Bem-vindo Convidado Pesquisar | Atividades no Fórum | Entrar | Registrar

Responder...
Livro - A Seita - Hierarquia Opções
#1 Marcelo_Rodrigues Enviado : 26/06/21 18:44
Este tópico é para discutir a hierarquia da A Seita.
#2 Flores Enviado : 27/06/21 16:55
Zetagmar,

Dolmei
→ Se ele de certa forma faz parte mesmo não sendo iniciado, encontra-se em posse de algum artefato mágico em nome da Seita?
→ Vínculo. E seu poder "Artificial" ilusório.

Sunrramas, Sind At’Aljarur, Bashadam
→ Este seria o demonista, correto? Poucos, porém poderosos.

Nivelamento
→ Seria interessante que estivessem com poderes de 1 à 6 estágios mais fortes que o mesmo personagem não seita. Dentre 7 ou 8 seria um demonista e acima, príncipes infernais (poderes excedentes). Pense nisso para o nivelamento dos cargos.

Talvez a ficha possa ser apresentada em excedencia de poderes, evitando assim que se crie uma infinidade de fichas, reaproveitando assim todo o material existente. Somente o extra. Personagem existente + diferença do cargo/poder seita.
→ Soldado → Espião → Clérigo

Iaxi ou Ianda
→ +1 em diferença de poder em estágio (Similar ao apresentado na Habilidade de Arauto Estágio 1)
#3 zetagmar Enviado : 27/06/21 23:39
Flores,

nesta etapa da hierarquia o que foi feito foi somente uma divisão e apresentando o que seria verdadeiramente a Seita por dentro.
O que se vê , ou melhor, o que seria "o garoto propaganda" da Seita é o que o Marcelo tem apresentado, um demonista que é uma mistura de mago com habilidades de guerreiro ou poderia ser um guerreiro com capacidade de fazer magia?

Só que a Seita, cerca de 90% dela, não é composta por este tipo de "profissão", o demonista clássico apresentado.
A Seita é fundada em 1140 d.c. e só veio a ser "desfeita" em 1405 se considerar que os efeitos mágicos da Pedra Negra cessam.
Isso dá 265 anos de existência do Império Bankdi, que tem a Seita como o alicerce não somente do poder, mas a base para o controle das regiões dominadas.

Ainda falta algumas observações a serem feitas, mas deixando claro que durante o período de dominação de diversos reinos, centenas acabaram por aderir a Seita como religião oficial, e a religião dos deuses tornou-se clandestina. Pessoas que colaboraram por acreditar e lucrar com a situação, outros por serem enganados ou buscarem uma vida melhor.

O que resumidamente, grande parte da Seita não é composta por indivíduos com algum tipo de poder demoníaco, mas pessoas normais que formavam as grandes fileiras. Lembrar que o texto original fala de intriga e planos que permitiram os opositores dos Bankdi serem subjugados pela estratégia ou influência.

Tento passar está informação na página "História da Seita". Acredito que fique claro no item quando faz referência dos descendentes de Alevos, apresenta as datas de alguns dos acontecimentos importantes da Seita e abre caminho para a informação da Seita nos "dias atuais".


#4 Flores Enviado : 28/06/21 12:32
100%
#5 Nironde Enviado : 28/06/21 15:18
Observação
Não tem título e nome para quem tenha vivido por centenas de anos?

O que adianta ter dinheiro e poder se não puder aproveitar?

Isso não é mencionado como foco. Como também poderia ser melhor explorado com propósito a atraí adeptos a Seita.
Não tá claro, o que leva a crê que a Seita é falida...
Sem nada a oferecer... Ou muito pouco a oferecer

Alguém tá com a mesma visão ou ponto de vista? Com relação a Seita.
#6 Flores Enviado : 29/06/21 00:35
Nironde,

Desde o lançamento do Tagmar 1 os meios de interação evoluíram, pode-se evoluir o RPG.

Antigamente era possível recortar a última página do livro, enviar por correio para a GSA e receber uma aventura pronta. Outro caminho era a aquisição de revistas especializadas. Posso estar enganado, contudo acredito que o Tagmar esteja pronto para o próximo passo. E com tal, resposta para seu questionamento.

Nós somos kurumins revolucionários, mas dependemos dos caciques e pajés.
#7 zetagmar Enviado : 29/06/21 19:45
Nironde escreveu:
Observação
Não tem título e nome para quem tenha vivido por centenas de anos?

O que adianta ter dinheiro e poder se não puder aproveitar?

Isso não é mencionado como foco. Como também poderia ser melhor explorado com propósito a atraí adeptos a Seita.
Não tá claro, o que leva a crê que a Seita é falida...
Sem nada a oferecer... Ou muito pouco a oferecer

Alguém tá com a mesma visão ou ponto de vista? Com relação a Seita.


Confesso que não entendi direito o comentário e me perdoe se não foi isso que quis dizer.
Vamos então as colocações.
A afirmação que fiz no texto anterior faz referência ao material que está sendo desenvolvido no item "História".
A minha colocação foi que a história da Seita não é muito clara e estamos desenvolvendo ela. Sorte ou azar, estava estudando sobre transcorrer da segunda grande guerra e uma das coisas que me deixou animado foi a possibilidade de entender e usar algumas coisas para este material.
Fazendo um paralelo com o Nazismo (desculpe pelo clichê), muito pode ser usado. Claro que muita coisa eu gostaria de usar, não como um copia e cola, mas infelizmente por motivo de espaço (algo enfatizado pelo Marcelo Rodrigues) tentei fazer um apanhado básico principalmente para as questões relacionadas durante os longos 265 anos de existência do que chamo "O Império Bankdi".
Durante a ocupação Nazista na França, houve os Colaboradores, homens e mulheres que ajudaram os invasores nazista a controlar e manter a maquina burocrática.
Sem fazer qualquer juízo de valor, se foi certo ou errado, ficou claro que para aqueles que são invasores, é necessário de parte ou grande maioria da população conquistada colaborar para permanecer no controle do território ocupado.
Tentei levar a ideia para o texto, algo que ainda não está completo.
Outra avaliação é através de eventos históricos de ocupação Romana em territórios controlados que aos conquistados recebiam diferentes graus de autonomia e servidão. Havendo até mesmo caso de serviços em forças militares dentro e fora do território conquistado.
Se pensarmos que foram 265 anos de existência, várias gerações viveram e morreram, mesmo não tendo participado diretamente com os Bankdis, mas vivido sob seu julgo.
Nascendo e morrendo, vivendo as vidas simplesmente , onde a religião oficial é a Seita e a religião dos Deuses é lançada na ilegalidade.

Um dos meus grandes medos quando comecei a escrever sobre a Seita foi criar uma organização superpoderosa, com guerreiros poderosos ao extremo e que não somos depois capaz de justificar como perderam. Dizer que foi a Pedra Negra, pode, mas não teríamos como justificar diversas outras coisas antes dela aparecer.

Preferi então uma abordagem mais "real" onde a conquista sofrida com batalhas, intrigas e estratégia foi o fator decisivo para o crescimento e o poder dos Bankdis. A justificativa para a queda é ligada ao que os grandes impérios do mundo sofreram, a desintegração natural de algo que foi imposto, sem uma formação cultural, uma identidade comum, além é claro das famosas brigas internas que levam ao esfacelamento em pequenos reinos.

Na Seita não existem servos poderosos que recebem poderes nefastos e proibidos? Sim existem eles e são os "garotos propaganda" da Seita e é o arquétipo sendo trabalhado pelo Marcelos Rodrigues. Eles é que são os "Pop Star" das histórias da Seita.

Fiquei com o "chão de fábrica". risos

Outra questão que foi comentada por Nironde são as promessas de poder e imortalidade. Conceitos complicados de serem trabalhados. Recentemente fui questionado sobre a "imortalidade" dos Rotos. Para aqueles que não sabem, os Rotos são "Zumbis de Elfos Sombrios", é que são criados através do uso da magia sombria, em efeito colateral indesejado.

A grande diferença entre um Roto e um Zumbi comum é o fato de que o primeiro pode ter consciência total ou parcial de sua vida antes da morte e portanto seguir existindo de forma consciente de sua existência.

Terminada a explicação o questionamento foi: "Porque eles não dominam o mundo de tagmar?"
A primeira questão a ser levada em consideração é o fato de que não podem se regenerar. Se for danificado o corpo este permanece assim, fora o fato de que ainda está apodrecendo lentamente e se faz necessário "banhos" para permitir preserva sem perder a funcionalidade.





#8 Flores Enviado : 29/06/21 22:23
Zetagmar,

E quanto àquele relato do cultista especialista em magias do tempo, que segundo seus pares, alega ter viajado para dentre 519 e 520 anos no futuro e descoberto que os males da seita castigam o globo, estando durante fase de sua permanência com mortes em torno de 3 mil ao dia na localidade que visitou? Isso é algo alarmante e liga o alerta contra os integrantes, visto a população conhecida das cidades tagmarianas.
#9 zetagmar Enviado : 30/06/21 11:24
Flores escreveu:
Zetagmar,

E quanto àquele relato do cultista especialista em magias do tempo, que segundo seus pares, alega ter viajado para dentre 519 e 520 anos no futuro e descoberto que os males da seita castigam o globo, estando durante fase de sua permanência com mortes em torno de 3 mil ao dia na localidade que visitou? Isso é algo alarmante e liga o alerta contra os integrantes, visto a população conhecida das cidades tagmarianas.


Novidade para mim.
Onde foi obtida está informação?
#10 Nironde Enviado : 30/06/21 16:15
Zetagmar
Citação:
Outra questão que foi comentada por Nironde são as promessas de poder e imortalidade. Conceitos complicados de serem trabalhados. Recentemente fui questionado sobre a "imortalidade" dos Rotos. Para aqueles que não sabem, os Rotos são "Zumbis de Elfos Sombrios", é que são criados através do uso da magia sombria, em efeito colateral indesejado.


Imortalidade
Pode ser no sentido de não morrer por idade, o corpo não envelhece.

Isso quer dizer que pode morrer sim.

Agora aínda não entendi qual o problema nisso?...

Por isso que disse que a Seita é falida sem nada a oferecer...


#11 zetagmar Enviado : 30/06/21 21:43
Na proposta apresentada dentro do item historia da Seita, apresento uma Seita "vivendo" na clandestinidade.
A seita como grande entidade religiosa passa a se organizar em grupos menores, mas ainda fieis a causa e principalmente ao grande herdeiro de Ras'Zoul.

Faço menção ainda de durante o longo período como religião oficial do Império Bankdi, acumulou uma vasto tesouro que oficialmente foi "perdido", mas que tornou-se o caixa da organização e financia as atividades do submundo.

Não sou contra a imortalidade e com seus problemas e limitações, o que acredito é que nem todos devem ter acesso a este tipo de tesouro, por assim dizer.

A proposta de oferecer isso, é que deve aparecer isso durante a própria trama.

Pensei em algo semelhante para justificar a presença do personagem Ras'Zoul até os tempos atuais, mas ficaria cliché demais a história de uma vilão eterno. Principalmente porque dentro da mitologia de tagmar, já existem os Reis-Feiticeiros, Edrom e tantos outros.
Usuários visualizando este tópico
Guest
Ir para o Fórum  
Você não pode adicionar novos tópicos neste fórum.
Você não pode responder a tópicos deste fórum.
Você não pode excluir suas participações deste fórum.
Você não pode editar suas participações neste fórum.
Você não pode criar enquetes neste fórum.
Você não pode votar em enquetes neste fórum.

YAFPro Theme Created by Jaben Cargman (Tiny Gecko)
Powered by YAF | YAF © 2003-2009, Yet Another Forum.NET
LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.