Histórico Voltar para Lista
.

Próximo ao Vulcão Forja existiu uma temida tribo de gigantes do fogo conhecida por suas pilhagens e selvageria. Seu líder era Tourogar, um gigante vigoroso e inteligente muito respeitado por todos do seu Clã. Tourogar conseguiu reunir o maior grupo de assalto já visto. Existiam mais de 100 gigantes guerreiros sob suas ordens. O seu vasto tesouro era um dos seus maiores orgulhos.

Tourogar possuía dois filhos: Turagom e Turagor. Turagom era o filho mais inteligente e sádico. Turagor era o mais forte e estúpido. Cada um deles liderava um pequeno grupo de pilhagem dentro do Clã.

Desde pequenos seus filhos competiam em tudo. Disputavam quem era o mais forte, quem possuía mais escravos, quem acumulava mais tesouros, quem matava mais... Os irmãos eram inimigos desde a infância. Com o passar do tempo suas brigas começaram a ser mais intensas. E a disputa já não era mais limitada aos dois. Seus grupos de pilhagens também se tornaram inimigos mortais!

Com idade avançada e sem participar com tanta frequência das guerras e pilhagens, Tourogar, sempre que podia, delegava tal incumbência aos filhos. Mas a rixa entre eles era o seu maior desgosto. Tinha certeza absoluta que após a sua morte o seu pequeno reino seria assolado por uma devastadora guerra civil. Tudo que havia conquistado com tanto suor seria destruído pela terrível inimizade entre os irmãos...

Sem saber mais o que fazer, atormentado a cada instante, com suas forças já quase o abandonando e os rumores de uma provável sucessão já se espalhando por todo o Clã, o velho líder resolveu acabar de vez com tudo aquilo. Em um ato de desespero, junto com o seu fiel capitão, Taravor, procurou um misterioso elfo que vivia há anos na região. Ele havia sido renegado por sua própria raça por causa dos seus estranhos poderes... Falava e controlava os mortos! Frente a frente com o tal elfo, externando um semblante triste e preocupado, o líder Gigante lhe falou:

- Preciso de sua ajuda, bruxo... Meu reinado está sucumbindo. Os meus filhos são inimigos mortais. Gostaria muito que eles fossem amigos. Você seria capaz de unir os dois irmãos?

O sombrio Elfo por um instante hesitou. Seus pensamentos foram longe. E lançando um maquiavélico olhar respondeu:

- Sim... Sim, rei gigante! Sou capaz de resolver o seu problema! Mas isso lhe custará toda a riqueza acumulada por seu povo.

Tourogar não pensou duas vezes! O acordo foi feito. Após o pagamento, o grande gigante voltou ao seu Clã. Esperava por um sinal, um sinal de que o seu reino poderia ser salvo.

Nas bordas do grande vulcão, o sombrio Elfo, pronunciando palavras há muito esquecidas, evocou um poderoso servo dos planos inferiores. Do rio incandescente ele emergiu, estava adormecido há muito tempo. Tinha uma aparência disforme. Um forte cheiro de enxofre rapidamente pairou no ar. Em uma língua jamais ouvida por nenhum homem, o Elfo Negro conversou com o tenebroso ser. Um grunhido estrondoso foi ouvido por toda a região, a criatura mergulhou novamente na lava do vulcão. O compromisso estava selado.

Uma estranha bruma cobriu toda a região. Por sete dias e sete noites a estranha fumaça não se dissipou. Durante esse tempo, uma intrigante sombra foi vista rondando as cavernas da região. No oitavo dia finalmente o nevoeiro desapareceu.

Muito adoecido, Tourogar sabia que esse era o sinal que tanto esperava. No seu leito de morte mandou que chamassem seus dois filhos. Estava inquieto.

Gritos de horror por toda a tribo! Em seguida ouviu passos em sua caverna e a imagem que ele viu foi aterradora. Seus dois filhos estavam dividindo o mesmo corpo! Haviam se transformados em uma horrenda aberração!

- Duas cabeças, dois pensamentos. Um só sangue, um só corpo. Para sempre... - Balbuciava repetidas vezes o Elfo sombrio, em um macabro ritual em sua caverna.

No seu último suspiro, Tourogar olhou para a aberração, ficou aliviado. Viu enfim seus filhos unidos. Não estavam mais brigando. O grande guerreiro então se foi para a morada de Cruine.

Estranhamente, os gigantes comandados por seus filhos também foram transformados em várias daquelas terríveis criaturas: Duas cabeças em um só corpo!

O restante da tribo, liderada pelo destemido Taravor, rapidamente tratou de se organizar e expulsar aqueles horríveis monstros. Foram todos perseguidos e banidos da região. Todos sentenciados por seus atos.  

Gigantes de duas cabeças têm uma aparência intimidadora. Possuem diversos calombos, deformações, e cicatrizes por todo o corpo. Suas feições são exageradas e seus dentes são afiados e mal formados. Uma das cabeças geralmente é calva e a outra apresenta uma rala pelugem avermelhada ou negra. Podem atingir até 6,5 metros de altura e cerca de 2.400kg.

Cada cabeça pensa independentemente da outra, o que pode levar a criatura a fazer coisas estranhas e sem sentido. Ataques nervosos não são raros. As duas cabeças tornam a criatura muito alerta e uma ótima observadora.

Possuem um dialeto próprio, uma espécie de rosnado misturando diversas línguas como o Malês, o Gigante, e uma outra desconhecida. As cabeças conversam entre si sem dificuldade, e, apesar de sua baixa inteligência, são capazes de passar muitas horas conversando, quase sempre sem chegar a um acordo.

Ferozes carnívoros, saem dos seus covis para caçar a qualquer hora. São excelentes caçadores e não escolhem a sua vítima. É muito comum, inclusive, a antropofagia. No entanto, não apreciam muito as carnes de orcos e trols, por não as considerarem saborosas. Não costumam atacar grupos muito grandes (+ 10 indivíduos), ou criaturas notadamente mais poderosas (ex. hidras gigantes).  Após capturar sua caça, costumam levá-la, ainda viva, à sua caverna para devorá-la posteriormente com mais calma.

Podem, ainda, construir pequenas armadilhas próximas ao seu covil. Sendo excelentes caçadores, desenvolveram a habilidade seguir trilhas, muito utilizada na perseguição de sua presa.

Vivem em grandes cavernas localizadas principalmente nas montanhas e cordilheiras do sul de Tagmar. Em sua caverna; possuem alguns utensílios rústicos, geralmente de fabricação própria ou fruto de alguma pilhagem. Costumam fazer grandes prisões de ossos e madeira onde mantêm suas vítimas ainda vivas (têm preferência por carnes frescas). Guardam, ainda, uma quantidade razoável de tesouros provenientes de suas caçadas e pilhagens.

Seus covis são geralmente bem camuflados, sendo necessário um rolamento na habilidade Usar Sentidos, com nível de dificuldade média ou difícil, para localizá-los.

Tendo em vista a baixa luminosidade de suas cavernas, os gigantes de duas cabeças desenvolveram a capacidade de enxergar em lugares com pouca luminosidade (visão noturna 1).

De organização solitária, preferem viver sozinhos. Eventualmente, formam grupos com outros da mesma espécie para caçar, enfrentar inimigos mais numerosos ou poderosos. Também podem se agrupar quando são aliciados por algum mago para servirem como seus guardiões, sempre em troca de uma boa recompensa.

Quando em grupo, geralmente não possuem líderes. Com uma inteligência limitada são incapazes de formar uma organização muito complexa. Contudo, mesmo desorganizado, seu bando costuma ser muito brutal e impiedoso com seus adversários.

São fortes e hábeis no manejo de armas, o que os torna oponentes terríveis.

Em combate são muito sanguinários. Usam geralmente grandes porretes e clavas mal confeccionadas. Buscam sempre surpreender seus adversários, e, assim como os outros gigantes, são excelentes arremessadores de pedras. Podem arremessar grandes rochas com uma precisão de até 30 metros. Eles se vestem com grandes peles de caça que são equivalentes às armaduras de couro rígido.

Os gigantes de duas cabeças possuem um ódio mortal pelos elfos e outros gigantes. Sempre que estiverem em combate contra um deles, serão possuídos por uma grande fúria (nível 10) ganhando +5 pontos na coluna de ataque e lutando até a morte.

Por fim, são muito odiados por todas as outras raças de gigantes (exceto os Ciclopes), que os consideram terríveis aberrações.

Sempre que uma tribo de gigantes souber da existência de um gigante de duas cabeças próximo ao seu território, imediatamente formará um grupo para abatê-lo.

Tipo de Criatura

Raças Gigantes

Organização e Habitat

Grupo Pequeno / Montanhas e Cordilheiras

Habilidades / Técnicas de Combate

Escalar Superfícies(16), Manusear Armadilhas(11), Seguir Trilhas(14), Trabalhos Manuais(6), Usar os Sentidos(16) / Fúria(23)

Magias e Poderes Especiais

Visão Noturna (1)

Peso/Altura/Largura

2400 Kg / 6,5 m / 6,5 m

Atributos

INT(-3), AUR(0), CAR(-2), FOR(6), FIS(4), AGI(1), PER(6)


NomeEstEFEHDefesaAtaqueLMP100%75%50%25%RFRMMoralVB
Gigante de Duas Cabeças 17101238M1Clava1717143830221421173060
Porrete19181534272013
Rochas13151730241812