Detalhamento dos Anões
Discutir Histórico Ver Ultima Mudança Editar Pesquisar
Detalhamento dos Anões

Detalhamento das Raças - Anões

Por Guilherme Faria Costa - Vercenorax

Mote Introdutório

“Pelo Machado de Blator, eu vos digo Pela Família e Pelo Clã.”

Introdução

Os anões são em geral uma raça resistente e obstinada, reservada, laboriosa, que conserva a lembrança de injúrias (e também de benefícios), amante da pedra, das gemas, das coisas que adquirem forma nas mãos dos artesãos mais do que daquelas que vivem por si mesmas.

Descrição Física

São humanóides com em torno de 1,3 m a 1,5 m, variando o peso de 75 a 85 kg em média; são fortes e muito robustos, dando lhes a capacidade de realizar grandes caminhadas carregando muito peso.
Os anões na sua maioria possuem cabelos, ruivos, e no caso dos anões a barba. Anões com barbas negras, feito carvão e loiras, feito ouro também são encontrados facilmente. Seus olhos são castanhos ou verdes, o mais incomum é o azul e suas variações.
As diferenças entre um anão e uma anã são: a barba e depois o porte físico. As anãs são levemente rechonchudas, delicadas e de rostos redondos. O curioso é que os anõezinhos são bem miúdos, porém maiores que os filhos dos pequeninos, mas os anõezinhos já apresentam uma constituição mais robusta do que crianças humanas.

Longevidade

Os anões têm a terceira maior longevidade das raças de Tagmar, logo após os elfos (primeira) e os meio-elfos (segunda); vivem em torno de 500 anos, e desde os 20 já possuem uma aparência mais velha quando comparada as outras raças com a mesma idade, mas mais novos quando comparados em idades mais avançadas.

Comportamento

Anões em sua maioria são arrogantes, exacerbados, orgulhosos, e possuidores de um grande senso de honra e moral próprios. Anões homens são muito rudes e ruidosos, desconfiam totalmente de estranhos que não são de sua raça, e principalmente de elfos. Em combate, são extremamente obstinados, mas pensam muito bem antes de agir, pois apesar de serem de natureza combativa, são estratégicos por excelência.

As anãs são mais suscetíveis a tolerância e demais sentimentos explícitos; são tímidas, porém corajosas quando necessário. As que estão noivas apresentam um comportamento recatado e estão sempre na companhia de suas damas ou amigas.
As crianças são o espelho dos adultos só que em tamanho reduzido. Os mais velhos são bem ranzinzas em comparação a qualquer outra raça o que torna muito complicada a relação com não anões.

Costumes e hábitos

Em geral preferem um vestuário de cores semelhantes aos minerais e metais que extraem das entranhas da terra, mas sempre ou por cima ou por baixo da roupa usam pelo menos algum tipo de armadura. As anãs preferem roupas em tons mais claros e em cores vivas, com índigo, púrpura, carmesim, entre outras. Os anões preferem cores mais escuras seja qual for.
Em construções tem uma particular preferência por fazerem-nas em tamanhos infinitamente fora do normal, para que não apenas eles pareçam pequenos, mas todas as outras raças.
Suas festas são demoradas, mas menores de que as dos pequeninos, entremeadas por combates corpo a corpo e por competições de escultura, carpintaria, trabalhos de forja e também por representações artísticas, como pintura e canto gregoriano.
As festas mais esperadas são as de Blator e Parom, onde predominam as competições equivalentes ao deus homenageado.
As moças antes de se casarem usam véus que cobrem os olhos, estes presos por tiaras de prata, ouro e outros metais preciosos, de acordo com a condição da família.
Possuem o hábito, tanto mães como pais, de passarem seus jogos de cama e pratarias, armas e armaduras, respectivamente a seus filhos, e no casamento as alianças com que se casaram.
Sua alimentação deixaria um humano ou obeso ou o mataria, pois é muito concentrada em carnes, tubérculos, raízes e cereais, cozidos assados e grelhados de forma muito gorda para que tenham como pensam a força necessária para trabalhar ou combater, claro que acompanhadas por bebidas fortes e certa quantidade de fumo.
Apesar de não parecer, anões gostam de música, principalmente a produzida por gaitas-de-foles, rabecas, tambores e flautas.

História

A história do povo anão começa milênios atrás, durante o segundo ciclo, quando os deuses andavam entre os mortais e seu pai Blator estava feliz com seus filhos. Fortes e incansáveis os anões foram uma das primeiras raças a rapidamente se organizar e plantar as primeiras sementes do que seria um grande império nas terras ao sul das estepes centrais. Uma região, hoje, apagada dos mapas, destruída pelo Cataclismo que marcou o início do terceiro ciclo em Tagmar.
Conta à lenda que, quando Blator criou os anões,fez três casais e estes seriam os fundadores dos três grandes clãs; o clã de Turbom, o clã de Vurbom e o Clã de Rurbom. Os clãs que nasceram destes pais fundadores deram origem às diversas famílias que juraram fidelidade aos clãs fundadores.
Foi em épocas assim que as bestas e a picareta de combate acabaram sendo desenvolvidas, a primeira em Blur quando os anões deixaram de ser nômades, e a segunda pelos de Acordo, que a aperfeiçoaram para o combate.

Habitat

Os anões gostam muito de viver em locais, onde podem exercer seu mais adorado trabalho: extrair metais, tanto preciosos como os para fabricação de armamento, e pedras preciosas.
Vivem em montanhas ou locais onde o minério é abundante; em comunidades isoladas, ou em cidades grandes e de grande importância comercial, não só para sua raça como para outras; e em locais mistos a outras raças.
Suas comunidades e cidades mais conhecidas são:
  • Ludgrim: têm uma comunidade própria, que fica em algum ponto na parte leste das Montanhas Morânicas, e podem também ser encontrados em vilas, trabalhando como hábeis ferreiros ou mercenários à procura de encrenca.
  • Fontenova: não é uma cidade verrogari essencialmente anã, tem considerável número devido à cidade ser um pólo minerador.
  • Isalibel: é uma cidade dantseniana povoada por anões e meios-elfos, mas cada um vivendo separado em sua porção.
  • Lubliama: é a cidade maranense com o maior número de anões da parte sul de Tagmar, com mais de três mil anões, e sede da Liga dos Forjadores, uma sociedade de anões ferreiros como muito boa fama.
  • Portis: algumas pequenas comunidades residem nos Montes Raltril.
  • Acordo: o reino com o maior número de anões fora de Blur de toda Tagmar, recebeu esse nome devido a um acordo feito entre eles e os humanos; todas as cidades possuem forte presença anã.
  • Plana: possui um numero considerável de anões que residem próximos das Sotopor.
  • Calco: a maior população encontra-se em Torojai e Saupami, mas com pequenas populações nas demais cidades.
  • Conti: concentrados em Virena e na porção norte do reino.

    Sociedade

    Os anões estão espalhados pelo mundo todo, mas possuem suas próprias comunidades e concentrações as quais chamam de cidades. Suas “cidades” são compostas por uma família principal e cerca de três ou quatro secundarias, e dois outros terciários, além de muitos que vieram de outros lugares. Sua economia baseia-se na metalurgia, siderurgia, na extração de minério e na produção de armamento, além de uma agropecuária que usa de muitos avanços, como irrigação, e plantios em terraços, como a pecuária intensiva.
    As comunidades anãs, apesar de serem não visíveis à distância, podem ser distinguidas facilmente depois de certa altura, isso porque suas construções são do tipo rochoso local, assim como são baixas. As casas são octogonais e de telhado reto, suas forjas são um pouco semelhantes, mas possuem o telhado em forma de cone; isso variando quando não são influenciados por outros povos.
    A família é de extrema importância, e sendo de uma que tenha grande renome, garante prestígio ao seu integrante, e uma ofensa a este pode resultar na cólera nos demais familiares, ou em famílias aliadas.
    Nas comunidades e em cidades que os anões compõem um número considerável, uma espécie de escola é fundada, onde os anõezinhos irão receber um estudo até os 20 anos; a partir de tal data, as anãs são automaticamente dispensadas, e os anões serão transferidos para academias militares, onde terão no mínimo cinco anos de ensino nas armas, depois disso sendo facultativo o ingresso permanente no exército, mas que os capacita em tempos de guerra, o que os torna extremamente disciplinados em combate, acatando ordens com prontidão imediata.
    Os anões possuem uma sociedade semi-igualitária, onde o filho mais velho, seja anão ou anã, assume o comando do clã, então podendo ser ora patriarcal, ora matriarcal; sua sociedade é muito simples e de fácil compreensão. Ela se depõe da seguinte forma:

  • Chefe Supremo de Clãs: é aquele eleito pelo Conselho de Anciãos de cada clã, e exerce as funções de batalha, comércio e relações com as demais comunidades e outras raças.
  • Administrador da Casa: vem a ser na maioria dos casos a mulher do chefe do clã ou seu marido, conforme o Chefe, que o auxilia nos números, lucros e dados a dispor sobre os acontecimentos (compras, vendas, barganhas).
  • Conselho de Anciãos: é um conselho formado pelos anões ou anãs mais velhos dos clãs, e possuem a função de acudir os chefes em decisões de difícil solução.
  • Sumo Sacerdote e Sacerdotes: representantes de Blator e de Parom, ou outros deuses têm como obrigação presidirem os cultos, sepultamentos, partos e outras funções que condizem com suas profissões.
  • Campeão: é o guerreiro mais poderoso do clã.
  • Armeiros, Ferreiros, Engenheiros, Pedreiros, Pastores, Agricultores, etc.

    A sociedade anã é extremamente desconfiada de magos, rastreadores e bardos, ou aqueles que possuam a habilidade de controlar magia arcana, mas prezam muito sacerdotes de seus deuses prediletos.
    Em se tratando de crimes, é convocado um tribunal que é presidido pelo chefe supremo de clãs, pelos anciãos e pelos sacerdotes, os crimes serão julgados da seguinte forma:

  • Crimes hediondos (regicídio, fratricídio, assassinato contra familiares): morte, onde o corpo será velado como indigente e enterrado na terra, longe dos limites e fronteiras.
  • Crime contra o corpo (assassinato, latrocínio, entre outros): morte.
  • Crime contra bens materiais (roubo, corrupção, etc.): deverá ser paga uma indenização em roubos menores, serviços ao vitimado pelo roubo, e em casos mais graves trabalhos forçados nas minas até que a divida seja paga, ou aputação de alguns dedos.
  • Crime contra a honra, moral e ancestrais: haverá um combate entre o campão das famílias em questão ou clã, contra o ofensor até o primeiro sangue, onde o ofensor deverá prestar serviços ou indenizações aos ofendidos, a decisão nesse caso fica a critério dos anciãos decidirem. Em caso de ofensa maior pode ser aplicada a pena de exílio ou banimento perpétuo.
  • Crimes menores ou furtos: o meliante ficará detido por certa quantia determinada de tempo e depois pagará uma indenização.

    Religião

    Dentre os deuses mais cultuados encontram-se Blator, Parom e Maira Mon. Sendo Blator, esmagadoramente o mais cultuado entre eles e seus sacerdotes muito respeitados em suas comunidades.
    Os anões são por natureza temente ao seu pai criador, e outros deuses, construindo igrejas e templos em suas comunidades para a veneração.

    Mitos e Lendas

    Os anões possuem seus mitos e lendas, mas não são tão supersticiosos, de modo a causarem estardalhaços, ou dizerem que alguma coisa é mau presságio.
    Mas uma lenda anã diz que em algum lugar das poderosas e perigosas montanhas da cordilheira de Sotopor, existe uma gigantesca comunidade anã escondida e poderosa que o próprio Blator a protege, nela existiriam estátuas de animais de ouro em tamanho colossal e cavernas cintilantes, onde nunca se esta no escuro. Mas se é apenas uma lenda, quem sabe...

    Magia

    Por motivos sensatos anões não podem manipular o karma não divino, isso aliado ao fato de que os que tentaram fazer-lo foram banidos e riscados das genealogias. Historicamente os anões sofreram influência élfica sobre a magia arcana, obtendo resultados por eles abomináveis sendo que tal prática foi totalmente abolida e condenada; o que resultou na richa entre as duas raças. Os sacerdotes são exceção, pois receberam esse “dom” diretamente dos próprios deuses.

    Línguas

    Os anões possuem um tom de voz muito mais grave que os humanos, quase gutural e pronunciado muitas vezes pela garganta.
    A língua dos anões é chamada Língua de Pedra pelos outros povos como também pelos próprios anões quando em referência a esta. É muito difícil de ver um anão em sua comunidade conversando uma língua que não seja a sua, mas é corriqueiro aos anões aprenderem a falar o malês, pois é a língua utilizada por estes no contato com outras raças, mas outro individuo que tenha o interesse de aprender a língua dos anões, deve saber que antes de se pronunciá-la deve-se prestar uma reverência, pois é uma língua quase “sagrada” ao seu povo, e não prestá-la é tomado como ofensa, pelos mais ortodoxos.

    Visão da Raça sobre Tagmar

    Os anões não são tão inclinados a aventuras depois de certa idade de suas vidas, quando constituem família e empregos fixos, mas possuem um gosto particular por se embrenharem em batalhas e guerras as quais são convocados ou convidados a vir. Mas durante sua juventude partem por diversos rumos para conhecerem o mundo, numa razão por dizer somente menor que a dos humanos, algo como 4 em cada 10; estes quando retornam de suas viagens, possuem lugares de importância em rodas de conversas em suas comunidades.

    Visão e Relacionamento da Raça com outras raças

    Entre as raças civilizadas os anões se dão bem com os humanos e com os pequeninos; possuem uma relação de desconfiança com os meio-elfos, sendo que estes devem conquistar a sua confiança, seja em combate, fidelidade ou companheirismo; e desconfiam totalmente de elfos sejam eles florestais ou dourados. Sobre as raças selvagens odeiam toda forma de vida entre essas.

    Resumo para o Manual de Regras


    Os Anões são uma raça de seres humanóides de baixa estatura, fisicamente semelhantes a seres Humanos excepcionalmente baixos e atarracados, tendo uma média de 1,3 metros de altura. A aparência dos Anões engana, pois apesar de sua baixa estatura, eles costumam ser mais fortes e mais resistentes que os Humanos.
    Os Anões costumam viver em cidades construídas sob a terra, geralmente no interior de montanhas. Devido a essa vida na escuridão, essa raça desenvolveu a capacidade de ver perfeitamente em ambientes com pouquíssima luz. A maioria dos Anões viaja pelo mundo em uma época ou outra de suas vidas, geralmente em busca de riqueza, pois são ambiciosos e estão sempre à procura de meios de aumentar suas posses. Para um Anão, porém, mais importante que tesouros é sua fama de grande aventureiro. Por isso, a maior parte deles parte em busca de aventuras para criar uma reputação, pois o orgulho, tanto individual quanto racial, é uma característica marcante de sua raça.
    Os Anões são orgulhosos, ambiciosos e suscetíveis (nunca brinque a respeito de sua altura). Contudo, salvo raras exceções, não seriam capazes de trair um amigo ou serem desonestos por essa ambição. Apesar do tempo de vida longo, girando em tomo dos 500 anos, os Anões são pouco numerosos, sendo as mulheres de sua raça mais raras ainda. Assim, raramente irá se encontrar uma aventureira anã, pois estas são muito protegidas. Isto não impede que assumam grandes responsabilidades administrativas, educacionais e científicas (engenharia, medicina, etc.) em suas comunidades, já que os homens dedicam-se mais à guerra e à religião.
    Anões são mestres artífices por índole e, apesar de sua personalidade, apreciadores de obras de arte (principalmente escultura e joalheria). Isto os torna respeitadores de bons artífices de qualquer raça, fazendo mesmo com que procurem contatos com o mundo exterior para aprimorarem sua arte. Anões serão muitas vezes encontrados nas cidades humanas exercendo posições de autoridade nas corporações de ofícios, ou como artífices pessoais de reis ou da alta nobreza.

    Profissões: Ladino, Guerreiro e Sacerdote.
    Ajustes: Aur -1; For +1; Agi -1; Fis +2.
    Velocidade Base: 14
    EF Básica: 12
    Características especiais: Não podem usar magia não divina.
    Início de carreira: Geralmente entre os 20 e100 anos.
    Longevidade: 500 anos.
    Altura média: 1,30m.
    Peso médio: 80 kg.

    Verbetes que fazem referência

    Ambientação em Oficialização

    Verbetes relacionados

    Tempo e Dores | Livro Ilhas Independentes | Bardos | Guerreiros | Ladinos | Magos | Sacerdotes | Detalhamento dos Anões | Detalhamento dos Elfos | Detalhamento dos Humanos | Detalhamento dos Meio-elfos | Detalhamento dos Pequeninos
  • LGPD (Lei Geral de Proteção a Dados): o site do Tagmar usa a tecnologia de cookies para seu sistema interno de login e para gerar estatísticas de acesso. O Tagmar respeita a privacidade de cada um e nenhuma informação pessoal é armazenada nos cookies. Ao continuar a navegar pelo site você estará concordando com o uso de cookies.