Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
O Cálice .  

Esta página contém material oriundo dos livros oficiais e não pode ser editada

Por Thiago Gomes da Silva


Cidade de Caliana, Reino de Marana, Outono de 1500 D.C.



É entardecer na cidade que faz fronteira com a Floresta de Fiorna. Logo após encontra-se o Reino de Luna assolado pela peste. Faz um pouco de frio em Caliana. Venta muito, a cidade fica silenciosa e indiferente. Ela está com um aspecto dourado devido ao baixar do Sol, decorada com um verdadeiro tapete de folhas-secas num tom amarelo-alaranjado. Caliana sabe que o inverno virá em breve, os pinheiros de Fiorna estão anunciando isso, a maioria está perdendo já as últimas folhas. Maira Vet sopra o fim do Outono.

Mas o silêncio da cidade não é unânime. Na casa do Mestre Armeiro Balder, há muita inquietação: na cama, Letícia, sua mulher, envolta em lençóis, geme, sem parar, de dor e febre, deixando-o muito preocupado. Do lado de fora do quarto a porta é aberta e ele vai em direção ao homem que a examinava, perguntando ansiosamente:

— E então, ela vai ficar boa não é? Eu sei que vai, ela é muito forte...

O homem é Algamir, um mago. Ele responde com a mão direita no queixo:

— Meu velho amigo, tente se acalmar. Infelizmente devido a forte febre, as manchas pelo corpo e as bolhas, ela realmente está com a peste.

Balder sente uma faísca de desespero percorrer-lhe o peito, é como se ele já soubesse disso, mas precisava escutar a confirmação de uma mente sábia. Então ele diz confiante para Algamir:

— Eu temia sua resposta, mas ela já era aguardada, por isso tomei a liberdade de convocar nossos antigos companheiros. Estou aguardando-os ainda essa noite.

Algamir, com um simples olhar, concorda, e pensa sobre o reencontro da Espada Celestial.

Anoitece, a temperatura baixa mais ainda. Balder, juntamente com Algamir, recebe seu antigo grupo de aventuras com um olhar pesado e triste. O primeiro a chegar veio das vizinhanças; da floresta de pinheiros de Fiorna. Ele é Elryn, um Rastreador elfo florestal, que porta o Arco do Longo Alcance. Essa arma mágica, como o próprio nome diz, é capaz de lançar flechas até o limite da visão do portador, e atinge o alvo com o mesmo impacto de um disparo à distância normal. Essa propriedade somado com os sentidos bastante aguçados de Elryn o tornam um Rastreador temível em batalhas.

Logo após, Justine, uma sacerdotisa de Selimom, o Deus da paz e do amor. Ela veio de Magiara, cidade ao norte, referência em tratamentos médicos de toda Tagmar. Justine sempre foi muito dedicada a sua fé, mas durante o convívio em aventuras por anos com Balder, aos poucos foi apresentada a sentimentos desconhecidos e proibidos para pessoas que exercem o sacerdócio. Ela teve de deixar a Espada Celestial na tentativa de enterrar esses sentimentos, indo ajudar os doentes em Magiara para seguir sua vocação.

Todos estão comovidos com o estado de Letícia. Os dois fizeram uma breve visita a ela e deixaram palavras de esperança. Em seguida, foram conversar próximos à calorosa lareira. Lá, Balder, com os olhos marejados, prepara no fogo um delicioso cozido com carne de cervo e legumes. No meio do fúnebre silêncio Balder começa o discurso:

— Há cinco anos não nos vemos. Gostaria que nosso reencontro fosse de outra forma, mas como vocês viram, minha amada Letícia está com a peste. Eu os reuni essa noite, em nome de nossa antiga amizade, para decidirmos como ajudá-la: vocês estão comigo?

Um “sim” unânime é ouvido. Justine olha para Balder e timidamente diz:

— Em Magiara há outros doentes. Mas lá, graças a Selimom, conseguimos prolongar e ajudar a vida dos portadores da peste, mas ainda não conseguimos curá-los. Se você quiser será um prazer cuidarmos de Letícia. Como ela contraiu a doença?

Balder aceita o convite de Justine e explica:

— Letícia é natural de Luna. Sua família morreu com a peste e apenas ela escapou. Todos os anos ela visita o túmulo de seus pais, e todos os anos eu brigo com ela por isso. Digo que é muito perigoso, mas ela nunca me entende. Mas dessa última vez, há semanas atrás, ela me falou que encontrou lá uma criança, que estava faminta, e que também tinha vindo visitar o túmulo de sua família. Comovida, Letícia resolveu dividir com ela suas provisões. Depois de dias ela começou a se sentir mal.

Elryn, atento aos fatos, diz:

— Sei que Algamir têm pesquisado muito sobre essa doença, talvez ele possa nos dizer mais sobre a peste.

Algamir sente-se instigado de certa forma pelo elfo, e diz:

— Realmente andei estudando muito sobre a peste, pesquisei na memorável biblioteca de Saravossa e comecei a desconfiar que deve existir algum de tipo de “disseminador” da doença. Cães, gatos, ratos, não sei muito bem ao certo...

Ele é interrompido por Justine que diz:

— Está tirando conclusões erradas, mago. Sei de pessoas que morreram com a peste porque decidiram roubar objetos de valor na cidade fantasma de Varteli. Isso só pode ser um castigo dos deuses, a não ser que queira incluir quadros e prataria na sua lista de disseminadores.

Balder sente a necessidade de apaziguar os dois e fala:

— Castigo dos deuses ou não, eu não quero perder minha esposa. Vocês concordaram em me ajudar nisso. Vamos escutar Elryn, ele traz uma importante notícia.

Algamir ainda resmunga alguma coisa como: “é impossível manter um diálogo racional com sacerdotes...”, e Elryn explica:

— Ouvi rumores de que há sobreviventes em Dariati. Um grupo de pessoas que não estão doentes, o que é possível graças a um cálice miraculoso.

Balder completa:

— Então foi por isso que eu os reuni. Gostaria que todos fossemos à Dariati investigar isso, e caso seja verdade, poderemos curar Letícia e outras pessoas.

Após algumas horas de conversa a Espada Celestial decide seguir viagem pela manhã. O nome, Espada Celestial, é por causa da arma que Balder possui. É uma herança de família. Ela foi forjada pelos anões há mais de 120 anos, com um estranho tipo de minério levemente azulado que veio de céu. Ela é uma espada longa, extremamente resistente e de uma leveza sem igual. Algamir estudou um pouco sobre ela e concluiu: “Ao entrar no céu, meteoritos atingem altíssimas temperaturas e, quando colidem com o chão, há fortes pressões agindo. Tudo isso favoreceu uma estranha mistura de minérios contidos no meteorito, resultando num tipo único de material”. A família de Balder teve sorte em possuir esse objeto produzido pelo mero acaso.

Ao amanhecer eles partem com seus respectivos equipamentos: armaduras, espada, flechas, símbolos sagrados e tomos de magia.

A viagem completa até Dariati durou três dias. Nesse período nada de importante aconteceu. Pelo caminho eles encontraram algumas pequenas comunidades abandonadas e nenhuma alma viva seguindo em direção ao reino de Luna.

A Espada Celestial chega em Dariati à noite. Todos ficam um pouco nervosos: a cidade está totalmente desabitada. A escuridão só é vencida graças a uma luz que emana do cetro de Justine. O cheiro de morte é muito forte e embrulha o estômago. Há alguns corpos cheios de manchas negras e bolhas pelas axilas e entre as pernas. Cadáveres de homens, mulheres, crianças, velhos e até mesmo animais. Todos abandonados pelos restos das casas, mostrando o horror de uma morte sofrida e dolorosa estampado no rosto. As pedras que cobrem o chão estão muito desgastadas e a grama cresce até a altura de um homem. As paredes das construções estão em ruínas. Muitos estabelecimentos nem possuem mais o telhado. Pelas ruas há muitos utensílios e móveis velhos, provavelmente os ladrões têm visitado Dariati frequentemente.

Ao ver tudo isso Balder lembra-se de Letícia e um desespero faz gelar sua alma. Justine parece perceber isso e aproxima-se dele tentando tranqüilizá-lo. Elryn, o Rastreador, como de costume, segue à frente. A escuridão não lhe atrapalha tanto assim. Ao longe ele vê algo e rapidamente retorna para convocar o grupo. Todos o acompanham e ficam perplexos com o que estão vendo: é uma construção bem conservada, um templo. Justine rapidamente reconhece o símbolo da divindade e avisa que se trata de um templo de Palier, o Deus do conhecimento e da magia. A Espada Celestial aproxima-se do templo, menos Algamir que, desconfiado, segura um pequeno cristal transparente e concentra-se numa magia. Aos poucos ele vai ficando translúcido até ficar invisível por completo.

Na porta do templo Elryn avisa que está escutando passos aproximando-se. Rapidamente o grupo se prepara para não ser surpreendido. A porta de madeira pesada começa a se abrir lentamente, e um homem de meia-idade, segurando uma vela e vestindo roupas sacerdotais, é visto por todos. Ele diz:

— Sejam bem-vindos à Casa do Conhecimento. Palier abençoe a todos aqueles que vêm em paz e que não queiram roubar, nem profanar os mortos.

Desconfiados todos olham para Justine, que usa seus poderes divinos. Ela fecha os olhos rezando silenciosamente na tentativa de detectar maldades naquela pessoa. Ela afirma que não consegue sentir más intenções no homem. Balder toma a iniciativa e fala:

— Somos a Espada Celestial, não somos profanadores de cadáveres. Viemos aqui porque escutamos notícias de que nessa cidade havia um grupo de pessoas sobreviventes da peste e então queríamos saber como isso era possível. E a propósito, quem é você?

O homem responde:

— Meu nome é Bartolomeu. Sou o mestre do templo de Palier em Dariati, e apenas a fé em Palier conseguiu nos manter vivos. Ele nos agraciou com um Cálice Sagrado capaz de curar a peste.

Balder sente-se mais esperançoso: talvez a cura para Letícia esteja ao seu alcance esta noite. Porém, fica muito desconfiado, mesmo depois da detecção de Justine.

O homem lança o convite para que todos entrem. Muito atentos eles aceitam. Dentro do templo eles conversam muito com Bartolomeu e vêem doze sacerdotes. Bartolomeu segue pelos corredores explicando:

— Os anos de peste tinham sido difíceis. Pouco a pouco todos nós estávamos contaminados. Mesmo assim nunca desistimos de nossa fé, e quanto mais piorávamos, mais rezávamos para Palier. Até que depois de muitas orações, numa determinada noite Ele me enviou um sonho sagrado, no qual me concedeu o dom de abençoar um cálice para curar a todos nós. Mas Palier advertiu que futuramente outros viriam em busca do Cálice e que nesse dia em diante eu saberia que minha missão era espalhar a cura da peste por toda Tagmar.

Elryn escuta a história e pergunta:

— Mas se a cura para peste estava aqui esse tempo todo, então por que vocês não decidiram espalhá-la por toda Tagmar?

Bartolomeu responde:

— É porque foi assim que Palier me disse. Os Caminhos Dele são complexos demais para nós, meros mortais, entendermos. Ele, em toda sua sabedoria, deve ter um plano divino para isso, por isso vocês estão aqui, não é guerreiro?

Bartolomeu diz isso olhando para Balder, que cada vez mais se mostra interessado nessa história de cura para peste. A esperança está acesa em Balder, seus olhos não mentem, e ele diz:

— Se Palier designou que nós iríamos espalhar a cura da peste em Tagmar, então devemos aceitar essa missão sagrada. Primeiro ajudaremos Letícia e em seguida os outros.

Justine segura o elfo pelo braço delicadamente e cochicha:

— O que será que está havendo com Balder? Ele sempre foi cauteloso e tolerante, mas agora parece ansioso demais para utilizar o Cálice. Isso pode ser muito arriscado. Onde estará Algamir, aquele mago covarde?

Elryn responde no mesmo tom:

— Acalme-se. Foi você mesma quem disse que não havia sentido maldade no homem. Balder está desse jeito por causa de Letícia, ele quer salvá-la a todo custo e Algamir deve estar se escondendo em algum lugar, mas tenho certeza de que ele nos ajudará se preciso.

Todos percebem como o lugar está impecável: corredores bem varridos, móveis bem cuidados, prataria e utensílios metálicos refletindo à luz de tochas. Eles estão no fim do corredor principal que dá acesso à nave do templo, lá eles vêem um altar com pinturas douradas. Próximo ao altar existe uma mesa e no centro um cálice de ouro adornado com pedras preciosas vermelhas que chama atenção de todos. Justine sente-se angustiada na presença do objeto. É como se o cálice a incomodasse.

Bartolomeu e os outros sacerdotes seguem em direção à mesa e fazem uma reverência ao altar de Palier e outra ao Cálice. Bartolomeu diz alto:

— Esta noite termina o flagelo de Tagmar, pois vocês irão curar os pestilentos. Onde antes havia dor, vocês levarão alívio; onde antes havia sofrimento, vocês levarão conforto. Espero que todos estejam cientes do compromisso sagrado e do peso da responsabilidade que terão de agora em diante. Se todos aceitam isso, então eu, Bartolomeu, mestre do templo de Palier em Dariati, entrego a você, Balder, líder da Espada Celestial, o Cálice Sagrado de Palier.

Balder segue para o altar. Ele está muito convicto disso, afinal, toda essa cidade está morta e se existe algum tipo de vida aqui só pode ser obra de um milagre. Além de mais Justine já havia dito que não existiam maldades em Bartolomeu.

Na esperança de curar Letícia, Balder aproxima-se da mesa. Algamir surge diante de seus olhos, gritando:

— O que pensa que está fazendo?! Está louco?! Tudo isso é uma farsa! Você não consegue perceber isso?! Ele não é Bartolomeu! Não existia templo algum de Palier em Dariati! Ele deve ser um demônio tentando nos enganar!

Bartolomeu desloca-se e rapidamente arremessa Algamir com apenas um dos braços, dizendo com um sorriso cínico no rosto:

— Ele desconfia disso, mas está cego. Ele quer levar este cálice porque quer tentar curar sua amada de todo jeito. Não importa o que vocês façam, não conseguirão impedi-lo. Venha Balder, venha. Esta é a cura que você tanto almeja. Venha, sua Letícia não pode mais esperar, pois a dor é muito grande.

Ao ver isso, Elryn começa a disparar flechas rapidamente, mas os outros sacerdotes protegem Bartolomeu. As flechas transpassam os alvos. Justine tenta impedir Balder, mas ela não está conseguindo. Ele parece estar num estado hipnótico. Apenas anda e repete o nome de Letícia. No chão, Algamir vira-se furiosamente em direção a Bartolomeu pronunciando palavras de poder em voz baixa. Em sua mão esquerda uma chama ondulante surge e em seus olhos o brilho frenético de quem canaliza uma grande quantidade de Karma. Ele diz:

— Mostrem seus verdadeiros rostos, criaturas imundas, e queimem todos no fogo da minha ira!

Com os punhos cerrados e os olhos incandescentes, Algamir sonda toda a nave da igreja e a cada inimigo que ele lança o olhar, as chamas surgem instantaneamente tomando o corpo por inteiro. No chão todos se contorcem em chamas, menos Bartolomeu, que continua de pé em meio ao fogo.

As chamas clareiam todo o templo: as paredes, os móveis, juntamente com os corpos dos outros sacerdotes começam a virar pó e somem no ar. Parece que as ilusões estão se desintegrando, menos o cálice. Toda igreja está com um aspecto velho e abandonado agora. Justine abraçava Balder na tentativa desnecessária de protegê-lo do fogo, que nada fez ao grupo.

Elryn prepara mais flechas, vendo que as chamas nada fizeram a Bartolomeu. Este parece bem diferente agora. Ele cheira a enxofre, possui olhos verdes brilhosos e uma espécie de couro cobrindo todo corpo. Além de presas, garras, chifres e um par de asas. A criatura meio humanóide solta um urro assustador e arqueia suas asas alçando vôo. Lá de cima ela parece escolher um alvo e inicia sua investida.

Balder parece ter saído do estado hipnótico e percebe que as coisas em sua volta não estão muito boas. Ele empunha sua espada e prepara-se para o ataque da criatura juntamente com Algamir.

Balder lamenta por ter caído no controle da criatura e vê Elryn disparar e acertar rapidamente oito flechas nela. Uma atrás da outra, porém o demônio vem de encontro a ele. Elryn tenta desviar, mas é tarde demais e é atingindo. Com o impacto, Elryn foi arrastado no chão, derrubando paredes velhas e escombros. Justine corre em direção ao Rastreador para curá-lo e vê as marcas de sangue num rastro que se estende por 6 metros, mas ela é surpreendida pela criatura, com uma combinação de fortes ataques com as garras. Ela tenta se desviar, mas a criatura é muito rápida e atinge violentamente seu abdômen sucessivas vezes. Justine tomba sangrando muito.

Balder prepara sua espada. Ele pensa em Letícia e vê Justine quase morta no chão e investe com fúria numa seqüência de golpes contra a criatura. O demônio desvia-se dos primeiros, mas é atingido por outros, recebendo profundos ferimentos.

A criatura urra de dor, seu sangue brilhoso e negro espirra em todas as direções e atinge a armadura de Balder, que começa a derreter em alguns pontos. A dor é causticante e insuportável, fazendo Balder perder a atenção. O demônio aproveita-se disso e o imobiliza facilmente. Algamir, que já se preparava para lançar outra magia, desiste com medo de ferir o amigo.

A criatura está prestes a matar Balder, mas percebe que Justine ainda consegue rastejar em direção ao Cálice. Ela quer usar sua Aura Sagrada para tentar destruir esse item profano. O ser malígno sente-se ameaçado. Cada metro que ela rasteja em direção ao Cálice faz com que ele sinta o medo da destruição. Vendo isso ele grita numa voz inumana:

— Esperem! Se ela tocar no Cálice será destruída juntamente com o item! Balder jamais irá conseguir curar sua mulher!

Balder escuta isso. Por um instante ele pára de tentar se libertar da imobilização e da dor causada pelo contato com os fluídos demoníacos. Então ele grita:

- Algamir! Lance sua mais poderosa magia! Sei que não vou resistir, mas destrua essa coisa! Salve Letícia!

Algamir sente um pouco de receio, pois não quer perder o amigo, mas por outro lado ele não quer morrer, já que ele está muito cansado. Sem perder muito tempo, o mago reúne todo o Karma restante e um pouco de sua energia vital. Ele começa sangrar levemente pelo nariz e olhos em sacrifício a essa poderosa magia. No local onde está a criatura e Balder, tudo começa a virar pó lentamente à medida que o vento sopra. A criatura percebe isso e grita:

— Você é louco, isso vai nos destruir!

Justine desesperada com a possibilidade de nunca mais ver Balder, decide segurar o Cálice, rezando para que Selimom aceite seu sacrifício. Lentamente ela vai perdendo a consciência e vê diferentes lembranças de sua vida, desde sua ordenação como sacerdotisa até o dia em que conheceu Balder e os outros. Ela desaparece em meio a uma forte luz ofuscante que se forma. No meio da luz um urro de dor e desespero da criatura pode ser ouvido por quase todo reino de Luna.

Ao terminar o clarão, Balder chora por Justine. E vai em direção a Algamir que se encontra muito debilitado. Ele ergue o mago que diz:

— Jamais me peça para fazer isso novamente. Não tenho direito de decidir entre minha vida ou a de um amigo.

Elryn também começa a erguer-se com muita dificuldade entre os escombros. Ele percebe o que está acontecendo, ignora a dor e vai na direção de seus companheiros. Elryn esteve atento a tudo e também lamenta a perda de Justine. Ao se aproximar de Balder ele tenta confortar o amigo que parece carregar todo o fardo da morte de Justine. Algamir vê isso e trata logo de explicar tudo:

— Se vocês estão tristes porque Justine morreu, devo avisar-lhes que a transportei a tempo. Quem ficou em seu lugar foi a criatura, que foi desintegrada imediatamente junto com aquela luz forte. Ela está bem ai atrás de você Balder, sob esses escombros.

Aliviados, eles ajudam Justine com os ferimentos e decidem retornar a Caliana. No meio do caminho Algamir explica que suspeitava de que Bartolomeu na verdade era Baltazar, um demônio servo de Morrigalti, príncipe demoníaco derrotado há cem anos atrás em Âmiem, lar dos elfos dourados. Mas precisava confirmar isso. Baltazar provavelmente infectou Letícia. Ele devia estar preparando planos para o retorno dos demônios Bankdis e que o Cálice deveria ser muito importante para os demônios. Mas aquele objeto não poderia curar a doença de ninguém.

A Espada Celestial está novamente reunida e dessa vez o objetivo deles é procurar a cura para Letícia e os outros doentes, além da obrigação de tomar providências contra o retorno dos Bankdis. Que tipo de aventuras Tagmar reservará para eles?

Verbetes que fazem referência

Crônicas de Tagmar-volume 1

Verbetes relacionados

Uma Noite Para Ser Esquecida | Arnach Ronam Baromir | O Cálice | Dírtam | O Amaldiçoado Servo de Cruine | Canção dos sapos | O Príncipe do Gelo | O Anel do Golem de Ferro | Créditos
LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.