchego da Deusa: As Sacerdotisas de Ganis são conhecidas por sua postura maternal de amparo e ajuda para os necessitados que buscam socorro e refúgio das agruras da vida nos Templos da Deusa. No entanto, como ocorre com os organismos aquáticos, é comum que a Deusa ensine aos acólitos o momento certo de aproveitar a liberdade e deter o poder para explorar o mundo. Neste momento, os seguidores deixam a postura de filhos, nutridos e protegidos, e assumem a postura de acolhedores e nutrientes.

Reconhecerás como teus inimigos todos aqueles que afrontarem a Deusa ou seu reino: Com a chegada do reforço masculino, essa faceta da Ordem está ganhando mais e mais força. A pregação, que outrora fora baseada exclusivamente nas virtudes da Deusa, agora se tornara mais ativa, principalmente depois da criação por parte da ordem de várias galeras e navios de guerra. Aqueles mais inclinados a essa realidade marcial justificam a iniciante guinada da atuação da Ordem pela ameaça vinda de Portis e Porto Livre e a necessidade iminente de uma estratégia de defesa da Ordem.

Protegeis o que há de mais secreto e valioso, cedendo apenas àqueles merecedores: Tal como o mar, misteriosos são as Filhas e Filhos de Ganis. Muitos são repositórios de conhecimentos praticamente esquecidos e tesouros lendários. A comparação segue no que concerne a quem será merecedor destes prêmios. Os acólitos desta ordem nunca retém estes conhecimentos para uso próprio, mas se colocam no papel de guardiões e juízes, na seleção dos merecedores de tais fabulosos prêmios.

Estrutura

Vide estrutura das Ordens Clericais, mas caso os Sacerdotes comecem a ganhar muita força dentro da Ordem pode haver um cisma de gênero e a criação de uma estrutura Militar por parte destes. Alguns defendem que essa mudança radical talvez seja uma vontade da Deusa. A líder espiritual da ordem é chamada de a “A Portadora da Vontade”, mas começam a surgir idéias sobre o futuro surgimento de um “Almirante”.

Líder em atividade

A atual Portadora da Vontade, por mais incrível que possa parecer, é uma belíssima jovem de pouco mais de vinte anos de idade de nome Misandra, que subiu ao posto há apenas três anos. O caráter inédito dessa nomeação aparentemente veio de uma intervenção da Deusa na figura de suas videntes, para anunciar que seria Misandra que deveria suceder a recém falecida Portadora Ilsa. Misandra sucedeu a uma tradicionalista ferrenha que regeu a Ordem por longos 40 anos. Os reais motivos da Deusa por trás dessa intervenção permanecem um mistério, sendo alvo das mais acaloradas discussões por parte das Sacerdotisas mais velhas. O certo é que os Sacerdotes vêem esta renovação com muito bons olhos na tentativa de se conseguir apoio para mudar algumas tradições mais antigas.

Juramento

Uma peculiaridade da Ordem é não ter um juramento, mas sim um “rito de passagem”. Este rito é feito através de uma belíssima cerimônia de “renascimento”. A pessoa candidata se apresenta na Ordem e seu pedido é levado a Portadora da Vontade da Deusa, que solicita a intervenção das videntes. Estas, por sua vez, consultam as águas do “Lago Sagrado da Deusa” onde estas verificam a resolução da Deusa sobre o pedido de admissão. Caso esta seja negativa, o indivíduo rejeitado é informado e nunca mais poderá solicitar admissão, mas caso seja positiva segue o encaminhamento à um período de purificação de um ciclo lunar. Neste período ele deve-se isolar de todo o contato externo (em uma ilha, por exemplo) e se manter em sintonia com a Deusa, alimentando-se apenas de frutas e gêneros marinhos. Ao fim desse ciclo é checada novamente a vontade da Deusa por intermédio das videntes. Algumas vezes pode ocorrer a necessidade de mais tempo no período de purificação, mas caso esteja tudo bem, é marcada a data da cerimônia onde a pessoa aceita, é banhada em água perfumada, vestida ritualisticamente com um imaculado robe branco e encaminhada ao “Lago Sagrado da Deusa”, onde a Portadora da Vontade abençoa o membro recém chegado proferindo cânticos ritualísticos. Enquanto a Portadora da Vontade prefere o ritual, as outras Sacerdotisas e Sacerdotes entoam cânticos sagrados e queimam incensos aromáticos. Ao fim da cerimônia, a pessoa detém total compreensão do dom dado pela Deusa através de seu nascimento, e é reconhecida como capaz de passar esta iluminação adiante. Recebe então seu manto de Filha ou Filho da Deusa (agora azul), passando a ser reconhecida entre seus pares.

Saudação

A saudação da Ordem é feita dando-se um beijo na testa de quem se deseja cumprimentar (saudação muito utilizada pelas Sacerdotisas) e proferindo as palavras: “Que a Deusa te guarde em teu seio”.

Relíquias

As histórias a cerca dos itens mágicos possuídos pela Ordem são inúmeros e os mais variados possíveis, principalmente no que tange a itens de curas e conforto espiritual. Porém contam as lendas que a Ordem possui o conhecimento de magias muito antigas que permitem que seus beneficiários respirem debaixo d´agua por horas, ou até mesmo dias. Há muitos boatos sobre imensos tesouros. Um destes boatos conta sobre uma série de objetos mágicos que receberam o nome de Cajados dos Mares. O que eles fazem exatamente ninguém sabe. Outro boato fala que a Ordem possui mapas muito antigos que revela a existência e a localização de cidades submersas da época do cataclismo.

Verbetes que fazem referência

Livro das Ordens Sacerdotais

Verbetes relacionados

Ordem de Blator | Ordem de Cambu | Ordem de Crezir | Ordem de Crisagom | Ordem de Cruine | Ordem de Ganis | Ordem de Lena | Ordem de Maira | Ordem de Palier | Ordem de Parom | Ordem de Plandes | Ordem de Selimom | Ordem de Sevides, Liris E Quiris | Introdução | Prólogo | Epílogo | Créditos
LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.